Formações Discursivas na Comunicação Não Violenta

Autores

  • Sandra Barbosa Parzianello Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1355

Palavras-chave:

Comunicação, Linguagem, Formações Discursivas, Comunicação Não-Violenta, Cultura de Paz

Resumo

Propomos um debate à cerca das reflexões para se estabelecer práticas de Comunicação Não Violenta (CNV) e Cultura de Paz, que dialoguem em torno dos saberes filosóficos e das Ciências Sociais. Partimos do pressuposto de que todo o ser humano social interage e interdepende do Outro, quando se dedica às soluções dialogadas e não impositivas. Nosso objetivo é valorizar e despertar sobre a importância do tema, bem como às novas dinâmicas das relações sociais do mundo contemporâneo em que os sujeitos venham a aprimorar as formas de relacionamento e convivência. Dada a ênfase da comunicação, como discurso, tomamos esta como constitutiva na promoção dos diálogos acerca das formas para a solução de conflitos, de modo a considerar no Outro, sua história, seus sonhos e seu olhar sobre o mundo, enfim, formações a partir das quais demonstram, como ferramenta metodológica a Comunicação Não Violenta (CNV), para a solução de litígios e manutenção da ética nos processos que norteiam essas novas ações comunicativas. Reiteramos com essa proposta, a importância sobre o fomento e produção do conhecimento que priorizam a comunicação interpessoal para a condução adequada dos conflitos. Portanto, nada mais relevante na contemporaneidade, do que a noção sobre a existência do Outro em nossas vidas e na formação de nossa identidade.

Biografia do Autor

Sandra Barbosa Parzianello, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Mestra e Doutoranda em Ciência Política (PPGCPol/UFPel); Pesquisadora - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Docente colaboradora na Pós-graduação em Práticas de Comunicação Não Violenta e Cultura de Paz (Universidade Federal do Pampa – Campus São Borja).

Referências

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: Aula inaugural no Collège de France. 23.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

_________________. A Arqueologia do Saber. 5.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

LACLAU, Ernesto. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. In: ________________. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. Buenos Aires: Nueva Visión, 2000.

MARCHART, Oliver. El pensamiento político posfundacional: la diferencia política em Nancy, Lefort, Badiou y Laclau. Buenos Aires, Fondo de Cultura Económica, 2009.

MORAES, Maria Carolina Fernandes; PELIZZOLI, Marcelo. Comunicação não-violenta (CNV): uma ética prática pela resolução de conflitos e empatia. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/22270801/CNV-Carol-e-Marcelo. Acesso em: 23 Dez. 2018.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise do Discurso: princípios e procedimentos. 3.ed. Campinas, SP: Pontes, 2001.

PELIZZOLI, Marcelo L. Introdução à Comunicação Não Violenta (CNV) - reflexões sobre fundamentos e método. In: __________________ (Org.) Diálogo, mediação e cultura de paz. Recife: Ed. da UFPE, 2012.

ROSENBERG, Marshall B. Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. 2.ed. São Paulo: Ágora, 2006.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Parzianello, S. B. (2019). Formações Discursivas na Comunicação Não Violenta. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1355

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar