REFLEXÕES INICIAIS SOBRE A ALIMENTAÇÃO DAS CLASSES SOCIAIS

Autores

  • Gabrielle Assunção Minuzi Universidade Federal de Santa Maria
  • Roselene Moreira Gomes Pommer Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1198

Palavras-chave:

Alimentação, Capitalismo, Consumismo, Dialética Social, Hábitos Alimentares

Resumo

Este trabalho apresenta estudos iniciais sobre diferenças de alimentação entre classes sociais brasileiras, objetivando verificar a existência, ou não, de relações entre o que é consumido, e as classes sociais opostas. A partir de um contexto social dialético e tendo foco no trabalhador, questionaremos sobre o que é comer e beber bem para um trabalhador? A pesquisa visa compreender a questão da qualidade do alimento que é consumido em relação as diferentes classes sociais, consequência da estrutura social capitalista. Como metodologia, utilizou-se a abordagem dialética dos fatos, tendo como ferramenta a análise documental de relatórios técnicos, artigos de periódicos e livros. Através desta análise, buscar-se-á observar, em termos nutricionais, se a qualidade dos alimentos que os trabalhadores ingerem é inferior ou não aos alimentos ingeridos pela classe proprietária dos meios de produção. O ato de comer é caracterizado, também, pelo sistema produtivo e distributivo do modelo socioeconômico. Por isso, buscar-se-á compreender a razão da produção significativa de alimentos e da paradoxal existência da fome endêmica e da disparidade de acesso aos alimentos por boa parte dos trabalhadores. Metodologicamente, se supõe ser possível estabelecer se a produção de alimentos é vista apenas como mercadoria a ser consumida, ou se ela tem uma finalidade social. Nesta mesma direção, se pode verificar a relação possivelmente existente entre a má alimentação, a desnutrição e as doenças a elas correlatas, pois, mesmo se utilizando de técnicas produtivas avançadas, pode ocorrer que alimentos processados não sejam nutritivos como prometem ser.

Biografia do Autor

Gabrielle Assunção Minuzi, Universidade Federal de Santa Maria

Formação no curso Superior de Tecnologia em Gastronomia pela Universidade de Santa Cruz do Sul. Mestranda pelo Programa de Pós Graduação em Educação Profissional e Tecnológica da Universidade de Santa Maria.

Roselene Moreira Gomes Pommer, Universidade Federal de Santa Maria

Drª em História. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PPGEPT) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Referências

ALIMENTO MERCADORIA. Saúde Soc. São Paulo, n.2, p.505-515, 2016.

Disponível em http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v25n2/1984-0470-sausoc-25-02-00505.pdf Acesso em 02 out. 2018.

ASSOCIAÇÃO VEGETARIANA PORTUGUESA. 21 novas dietas veganas crudívoras. Disponível em: https://www.avp.org.pt/nutricao-e-saude/dietas-veganas-crudivoras/. Acesso em: 07 out. 2018.

BRASIL, Ministério da Educação. Alimentação e nutrição no Brasil. Disponível em

https://www.mec.gov.br/. Acesso em 03 out. 2018.

ENGELS, Friedrich. O Papel do Trabalho na Transformação do macaco em Homem. Disponível em https://www.historianet.com.br/. Acesso em 07 jan. 2019.

Food and Agriculture Organization of the United Nations. Disponível em

http://www.fao.org/home/en/. Acesso em 05 out. 2018.

LEONTIEV, Alexis. O desenvolvimento do psiquismo. Tradução de Hellen Roballo. São Paulo: Centauro Editora, 2004.

LINASSI, R. Antropoentomofagia: alimentação exótica ou alternativa? Disponível em: http://www.waldemarguimaraes.com.br/2011/06/12/. Acesso em 10/10/18.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I. 30. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

___________. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011.

NAÇÕES UNIDAS. Disponível em: https://nacoesunidas.org/. Acesso em: 07 out. 2018.

NORBERT, Elias. O processo civilizador. Ed.1994. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

ROMEIRO, E. T; OLIVEIRA, I, D; CARVALHO, E. F. Insetos como alternativa alimentar. Revista de Comportamento, Cultura e Sociedade Vol. 4 no 1 – setembro de 2015, São Paulo: Centro Universitário Senac. Disponível em http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistacontextos/wp-content/uploads/2015/10/54_CA_artigo_ed_Vol_4_n_1_15_2.pdf. Acesso em: 30 set. 2018.

Slow Food Brasil. A revolução com os alimentos. Disponível em https://www.slowfoodbrasil.com/textos/noticias-slow-food/459-a-revoluo-com-os-alimentos-slow-food-itlia-comemora-25-anos. Acesso em:05 out. 2018.

VALENTE, F. L. S. Fome e desnutrição, determinantes sociais. Ed.1986. São Paulo: Cortez,1986.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Minuzi, G. A., & Pommer, R. M. G. (2019). REFLEXÕES INICIAIS SOBRE A ALIMENTAÇÃO DAS CLASSES SOCIAIS. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1198

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar