ANENN: o esboço de um sonho

Autores

  • Guilherme Nogueira de Souza Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1443

Palavras-chave:

ação política, ANENN, etnografia virtual, juventude, movimento negro

Resumo

O ano é 2004. O contexto é o intenso debate público sobre desigualdade de acesso ao ensino superior que a política de cotas para estudantes negros, adotada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), em 2002, gerou nos meios de comunicação de massa, nas universidades, nos círculos militantes e nos meios políticos institucionais. Neste contexto, um grupo de jovens universitários negros, reunidos em torno da realização do III COPENE, decide por sonhar a construção de uma organização política autônoma, composta por jovens negros, que fosse capaz de incidir sobre o debate a respeito da democratização do acesso ao ensino universitário. O presente trabalho pretende analisar o processo de construção desta organização intitulada Associação Nacional de Estudantes Negros e Negras (ANENN). A ANENN nasceu do encontro político de aproximadamente 30 jovens e rapidamente se expandiu, ampliando o escopo de participação e, também, os dilemas que envolviam a sua construção. Neste trabalho se pretende analisar os processos de negociação, articulação, construção de consensos e rupturas que o sonho de uma organização de caráter nacional impôs a esses jovens. Um dado importante a respeito da ANENN é que ela congregava militantes de vários estados da federação. Em função disto, apesar da existência de encontros presenciais, o “espaço” mais dinâmico da ANENN foi a lista de discussão na Internet. Central para articulação de jovens de diferentes estados, majoritariamente pobres e sem financiamento institucional, este “espaço” virtual foi o palco mais dinâmico para a apresentação de ideias, debates, disputas políticas e construções coletivas a respeito dos temas centrais sobre os quais a ANENN pretendia atuar politicamente. Em função desta característica, metodologicamente, este trabalho trata-se do produto de uma etnografia virtual cujo objetivo foi acompanhar as negociações em torno do esboço de um sonho.

Biografia do Autor

Guilherme Nogueira de Souza, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2005), mestrado em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008) e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2012). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, subchefe do Departamento de Ciências Humanas e Filosofia (DCHF) do Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira - CAp/UERJ e coordenador do Laboratório de Pesquisa e Ensino em Ciências Sociais - LEPCS. Tem experiência na área de Antropologia e ensino em Ciências Sociais com ênfase em Identidades Sociais, atuando principalmente nos seguintes temas: relações raciais, mobilidade, identidades sociais, gênero, movimento negro e ensino de Sociologia.

Referências

ALEXANDER, Jeffrey C. Ação Coletiva, Cultura e Sociedade Civil: Secularização,

atualização, inversão, revisão e deslocamento do modelo clássico dos movimentos

sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, jun. 1998, vol.13, no.37, pp.5-31.

ANDERSON, B. Nação e Consciência Nacional, Rio de Janeiro: Ática, 1989.

AZEVEDO, C.M.M. Entre o universalismo e o diferencialismo: uma reflexão

sobre as políticas anti-racistas e seus paradoxos, Interseções–Revista de Estudos

Interdisciplinares, ano 2, n. 1, pp 85-94, 2000.

BRADLEY, J. Methodological issues and practices in qualitative research. Library Quarterly, v. 63, n. 4, p. 431-449, 1993.

BAUMAN, Z., Comunidade: a busca por segurança no mundo atual, Rio de Janeiro:

Jorge Zahar Ed., 2003.

CASTELLS, M. O Poder da Identidade. 2 eds. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CUNHA, M.C. Antropologia do Brasil: mito, história, etnicidade. São Paulo:

Brasiliense, 1986.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. Os Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de

poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

FERRAZ, C.P.; ALVEZ, A.P. Da etnografia virtual à etnografia online: deslocamentos dos estudos qualitativos em rede digital. In: 41º Encontro Anual ANPOCS. Caxambu, 2017.

FRASER, N. Redistribuição e Reconhecimento? Classe e Status na Sociedade

Contemporânea. Interseções – Revista de Estudos Interdisciplinares, ano 4, n.1, pp.

-32, 2002.

GIDDENS, A. As consequências da Modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

GOHN, M.G. Teoria dos Movimentos Sociais: paradigmas clássicos e

contemporâneos. São Paulo: Edições Loyola, 1997.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

HOBSBAWN, E.; RANGER, T. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

NOGUEIRA, O. (1950), “A propósito de Etnias sergipanas, de Felte Bezerra” (com

resposta deste). Sociologia, XII (4): 323-331, out.

_____. (1954), “Relações raciais entre negros e brancos em São Paulo: relações raciais

no município de Itapetininga”. Anhembi, XIV (41), abr.

SILVA, T.T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais.

Petrópolis: Vozes, 2000.

SODRÉ, Muniz. Claros e Escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes,

SOUZA, G. N. Os negros de camadas médias no Rio de Janeiro: um estudo sobre identidades sociais – Dissertação de Mestrado. UERJ, 2008.

______ Os negros ascendentes na região metropolitana do Rio de Janeiro: trajetórias e perspectivas. Tese de Doutorado. UERJ, 2012

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Souza, G. N. de. (2019). ANENN: o esboço de um sonho. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1443

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura