Cartografia do Ensino de Artes no Brasil: das Belas Artes a BNCC

Autores

  • Jésica Hencke Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • João Aberto da Silva Universidade Federal do Rio Grande - FURG

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1112

Palavras-chave:

Currículo, Educação, BNCC, Ensino de Arte, Educação Básica.

Resumo

O ensino de arte na Educação Básica brasileira configura-se por um sistema de avanços e retrocessos presenciados nos currículos escolares e nas leis que tangenciam ao ensino. Há poucas décadas obteve abertura para suas múltiplas formas de expressão: artes visuais, dança, teatro, música; na atualidade o que está em voga é a discussão da ambígua e reducionista BNCC – Base Nacional Comum Curricular – que apresenta o cinema, a performance e a literatura, como meios artísticos. Investiga-se de forma sumária e inicial quais os entraves, dilemas, possibilidades e perdas curriculares do ensino de artes visuais no Brasil, entre a faculdade de Belas Artes e a proposição da BNCC, de forma a gerir uma escrita genealógica das transformações curriculares até investigar os primeiros respingos e transformações educacionais provenientes da BNCC e seu viés científico-técnico-matemático. Neste sentido, no movimento de escrita se apresentou um panorama geral das transformações curriculares no Brasil, de forma a caminhar a um processo de proposição e pensamento da BNCC e o quanto está lei pode minorar o papel social conquistado pela arte. Pode-se destacar que a arte age na formação cidadã, no aprimoramento estético-cultural, investindo no saber sensível, ético e social do humano.

 

 

Biografia do Autor

Jésica Hencke, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Licenciada na área de educação, com formação em Pedagogia pela UERGS - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (2005); Artes Visuais pela UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui experiência como professora pública estadual na área de alfabetização e ensino de artes visuais no Ensino Fundamental. Mestre em Educação e Tecnologias pelo IFsul – Instituto Federal de Educação Sul-rio-grandense Campus Pelotas/RS. Mestre em Artes Visuais pela UFPEL - Universidade Federal de Pelotas. Atualmente é professora de artes do Instituto Estadual de Educação Assis Brasil e professora substituta no curso de Licenciatura e Bacharelado em Artes Visuais na Universidade Federal do Rio Grande - FURG, desde julho de 2018.

João Aberto da Silva, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

João Alberto da Silva é pedagogo e Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Realizou doutorado-sanduíche na Universidade de Genebra. Consultor do MEC/INEP para avaliação de cursos graduação. É Professor Adjunto na Universidade Federal do Rio Grande - FURG, vinculado ao Instituto de Educação e ao Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências. É líder do Núcleo de Estudos em Epistemologia e Educação em Ciências (CNPq/FURG) e coordena projeto referente ao Observatório Nacional da Educação, financiado pela CAPES e INEP.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998. 200 p.

BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação no Brasil. 6ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BRASIL. PCN de Arte para as séries finais do ensino fundamental - 5ª a 8ª séries. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/arte.pdf. Capturado em: 21. abril.2011.

BRASIL. BNCC – Base Nacional Comum Curricular. Ensino Fundamental. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/download-da-bncc. Capturado em: dezembro, 2017.

BERTICELLI, Ireno Antonio. Currículo: Tendência e Filosofia. In: COSTA, Marisa Vorraber (org.). O Currículo: nos limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 1998. p. 159-176.

AMORIM, Antonio Carlos (org.). Teóricos e o Campo do Currículo. Campinas, SP: FE/UNICAMP, 2012, p. 120-140 (e-book GT Currículo).

CORAZZA, Sandra Mara; SILVA, Tomaz Tadeu. Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

CORAZZA, Sandra Mara. Artistagens: Filosofia da diferença e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. São Paulo: Graal. 1998.

______. Lógica da Sensação. Equipe de Trad. Roberto Machado (coord.). Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Filosofia? 3 ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

FERRAZ, Maria Heloísa C. de T.; FUSARI, Maria F. de Rezende e. Metodologia do Ensino de Arte: fundamentos e proposições. 2º ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez, 2009.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. 9. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

GREINER, Christine. O corpo. Pistas para Estudos Indisciplinares. São Paulo: Annablume, 2005.

GALLO, Sílvio. Currículo (entre) imagens e saberes. Disponível in: http://unicamp.academia.edu/SilvioGallo/Papers. Acesso: março.2015.

IAVELBERG, Rosa. Para Gostar de Aprender Arte: sala de aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da (orgs.). Pistas do Método da Cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividades. Porto Alegre: Suiina, 2009.

PICOSQUE, Gisa; MARTINS, Mirian Celeste. Revelações do Corpo: estesia. conhecimento. In: _________. Mediação Cultural para Professores Andarilhos da Cultura. 2ª ed. São Paulo: Intermeios, 2012. pp.33-39.

RICHTER, Ivone Mendes. Interculturalidade e Estética do Cotidiano no Ensino das Artes Visuais. Campinas: SP, 2000 (tese de doutorado).

RIO GRANDE DO SUL. Referenciais Curriculares do Estado do Rio Grande do Sul: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Secretaria do Estado da Educação. Porto Alegre: SEDP, 2009.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental, transformações contemporâneas do desejo. Editora Estação Liberdade, São Paulo, 1989.

ROY, Kaustuv. Gradientes de Intensidade: o espaço háptico deleuziano e os três “erres” do currículo. In: Educação e Realidade. jul/dez, 2002, nº 27: 89-109.

SACRISTÁN, Gimeno J. Poderes Instáveis em Educação. Educação Teoria e Prática. Porto Alegre: Artmed Editora, 1999.

SACRISTAN, J. Gimeno. O Currículo, uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Editora Artmed, 2000.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O Currículo como Fetiche: a poética e a política do texto curricular. 1ª ed. 4ª reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Hencke, J., & Silva, J. A. da. (2019). Cartografia do Ensino de Artes no Brasil: das Belas Artes a BNCC. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1112

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar