Doces Tradicionais de Pelotas/RS: a Gastronomia como Atrativo Turístico e Fator na Construção da Identidade Cultural.

Autores

  • Charlene Brum Del Puerto Universidade Federal de Pelotas
  • Maicon Farias Vieira Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1315

Palavras-chave:

Palavras-Chave, doces tradicionais, gastronomia, identidade cultural, turismo.

Resumo

Neste trabalho apresenta-se uma reflexão sobre a relação entre os doces tradicionais de Pelotas/RS, os referenciais de identidade cultural e o turismo. Metodologicamente utiliza-se a Cartografia dos Saberes, de Baptista (2014), levando em conta os múltiplos aspectos que entrelaçam o universo da pesquisa. A identidade cultural em Pelotas se faz presente pela confeitaria, abarcando o fato dos doces tradicionais pelotenses terem sido registrados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), fortalecendo, assim, a importância da gastronomia como patrimônio e identidade da cidade em questão, bem como, potencializando e fomentando o turismo. A gastronomia faz parte do produto turístico, mas, também é por si só um atrativo, e, neste sentido, a cidade pode se valer do registro para fortalecer o doce como atrativo, e não somente como um elemento que compõe o produto turístico.

Biografia do Autor

Charlene Brum Del Puerto, Universidade Federal de Pelotas

Mestrado em Turismo pela Universidade de Caxias do Sul (UCS); Especialização em Gestão Pública e Desenvolvimento Regional pela Universidade Federal de Pelotas, Bacharelado em Turiso pela Universidade Federal de Pelotas, Graduação em Hotelaria pela Universidade Federal de Pelotas (em andamento)

Maicon Farias Vieira, Universidade Federal de Pelotas

Doutorando em Letras pela Universidade Federal de Pelotas, Mestre em Educação pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSUL) - Campus Pelotas, Graduação em Letras - Hab. Espanhol e Literaturas de Língua espanhola pela Universidade Federal de Pelotas e no Curso Superior de Viticultura e Enologia pela Universidade Federal de Pelotas.

Referências

BAPTISTA, Maria Luiza Cardinale. Cartografia de Saberes na Pesquisa em Turismo: Proposições Metodológicas para uma Ciência em Mutação. Rosa dos Ventos, v. 6, p. 342-355, 2014b.

GIMENES, Maria Henriqueta Sperandio Garcia. Patrimônio Gastronômico, Patrimônio Turístico: uma reflexão introdutória sobre a valorização das comidas tradicionais pelo IPHAN e a atividade turística no Brasil. In: IV Seminário de Pesquisa em Turismo do MERCOSUL, 4, Caxias do Sul, 2006. Anais. Caxias do Sul: Universidade de Caxias do Sul, 2006, p.1-15

HALL, Stwart. A identidade cultural na pós modernidade. Ttradução Tomaz Tadeu da Silva, 11ª ed. Rio de Janeiro. DP&A, 2006.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/noticias/detalhes/4653/tradicao-doceira-de-pelotas-rs-e-reconhecida-como-patrimonio-imaterial-brasileiro. Acesso em: 12 dez. 2018

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/noticias/detalhes/4642. Acesso em: 12 dez. 2018

SCHLUTER, Regina G. Gastronomia e Turismo. São Paulo (SP): Aleph. 2ª Edição. Revista, 2006.

VERGARA, Fabio; FERREIRA, Maria Letícia Mazzucchi. Mulheres e doces: o saber-fazer na cidade de Pelotas. Patrimônio e Memória, v. 8, n.1, p. 255-277, 2012

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Del Puerto, C. B., & Vieira, M. F. (2019). Doces Tradicionais de Pelotas/RS: a Gastronomia como Atrativo Turístico e Fator na Construção da Identidade Cultural. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1315

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar