Laneira, Mulher: Os espaços silenciosos da extinta Fábrica Laneira S.A.

Autores

  • Mirella Moraes de Borba Universidade Federal de Pelotas
  • Francisca Ferreira Michelon Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1269

Palavras-chave:

memória, mulher, trabalho, fábrica

Resumo

“Vocês nos ouvem?”. Essa instigante e atemporal pergunta feita por Perrot, em seu livro “As mulheres ou os silêncios da história”, faz pensar nos silêncios ensurdecedores das vozes femininas nas memórias públicas. Silêncios esses que há décadas as mulheres vêm tentando quebrar. As memórias das mulheres operárias, pobres, e periféricas permanecem no silêncio. Os afetos e as dores que atravessam tais memórias ainda não encontram lugar para se insurgirem do silêncio que os tornam invisíveis.  Contudo, suas narrativas possuem, potencialmente, os sentidos e os valores que humanizariam os lugares onde essas vidas tiveram parte significativa das suas relações. Frente a isso, o que motivou esse artigo foi pressentir no silêncio a humanidade das vozes femininas, foi, também, a vontade de escutá-las como ecos de uma condição histórica da mulher operária. E para tal, o local escolhido foi a fábrica Laneira Brasileira S.A., que funcionou na cidade de Pelotas/RS de 1949 até 2003. O ponto nodal da pesquisa foi fazer uma verificação das memórias de um grupo de ex-funcionárias da fábrica Laneira e suas subjetividades. Para tanto, é preciso explorar o universo feminino, que será representado pela fábrica, vista nas entrevistas como o lugar de centralização de muitas memórias em comum, as quais encontraram em uma única voz a possibilidade de expressar o que era ser mulher naquele ambiente bruto e hostil.

Biografia do Autor

Mirella Moraes de Borba, Universidade Federal de Pelotas

Mestranda em Memória Social e Patrimônio Cultural da Universidade Federal de Pelotas, formada em Conservação e Restauração de bens culturais móveis (2016) também pela Universidade Federal de Pelotas, foi estagiaria no Museu da Faculdade de Belas Arte do Porto em Portugal (2016). Pesquisa sobre os temas de Patrimônio Industrial, memória social e memória do trabalho feminino. Tem experiência em história oral, conservação de acervos e restauração de papel, pintura e madeira.

Francisca Ferreira Michelon, Universidade Federal de Pelotas

possui mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1993) e doutorado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2001). Estágio no Arquivo Fotográfico da Câmara de Lisboa (2009) em conservação de fotografia. É professora Titular do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Pelotas. Participou das comissões que criaram os cursos de Bacharelado em Museologia (2006), Mestrado e Doutorado em Memória Social e Patrimônio Cultural (2006), Curso de Conservação e Restauro (2008), todos da Universidade Federal de Pelotas. Coordenou o Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural de 2006 a 2008. Orienta alunos em pesquisa nos níveis de graduação e pós-graduação desde 1996. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Patrimônio Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: fotografia, patrimônio cultural, memória social, gestão de acervos, conservação de fotografias, história da fotografia e acessibilidade em museus.Tutora do Grupo PET Conservação e Restauro (2010-2016). Coordenadora de Comunidade e Cidadania e do Núcleo de Patrimônio Cultural da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura - UFPel de 12/2013 a 03/2016. Atualmente exerce o cargo de Pró-Reitora de Extensão e Cultura da Universidade Federal de Pelotas. 

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

de Borba, M. M., & Michelon, F. F. (2019). Laneira, Mulher: Os espaços silenciosos da extinta Fábrica Laneira S.A. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1269

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar