Uma análise bibliográfica sobre a importância das adaptações curriculares em atendimento as práticas e legislações que norteiam a educação inclusiva

Autores

  • Andreia Domingues Bitencourte UFPel
  • Rita de Cássia Morem Cóssio Rodriguez UFPel

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1297

Palavras-chave:

Reflexão, Legislação, Educação Inclusiva

Resumo

A concretização da Educação Inclusiva está intimamente ligada as flexibilizações Curriculares, tema que precisa ser abordado pelo coletivo de Professores e Profissionais das mais diversas áreas, compilando informações e trazendo discussões que possam agregar conhecimentos e orientações para a construção não só do Projeto Pedagógico, mas como um informativo que norteie o trabalho docente e a formação de currículos inclusivos para os mais diversos campos de atuação. Neste sentido, o presente artigo objetiva  explanar sobre as mais diversas abordagens  da educação inclusiva, dialogar sobre as legislações e práticas que fundamentam a inclusão na escola comum e os fundamentos do Atendimento Educacional Especializado. O estudo se dá a partir de uma abordagem bibliográfica (GIL, 2002), buscando ampliar conceitos, abordagens pedagógicas e  para a construção de currículos flexíveis ao atendimento a  todas as diversidades.

Referências

BRASIL. Marcos políticos-legais da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva/Secretaria de Educação Especial. Brasília: Secretaria da Educação Especial, 2010. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6726-marcos-politicos-legais&Itemid=30192. Acesso em 18/11/2018.

BRASIL. Decreto 6571/08. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6571.htm. Acesso em 18/11/2018.

BRASIL.Resolução nº.4 CNE/CBE. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em 19/11/2018.

BRASIL. Decreto 7611/2011. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm. Acesso em 19/11/2018.

BRASIL. Decreto 5296/2004. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm. Acesso em 25/11/2018.

BRASIL. Lei 12764/2012. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm. Acesso em 19/11/2018.

BRASIL. Lei 13005/2014. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em 19/11/2018.

BRASIL. Lei 13146/2015. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em 19/11/2018.

BRASIL. Lei 8213/1991. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8213cons.htm. Acesso em 19/11/2018.

BRASIL. Experiências educacionais inclusivas – Programa Educação inclusiva: direito à diversidade. Brasília: Secretaria de Educação Especial, 2006 (b).

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução ao Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Nota técnica nº. 11/2010. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=5294-notatecnica-n112010&category_slug=maio-2010-pdf&Itemid=30192. Acesso em 25/11/2018.

BEYER. O. Da integração escolar à Educação Inclusiva: implicações pedagógicas: In: BAPTISTA, C.R. (Org.). Inclusão e escolarização: múltiplas perspectivas. Porto Alegre: Mediação, 2006.

CÉSAR, M. & Santos, N.. From exclusion into inclusion: collaborative work contributions to more inclusive learning settings. European Journal of Psychology of Education.2006.

ESTRELA, M. Modelos de formação de professores e seus pressupostos conceptuais, Revista de Educação. 2002.

.............. et al. Síntese da investigação sobre formação inicial de professores em Portugal. Lisboa, FPCE-UL/INAFOP/IIE. 2002.

GARRIDO. L. J. et al. Adaptaciones curriculares: guia para lós profesores e tutores de la educación primaria y de La educación especial. Madri: Cepes. 2002.

GIL. Antonio Carlos, 1946 – Como elaborar projetos de pesquisa/Antonio Carlos Gil. – 4.ed. – São Paulo: Atlas, 2002..

LEI 9394/96, disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em 03/11/2018.

MCLAREN. P. Multiculturalismo crítico. São Paulo: Cortez, 2000.

MINISTERIO DA EDUCAÇÂO. Saberes e práticas da Inclusão: recomendações para a construção de escolas Inclusivas: 2. Ed. Brasilia: MEC, 2006 (a). 96 p. (Série Saberes e Práticas da inclusão).

MONTEIRO, M. Percepções dos professores do ensino básico acerca de alunos com dificuldades de aprendizagem e/ou problemas de comportamento: um estudo exploratório a propósito da inclusão educativa. Dissertação de Mestrado Universidade do Minho, I.E.P. 2000.

MORGADO, J. Qualidade, Inclusão e Diferenciação. Lisboa, Instituto Superior de Psicologia Aplicada. 2003.

OLIVEIRA, T. Educação inclusiva e formação de professores. Dissertação de Mestrado.

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Coimbra. 2009.

PAIVA, F. As atitudes dos professores do ensino básico face à inclusão de alunos com NEE na sala de aula. Tese em Psicologia Educacional, Lisboa, ISPA. 2008.

..............,A formação e as atitudes de professores do ensino básico face à inclusão dos alunos com necessidades educativas especiais na sala de aula. Dissertação de Doutoramento apresentada à Universidade da Extremadura, Badajoz.2012.

RODRIGUES, D. O paradigma da educação inclusiva – Reflexão sobre uma agenda possível. Inclusão, 2000.

.............., D. Perspectivas sobre inclusão. Da educação à sociedade. Porto, Porto Editora.2003.

RODRIGUES, A. Análises de práticas e de necessidades de formação. Ciências da Educação. Lisboa, Ministério da Educação.2006.

SILVA. Thomaz Tadeu da Silva. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2.ed.Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Bitencourte, A. D., & Morem Cóssio Rodriguez, R. de C. (2019). Uma análise bibliográfica sobre a importância das adaptações curriculares em atendimento as práticas e legislações que norteiam a educação inclusiva. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1297

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar