Gênese do Lar da Criança Santo Estevão: Tradição, Cuidado e Educação Infantil.

Autores

  • Alezandra Lima Nery Messias INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE – CÂMPUS PELOTAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA
  • Adriana Duarte Leon INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE – CÂMPUS PELOTAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1127

Palavras-chave:

Infância, políticas públicas, história da infância

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a gênese do Lar da Criança Santo Estevão, localizado na cidade de Bagé/RS. O lar foi criado no ano de 1970 com o intuito de atender crianças em situação de vulnerabilidade social, considerando que no período em questão existiam poucas creches no município e uma demanda reprimida com esse perfil. O Lar foi idealizado por pessoas que faziam parte da comunidade bajeense e contava com a participação e contribuição financeira da comunidade como um todo, realizavam diversas campanhas com intuito de arrecadar verbas para manter a instituição. Na coleta de dados da presente pesquisa foram utilizados diversos instrumentos, dentre eles destaca-se as entrevistas com pessoas que participaram do cotidiano da instituição; extratos de jornais que tratavam do lar e foram publicados na imprensa local e o livro de atas da instituição. Conclui-se, com a análise documental, que a comunidade assume para si a preocupação em manter o lar nas décadas de 1970 a 1980 e vai deixando de fazê-lo quando as políticas municipais começam a estabelecer iniciativas mais consistentes para infância.

Biografia do Autor

Alezandra Lima Nery Messias, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE – CÂMPUS PELOTAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Discente  do IFSUL Campus Pelotas, Rio Grande do Sul/RS, Brasil. alezandramessias@gmail.com, Pedagogia Educação Infantil pela FURG(Universidade Federal de Rio Grande), Pós-Graduação em Ludo Pedagogia, Leitura e Literatura FACEL (Faculdade de Administração, Ciências, Educação e Letras

Adriana Duarte Leon, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE – CÂMPUS PELOTAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Professora do IFSUL/Câmpus Pelotas, atuando no MPET/IFSUL, linha de pesquisa “Educação, Cultura e Trabalho”. Doutora em Educação pela UFMG e Mestre em Educação pela UFPel, adriana.adrileon@gmail.com

Referências

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Traduzido por Dora. Flaksman. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BASTOS. M. H. C. Jardim de Crianças – o pioneirismo do Dr. Menezes Vieira (1875-1887). IN: MONARCHA. C. Educação da infância brasileira 1875 – 1983. Campinas: Autores Associados, 2001.

BICA, Alessandro de Carvalho. A organização da educação pública municipal no governo de Carlos Cavalcanti Mangabeira (1925-1929) no município de Bagé/RS. 2013. Disponível em :<https://scholar.google.com.br/scholar?hl=ptBR&q=educa%C3%A7%C3%A3o+infantil+bage>Acesso em: 05 jul de 2017.

BITTAR, M; SILVA, J. MOTA, M Formulação e implementação da política de educação infantil no Brasil. In: Educação infantil, política, formação e prática docente. Campo Grande, MS. A .C.: UCDB, 2003.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

CAMPOS. M. M. ROSEMBERG. F. FERREIRA. I.M. Creches e pré-escolas no Brasil. São Paulo: Cortez, 1993.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica Parâmetros nacionais de qualidade para a educação infantil/Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica – Brasília. DF v.l; il. 1. Educação Infantil. 2. Ensino Fundamental. 1. Título. 2006

GARCIA, Elida Hernandes. Escritores bageenses. Bagé; editora Praça da Matriz, 2006.

KULHMANN JR. M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediações,2001.

SÁ, Elizabeth Figueiredo. As representações da Infância Brasileira e a

Escolarização da Infância. In: SÁ, Elizabeth Figueiredo. De criança a aluno: as representações da escolarização da infância em Mato Grosso (1910 -1927).

Cuiabá: EDUFMT, 2007. (pg. 27 - 57)

SANTANA, Djanira Ribeiro. Infância e educação: a histórica construção do direito das crianças. Revista HISTEDBR On-line, [S.l.], v. 14, n. 60, p. 230-245, abr. 2015. ISSN

-2584. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640557/8116>. Acesso em: 04 ago. 2017. doi:http://dx.doi.org/10.20396/rho.v14i60.8640557.

VIVEIROS, Kilza Fernanda Moreira de. A criança negra no Maranhão: uma leitura a partir da infância afrodescendente no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 6., 2006, Goiânia. Anais Goiânia: Sociedade Brasileira de História da Educação, 2006. Disponível em: >https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/viewFile/4467/3658 > Acesso em: 21/08/2107.

TABORDA, Attila. Bajé na História. Bajé: Tipografia Cetuba, 1959.

TABORBA, Tarcisio Antonio Costa. Bagé de Sempre, resumo histórico. Bagé 1981.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Messias, A. L. N., & Leon, A. D. (2019). Gênese do Lar da Criança Santo Estevão: Tradição, Cuidado e Educação Infantil. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1127

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar