Motivações da docência em matemática: discurso de professores da rede pública de ensino

Autores

  • Luana Maria Santos da Silva Ayres Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Tanise Paula Novello Universidade Federal do Rio Grande - FURG

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1232

Palavras-chave:

Escolha profissional, Motivação, Professores de matemática.

Resumo

A satisfação profissional é um dos fatores que mais influência no bem-estar das pessoas. No trabalho docente não é diferente, ou seja, o professor que está satisfeito com sua escolha e prática profissional tem mais chances de desenvolver bem-estar, que é evidenciado na docência pela dedicação, contentamento e felicidade que o professor expressa no exercício da docência. Nesse contexto, este estudo tem como objetivo investigar as motivações dos professores em relação à docência em matemática. A produção de dados aconteceu por meio de um questionário online, com 94 professores de matemática de escolas públicas. O questionário foi organizado em três eixos: variáveis sociodemográfica e laborais; dez questões fechadas; e uma questão aberta: “O que você diria a um jovem que está fazendo a escolha pela licenciatura em matemática? Registre teus sentimentos e percepções a partir do que tens vivenciado na tua prática”. Porém, nesse trabalho será contemplado somente 30 relatos da questão aberta, que, através do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), definiu um discurso intitulado “Motivações dos Professores” que versa sobre as motivações que os professores sentem em relação a prática docente. Pela análise do DSC constatou-se que os professores, embora exista uma desvalorização da profissão, conseguem sentir prazer em lecionar, percebem que são importantes no processo de formação dos estudantes, e conseguem, através de metodologias diferenciadas, mostrar o encanto da matemática para os discentes. Com os resultados deste trabalho, acredita-se que os sentimentos positivos em relação a profissão não apenas são importantes para a saúde do professor, mas refletem também no seu desempenho em sala de aula.

Referências

ALVES, N. N. L. “Amor à profissão, dedicação e o resto se aprende”: significados da docência em educação infantil na ambiguidade entre a vocação e a profissionalização. In: 29ª Reunião Anual da ANPED, 2016, Rio de Janeiro. p. 1 - 17. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt07-2570.pdf. Acesso em: 07 jun. 2018.

BARREIROS, J. L. Fatores que influenciam na motivação de professores. 2008. 105 f. TCC (Graduação) - Curso de Psicologia, Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2008. Disponível em: http://repositorio.uniceub.br/bitstream/123456789/2581/2/20312042.pdf23. Acesso em: 23 jun. 2017.

CARDOSO, C. G. L. V.; COSTA, N. M. S. C. Fatores de satisfação e insatisfação profissional de docentes de nutrição. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 8, p.2357-2364, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n8/1413-8123-csc-21-08-2357.pdf. Acesso em: 01 dez. 2017.

CORRÊA, T. H. B.; SCHNETZLER, R. P. O Início na Carreira Docente: Dificuldades de Professores de Química no Ensino Médio. In: VIII Centro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências; I Congresso Iberoamericano de Pesquisa em Ensino das Ciências de Campinas, 2011, Campinas. p. 1 - 9. Disponível em: http://api.ning.com/files/4VVOgLw2s7VMdOjcUv*sS5ytGu62W-0621bfEK47WXJau4ZMlnDer8vzEr7KgBFXFeadr7cU0RYrM6qaTVceQX5N1W8nmqii/inicionacarreira.enpec.pdf. Acesso em: 28 maio 2018.

DUARTE, S. J. H.; MAMEDE, M. V.; ANDRADE, S. M. O. de. Opções Teórico Metodológicas em Pesquisas Qualitativas: Representações Sociais e Discurso do Sujeito Coletivo. Revista Saúde e Sociedade – USP. São Paulo, v. 18, n. 4, p. 620626, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v18n4/06.pdf. Acesso em: 15 jan. 2017.

LAROCCA, P.; GIRARDI, P. G. Trabalho, satisfação e motivação docente: um estudo exploratório com professores da educação básica. In: X Congresso Nacional de Educação (EDUCERE), 2011, Curitiba. p. 1932 - 1948. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/5429_2605.pdf. Acesso em: 28 maio 2018.

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, A. M. C. O discurso do Sujeito Coletivo: Um novo enfoque em pesquisa qualitativa (Desdobramentos). 2. ed. Caxias do Sul: EDUCS, 2005. 256 p.

LETTNIN, C. et al. Resiliência e educação: aportes teórico-práticos para a docência. Revista Contrapontos – Eletrônica, Itajaí, v. 14, n. 2, p.322-338, maio/ago. 2013. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/4756/3270. Acesso em: 03 dez. 2017.

LIPP, M. N. O estresse do professor.7ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

MELLO, G. N. Formação inicial de professores para a educação básica: uma (re)visão radical. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 1, n. 14, p.98-110, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n1/9807.pdf. Acesso em: 08 out. 2018.

MICELI, M. Z. D. A importância da Formação Continuada de professores. 2017. Disponível em: http://educacao.estadao.com.br/blogs/blog-dos-colegios-santa-amalia/a-importancia-da-formacao-continuada-de-professores/. Acesso em: 28 maio 2018.

PEREIRA, l. R. B.; CARVALHO, h. C.; CASTRO FILHO, t. J. Dificuldades enfrentadas pelos futuros professores no curso de licenciatura integrada em matemática e física na UFOPA. In: Encontro Nacional de Educação Matemática, XII., 2016, São Paulo. p. 1 - 10. Disponível em: http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/4809_3526_ID.pdf. Acesso em: 28 maio 2018.

POCINHO, M.; CAPELO, M. R. Vulnerabilidade ao stress, estratégias de coping e autoeficácia em professores portugueses. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 2, p.351-367, maio/ago. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v35n2/a09v35n2.pdf. Acesso em: 11 jun. 2018.

ROMÃO, J. E. Docente: um ser humano acima de tudo. Visão Global, v. 10, n. 1, p. 7-22, jan./jun. 2007.

SILVEIRA, M. R. A. “Matemática é difícil”: um sentido pré-construído evidenciado na fala dos alunos, 2002. Disponível em:http://www.ufrrj.br/emanped/paginas/conteudo_producoes/docs_25/matematica.pdf. Acesso em: 7 mai. 2017.

SOUTO, R. M. A. O abandono do magistério entre os profissionais egressos da licenciatura em matemática da UFSJ – indícios sobre a condição docente no Brasil. In: Congresso Iberoamericano de Educação Matemática, VII., 2013, Montevidéu. Actas del VII CIBEM. 2013. p. 4555 - 4562. Disponível em: http://cibem7.semur.edu.uy/7/actas/pdfs/257.pdf. Acesso em: 08 out. 2018.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Ayres, L. M. S. da S., & Novello, T. P. (2019). Motivações da docência em matemática: discurso de professores da rede pública de ensino. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1232

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar