Ser Aluno e Paciente: Um Novo Olhar Sobre o Acesso Pedagógico Hospitalar

Autores

  • Amanda Flores Scremin Universidade Federal de Santa Maria
  • Jane Schumacher

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1378

Palavras-chave:

Atendimento pedagógico hospitalar, ensino, aprendizagem, lúdico.

Resumo

O estudo busca discutir sobre as atividades de ensino e aprendizagem prática, de apoio pedagógico lúdico ao paciente, garantindo seu desenvolvimento e contribuindo para a sua reinserção e adaptação no ambiente escolar após a alta. Atividade é desenvolvida no o Serviço de Hemato-Oncologia do HUSM no Centro de Tratamento da Criança com Câncer (CTCriaC), que dispõe de equipe, constituída de médicos, profissionais de enfermagem, nutricionista e psicóloga e fisioterapeuta, é a unidade de internação de crianças e adultos jovens (0 a 20 anos) com leucemias, tumores sólidos e distúrbios hematológicos, que realiza assistência multiprofissional no diagnóstico, tratamento, manutenção e cuidados paliativos, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos pacientes, reinserindo-os na vida social (escola, família, lazer, etc.). Através das ações, permite aperfeiçoar a aprendizagem complementar dos acadêmicos, por meio de atividades prático-teóricas de forma lúdica, realizadas junto aos pacientes do Serviço de CTcriaC, viabilizando assim, mais uma forma de aprendizado complementar aos licenciados. As práticas relacionadas às vivências extracurriculares no setor, viabilizam o acesso dos alunos permitem que os mesmos adquiram conhecimentos complementares sobre ações pedagógicas desenvolvidas no ambiente hospitalar em prol do processo de aprendizagem da criança hospitalizada possibilitando que ela não perca o vínculo com a instituição escolar que frequenta, contribuindo, portanto, para a formação dos alunos e as ações pedagógicas desenvolvidas no ambiente hospitalar, em prol do processo de aprendizagem da criança hospitalizada possibilita que ela não perca o vínculo com a instituição escolar que frequenta.

Biografia do Autor

Amanda Flores Scremin, Universidade Federal de Santa Maria

Educação Especial UFSM

Referências

ARAUJO, José Carlos Souza. Disposição da aula: os sujeitos entre a técnica e a polis. In.:VEIGA, Ilma P. (Org.). Aula: Gênese, Dimensões, Princípios e Práticas. Campinas: Papirus, 2008.

BRASIL, Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Resolução n°41/1995 de 13 de outubro de 1995. Aprova em sua íntegra o texto oriundo da Sociedade Brasileira de Pediatria, relativa aos Direitos da Criança e do Adolescente hospitalizado. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); Out 17; Seção 1:163/9-16320, 1995.

BRASIL, Ministério da Educação (BR), Conselho Nacional da Educação. Resolução CNE/ CBE, n. 2, de 11 de setembro de 2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica [Internet].Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2001.Disponívelem: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/resolucao2.pdf. Acesso. 9 junho de 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC/ SEESP; 2002.

BRASIL. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Resolução n° 41 de Outubro de 1995 (DOU 17/19/95). SOUZA et al. 91 ISSN: 1982-1123 Educere - Revista da Educação, v. 18, n. 1, p. 81-92, jan./jun. 2018 Carta da criança hospitalizada / Instituto de Apoio à Criança. Humanização dos serviços de atendimento à criança. Lisboa: IAC, 1998. 22 p. ISBN 972-8003-14-5.

CECCIM Ricardo B. Classe hospitalar: encontros da educação e da saúde no ambiente hospitalar. Pátio. 1999.

ESTEVES, C. R. Pedagogia Hospitalar: Um breve histórico, 2008. Disponível em:http://pedagogiaaopedaletra.s3.amazonaws.com/wpcontent/uploads/2013/06/HIST%C3%93RICO-DA-PEDAGOGIA-HOSPITALAR.pdf>.Acesso em: 23 maio 2018.

FONSECA, E. S. A situação brasileira do atendimento pedagógico—educacional hospitalar. Disponívelem:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97021999000100009>. Acesso em: 25 de maio de 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 39ª. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FROEBEL, F. W. A. A educação do homem. Tradução de Maria Helena Câmara Bastos. Passo Fundo: UFP, 2001.

LIMA, C. C. F. e PALEOLOGO, S. O. A. Pedagogia Hospitalar: A importânciado apoio pedagógico dentro dos hospitais para jovens e crianças. Disponível em: <http://www.faceq.edu.br/efaceq/downloads/numero01/pedagogia%20hospitalar%20cristina%20cavallari.pdf>.Acesso em: 21 set 2018.

MATOS, E. L. M. e MUGIATTI, M. M. T. F. Pedagogia Hospitalar: A Humanização Integrando Educação e Saúde. 4. ed. Rio de Janeiro. Ed. Vozes. 2009.

PIMENTA, S. G. Pedagogia e Pedagogos: caminhos e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2001.

SILVA, Edileuza F. da.A aula no contextohistórico. In.: In.: VEIGA, Ilma P (Org.). Aula: Gênese, Dimensões, Princípios e Práticas. Campinas: Papirus, 2008.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Scremin, A. F., & Schumacher, J. (2019). Ser Aluno e Paciente: Um Novo Olhar Sobre o Acesso Pedagógico Hospitalar. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1378

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar