A arte de si: por uma nova ética do corpo

Autores

  • Cesar Marcos Casaroto Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1191

Palavras-chave:

estética, ética, sujeito, dandismo, forma-de-vida

Resumo

Por meio do estabelecimento de um diálogo entre as ideias de “estética da existência”, de Michel Foucault, e de dândi, na esteira de Charles Baudelaire, Daniel Salvatore Schiffer e Michel Onfray, viso pensar o sujeito moderno enquanto artista de si mesmo. Tal sujeito não é constituído substancialmente por alguma entidade perfeita; a subjetividade dândi ocorre na imanência. Ao problematizar as forças socioculturais que interditam a livre expressão do desejo, proponho-me a refletir acerca de um sujeito constituído pelo trabalho estético que faz de si. Em tal concepção, sujeito é forma, ficção, trabalho ético sobre as forças passivas e ativas que o atravessam. Tendo em vista o entendimento de que o sujeito se dá na prática de si, intenciono questionar a ideia de obra de arte enquanto produto cindido da potência vital que a origina. Sendo assim, servindo-me da filosofia de Giorgio Agamben, pretendo pensar o artista de si enquanto força inoperante que resiste aos dispositivos culturais. Dândi é o sujeito que, ciente das suas potencialidades, pelo jogo que faz do seu corpo, no tempo do devir, cria novas formas de vida. O dandismo é um vitalismo. Dândi é a obra inoperante, inacabada, processo sem outro fim que o de viver para si mesmo, não em prol de forças externas que subjugam suas potencialidades.

Biografia do Autor

Cesar Marcos Casaroto Filho, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutorando em Teoria da Literatura na área de Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O uso dos corpos. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2017. 328 p.

BAUDELAIRE, Charles. O pintor da vida moderna. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. 152 p.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: o uso dos prazeres. 2. vol. 3. ed. Rio de janeiro: Paz e Terra, 2017. 320 p.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral. 1. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2016. 176 p.

ONFRAY, Michel. As radicalidades existenciais. São Paulo: Martins Fontes, 2017. 376 p.

SCHIFFER, Daniel Salvatore. Manifeste dandy. Paris: François Bourin Editeur, 2012. 216 p.

TODOROV, Tzvetan. A beleza salvará o mundo: Wilde, Rilke e Tsvetaeva: os aventureiros do absoluto. Rio de Janeiro: DIFEL, 2011. 352 p.

ULPIANO, Claudio. Sobre a estética da existência. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=5AcXIOUbsd8>. Acesso em: 10 jan. 2019.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Casaroto Filho, C. M. (2019). A arte de si: por uma nova ética do corpo. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1191

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar