O Uso da Linguagem como Prática de Liberdade: uma Proposta Dialógica de Ensino de Língua Portuguesa na EJA Prisional

Autores

  • Renata Faria Amaro S. da Rosa PUCRS
  • Renata Faria Amaro da silva da Rosa Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Renata Faria Amaro da Silva da Rosa PUCRS

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1163

Palavras-chave:

Educação libertadora, EJA prisional, Ensino de Língua Portuguesa, Teoria Dialógica

Resumo

Os debates sobre linguagem, no âmbito acadêmico, suscitam reflexões acerca das práticas de ensino de língua portuguesa na escola, principalmente no que se refere à relação do que se ensina com o que se utiliza no meio social. Considerando o ensino de língua portuguesa no âmbito prisional, essas reflexões são ainda mais significativas, já que a educação geralmente ocupa um lugar pouco privilegiado entre as atividades propostas para a ressocialização. Nessa perspectiva, questiona-se: as práticas educativas têm atendido às necessidades dos educandos privados de liberdade? Será que encarcerado percebe o uso da linguagem como prática de liberdade nas aulas de língua portuguesa? Nesse sentido, o artigo tem por finalidade discutir a importância do ensino de língua portuguesa na Educação de Jovens e Adultos (EJA) nas prisões. Fundamentado nas ideias de educação libertadora de Paulo Freire e na teoria dialógica de Mikhail Bakhtin, este estudo apresenta um panorama sobre a educação nas prisões no Brasil, uma reflexão sobre o uso da linguagem como prática libertadora, alguns aspectos sobre os estudos bakhtinianos e também a relação entre gêneros discursivos e ensino de língua portuguesa. Através deste, espera-se estar contribuindo para o aprimoramento do ensino de língua portuguesa na EJA prisional, demonstrando a relevância do trabalho com gêneros discursivos para o uso da linguagem como prática libertadora

Biografia do Autor

Renata Faria Amaro S. da Rosa, PUCRS

Doutoranda em Letras do Ppgl/ Pucrs

Renata Faria Amaro da silva da Rosa, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Letras do Ppgletras/PUCRS, Mestra em Letras pela PUCRS com ênfase em Linguísitca.

Renata Faria Amaro da Silva da Rosa, PUCRS

Doutoranda do Ppgletras/PUCRS, Mestra em Letras// PUCRS

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 13 Ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2009.

____________. Estética da criação verbal. - 6 Ed. - São Paulo: Martins Fontes, 2003.

____________. Questões de Literatura e Estética. São Paulo: Editora UNESP, 1993.

BARBISAN, Leci B.; DI FANTI, Maria da Glória. Estudos da enunciação: bases epistemológicas e perspectivas atuais. In. Cadernos de pesquisas em linguística: estudos da enunciação. Porto Alegre, vol. 5, número 1, p. 05-25, novembro de 2010.

BEZERRA, Maria A. Ensino de língua portuguesa e contextos teórico-metodológicos. In. DIONÍSIO, Angela P. [Et al]. Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

BIASI-RODRIGUES; Bernardete. A abordagem dos gêneros textuais no ensino da Língua Portuguesa. In. PONTES; Antônio L; COSTA; Maria Aurora R. Ensino de Língua Materna na perspectiva do discurso. 1 Ed. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2008.

BRAIT; Beth; MELO, Rosineide de. Enunciado/enunciado concreto/enunciação. In. BRAIT; Beth. Bakhtin: conceitos-chave. 2 Ed. São Paulo: Contexto, 2005.

BRANDÃO, Carlos R. Círculo de Cultura. In. In. STRECK, Danilo R. [Et al]. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 05 de outubro de 1988. - 35 Ed. - Brasília: 2012. Disponível em: file:///C:/Users/piloto/Downloads/constituicao_federal_35ed.pdf Acesso em: 17.08.2015.

BRASIL/MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – INFOPEN – junho de 2014. Disponível em: http://www.justica.gov.br/noticias/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf Acesso em 20.09.2015.

BRASIL. Lei de Execução Penal nº 7.210 de julho de 1984. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7210.htm Acesso em 24.08.2015.

BRASIL. Lei nº 12.433, de 29 de junho de 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12433.htm Acesso em 26.08.2015.

BRASIL/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf Acesso em: 17.08.2015.

BRASIL/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa/ Secretaria de Educação Fundamental. - 2 Ed. - Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

BRASIL/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2010. In. BRASIL/MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. – 51 Ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

___________. Educação na cidade. - 6 Ed. - São Paulo: Cortes, 2005.

___________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

__________. Pedagogia do Oprimido. - 58 Ed. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

__________. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

GRILLO, S.V. de C. Esfera e Campo. In: BRAIT, Beth. Bakhtin: outros conceitos - chave. São Paulo: Contexto, 2006.

OLIVEIRA, Avelino da Rosa. Oprimido/opressor. In. STRECK, Danilo R. [Et al]. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

PORTAL BRASIL – EDUCAÇÃO. Levantamento mostra escolaridade dos presidiários no País. Disponível em http://www.brasil.gov.br/educacao/2012/04/levantamento-mostra-escolaridade-dos-presidiarios-no-pais Acesso em: 16.08. 2015.

JUSBRASIL. Perfil dos presos no Brasil em 2012. Disponível em: http://professorlfg.jusbrasil.com.br/artigos/121932332/perfil-dos-presos-no-brasil-em-2012 Acesso em 23.08.2015.

LOPES-ROSSI, Maria A. G. Gêneros discursivos no ensino de leitura e produção de textos. - 1 Ed. - Taubaté, SP: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2002.

MARCUSCHI, Luiz A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Angela P.; MACHADO, Anna R.; e BEZERRA, Maria A. Gêneros textuais e ensino. 2 Ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

SESI/UNESCO. Conferência Internacional sobre Educação de Adultos (V; 1997; Hamburgo; Alemanha) Declaração de Hamburgo: Agenda para o futuro. – Brasília: SESI/UNESCO, 1999. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001297/129773porb.pdf Acesso em: 24.08.2015.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Faria Amaro S. da Rosa, R., da Rosa, R. F. A. da silva, & da Rosa, R. F. A. da S. (2019). O Uso da Linguagem como Prática de Liberdade: uma Proposta Dialógica de Ensino de Língua Portuguesa na EJA Prisional. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1163

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar