Ex-Líbris: a memória de uma técnica

Autores

  • Márcia Della Flora Cortes Universidade Federal de Pelotas
  • João Fernando Igansi Nunes Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1320

Palavras-chave:

cultura, Ex-Líbris, memória, cultura visual, identidade

Resumo

A presença de um Ex-Líbris, marca de propriedade, além de revelar uma etiqueta gráfica com técnicas de impressão específicas, designa valores estéticos e informacionais próprios da cultura visual que atraem a atenção, principalmente de colecionadores. O Ex-Líbris documenta não só a relação entre o proprietário e uma obra, documenta uma técnica, representa a arte de uma época, gostos, predileções e, sobretudo a memória gráfica. Nessa esteira, o presente estudo  reflete sobre a potência destes objetos operarem como portadores de uma identidade que contém substrato para a memória social a partir de suas características de re-apresentação. Contemplando uma breve análise, como instância metodológica, este estudo desenvolve-se a partir da seleção de Ex-Líbris brasileiros em xilogravura presentes no Museu de Arte Frederikshavn Kunstmuseum na base “The digital Ex-Líbris Museum” e aponta em tese,  como conclusão parcial, que estes objetos re-apresentam um padrão estético próprio de autor, de proprietário e de técnica de produção, evidenciando aspectos da cultura visual que compõe a memória social.

Biografia do Autor

Márcia Della Flora Cortes, Universidade Federal de Pelotas

Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Rio Grande, especialista em Gestão de arquivos e Mestre em Patrimonio Cultural pela Universidade Federal de Santa Maria. Doutoranda em Memória Social e Patrimônio Cultural pela Universidade Federal de Pelotas. Atua como bibliotecária no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha – Campus Jaguari.

João Fernando Igansi Nunes, Universidade Federal de Pelotas

Graduado em Licenciatura em Artes Visuais pela Universidade Federal de Pelotas. Mestre em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutor em Comunicação e Semiótica, PUC/SP.

Referências

ANDRIOLE, Mauro. Gravura: conceito, história e técnicas. 2003. Disponível em: < http://www.casadacultura.org/arte/Artigos_o_que_e_arte_definicoes/gr01/gravura_conceito_hist.html>. Acesso em: 17 ago. 2018.

ARGAN, Gaiulio Carlo; FAGIOLO, Maurizio. Guia de história da arte. Lisboa: Editorial Estampa, 1992.

BERTINAZZO, Stella Maris de Figueiredo. Ex-Líbris: pequeno objeto de desejo. Brasília: Universidade de Brasília, 2012.

BEZERRA, José Augusto. Ex-Líbris: a marca de propriedade do livro. Revista do Instituto do Ceará, p. 129-136, 2006.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. São Paulo: Editora Contexto, 2016.

CARVALHO, Gilmar de. Xilogravura: os percursos da criação popular. Rev. Inst. Est. Bras., SP, 39, p. 143-158, 1995.

COSTELLA, Antonio F. Introdução a gravura e história da xilografia. São Paulo: Mantiqueira, 1987.

ESTEVES, Manuel. O Ex Libris. Rio de Janeiro: Gráfica Laemmert, 1956.

FREDERIKSHAVN KUNSTMUSEUM & EX-LÍBRISSAMLING. Art-Ex-Líbris.net: the digital Ex-Líbris museum. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2018.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, c1990.

JUNOD. Benoît. What are Ex-Líbris? 2015. Disponível em: <http://www.aed.org.tr/en/ekslibris/>. Acesso em: 01 set. 2018.

MACHADO, Ubiratan. Sua excelencia, o Ex-Líbris. In: SILVA, Alberto da Costa e; MACIEL, Anselmo (orgs). Livro dos Ex-Líbris. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2014. p. 9-45.

MULIN, Rosely Bianconcini. Ex-Líbris: a desconhecida arte, tão antiga quanto o próprio livro. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. São Paulo, v. 13, n. 1, p. 64-81, jan./jun. 2017.

SANTAELLA, Lucia; NÖTH, Winfried. Imagem: cognição, semiótica, mídia. São Paulo: Iluminuras, 1997.

SÉRVIO, Pablo Petit Passos. O que estudam os estudos de cultura visual? Revista Digital do LAV, Santa Maria, v. 7, n.2, p. 196-215, mai./ago.2014. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/index.php/revislav/article/view/12393>. Acesso em: 03 jan. 2018.

STELLING, Luiz Felipe. Ex-Líbris como objeto de estudo e coleção. In: SILVA, Alberto da Costa e; MACIEL, Anselmo (orgs). Livro dos Ex-Líbris. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2014. p. 174-177.

TOTA, Anna Lisa. A sociologia da arte: do museu tradicional à arte multimédia. Lisboa: Editorial Estampa, 2000.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Cortes, M. D. F., & Nunes, J. F. I. (2019). Ex-Líbris: a memória de uma técnica. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1320

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar