A Cultura do Partejar: Entre a Ancestralidade e a Modernidade

Autores

  • Cledineia Carvalho Santos UFBA Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i1.1099

Palavras-chave:

Parteiras. Velhice. História de vida. Pós-modernidade.

Resumo

Este estudo sobre as parteiras e o ato de partejar em tempos pós-modernos visa compreender como as parteiras idosas se percebem no atual contexto visto que a atividade de partejar em casa tem sido cada vez mais substituída pelo atendimento hospitalar.A pesquisa teve com sujeitos duas mulheres parteiras idosas da região do entorno da Comunidade Quilombola de Nova Esperança na zona rural do município de Wenceslau Guimarães Bahia. Essa discussão passa impreterivelmente pelas histórias de vida de duas mulheres idosas que em outrora dedicaram suas vidas em prol de outras mulheres de comunidades rurais. Será necessário refletir como se davam as relações entre a gestante e a parteira, durante e pós-parto e de que maneira estas mulheres parteiras se veem atualmente neste novo contexto social e cultural onde esta prática tem sido cada vez menos solicitada e,paralelamente, a isto acontece esquecimento da importância do legado que estas mulheres construíram ao longo de sua vida. Neste estudo utiliza-se o método Narrativo tendo como aporte a técnica da História Oral de Vida por meio de entrevistas abertas gravadas que se constituem como importante mecanismo que possibilita as colaboras falar sobre si, o que torna a pesquisa rica de subjetividades e memória. O artigo será desenvolvido a partir das categorias Gênero, Identidade, Velhice, Esquecimentos e Pós-modernidades, a partir  deteóricoscomo:HebertMarcuse(1975); Michael Pollak (1989);ZygmuntBauman(1997);Joan Scott (1995); Stuart Hall (2014); SigmundFreud (2011); GrinDebert (2004) ; YuvalHarari(2016), dentre outros.

Biografia do Autor

Cledineia Carvalho Santos, UFBA Universidade Federal da Bahia

Mestre em Cultura e Sociedade pela UFBA (2018); Especialização em Língua Portuguesa pela UESB (2011); Especialização em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira pela Faculdade Vale do Cricaré (2012); Especialização em História (em andamento) pela UNIVES; Licenciada em Letras pela UESB - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - Campus de Jequié (2009), Licenciatura em História pela UNEB - Universidade do Estado da Bahia - Campus XXI - Ipiaú (2014). Funcionária efetiva da Prefeitura Municipal de Jaguaquara - BA, desde março de 1996, em que atuou como professora regente na Escola Monteiro Lobato (Povoado de Itiúba), Diretora na Escola Monteiro Lobato (Povoado de Itiúba), Escola Diana-Jussiene como professora regente (Entroncamento de Jaguaquara/Ba), Escola Emanoel de Oliveira Brito como regente de classe e Escola Centro Educacional do Trabalhador como regente de classe; Coordenadora Pedagógica na Escola Paulo Freire (Jaguaquara/Ba). Tem experiência com o Ensino Superior no IESTE - Instituto de Educação Social Tecnológico; Atua como professora bolsista no Plano Nacional de Formação de Professores - PARFOR; Exerceu o cargo de Chefe de Divisão do Ensino Fundamental do Departamento Pedagógico na Secretaria Municipal de Educação de Jaguaquara. Atualmente é Professora Orientadora de Estudos pelo Programa Pacto pela Educação e PNAIC e Tutora do PROGESTÃO na Secretaria Municipal de Educação de Jaguaquara/Ba; Pesquisadora no grupo de pesquisa GEHFTIM - Grupo de Estudos e Pesquisas Hermenêuticas sobre Famílias, Territórios, Identidades e Memórias, do(a) Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia tendo como foco as linhas de pesquisa: Estudos Hermenêuticos e Identidade Narrativa e Etnicidade, Memórias e Processos Identitários. Tem experiência na área de Educação com ênfase em Teorias Linguísticas e também em Ensino da História da África e dos indígenas com ampla afinidade em Relações Étnicas e Raciais e Membro do Grupo de Estudos em Mídia e etnicidade - ETNOMÍDIA.

Referências

ALBERTI, V. História oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: Contemporânea do Brasil, 1990.

BAUMAN, Zigmunt, O mal-estar na pós- modernidade. Tradução Mauro Gama, Claudia Martineli Gama. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editora, 1988.

BAUER, M.; JOVCHELOVITCH, S. Entrevista Narrativa. In: BAUER, M.; GASKELL, G.. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2002.

BRUNER, E. Ethnography as narrative. In: TURNER, V.; BRUNER, E. (Ed.). The anthropologyofexperience. Chicago: llinoisUniversity Press, 1986. p. 139-155.

DEBERT, G.G, A reinvenção da velhice. Editora: universidade de São Paulo.São Paulo, 2004.

DICIO. Dicionário Online de Português.Disponível em: https://www.dicio.com.br/parteira/›. Acesso em: 28 de abril de 2017.

FREUD, S, O mal-estar Na Civilização. Tradução: Paulo Cézar de Souza.Companhia Das Letras. São Paulo, 2011.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. In: Revista de Administração de Empresas. São Paulo 1995.

HALL,Stuart, A identidade na pós-modernidade. Stuart Hall; tradução de Tomaz Tadeu e Silva & Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

HARARI, Y.N.Homo Deus: uma breve história do amanhã. EDITORA SCHWARCZ S.A. São Paulo, 2015.

LARGURA, M. A assistência ao parto no Brasil: aspectos espirituais, psicológicos, biológicos e sociais. São Paulo: 1998.

MAIA. Maia Luna. Com o poder de Deus nas mãos: concepções das parteiras acerca da vivência do parto numa perspectiva da espiritualidade. Dissertação de Mestrado. João Pessoa, 2013. Disponível em: http://tede.biblioteca.ufpb.br/bitstream/tede/4208/1/ArquivoTotalLuna.pdf. Acesso em: 1 de maio de 2017.

MARCUSE, H, Eros e Civilização: Uma Interpretação Filosófica do Pensamento de Freud. Tradução de Álvaro Cabral. ZAHAR EDITORES, RIO DE JANEIRO, 1976.

MEIHY, J.C.S.Bom. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 2002.

MINAYO, M. C. S. (2002). Ciência, técnica e arte: O desafio da pesquisa social. In M. C. S. Minayo, Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

MICHAELLIS. Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Editora Melhoramentos. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/busca?id=L1lwP. Acesso em 28 de abril de 2017.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio . ESTUDOS HISTÓRICOS – 1989.

SCOTT. Joan Wallach. “Gênero: uma categoria últil de análise histórica.” Educação e realidade. Porto Alegre. Vol. 20. Nº 2. 1995.

Downloads

Publicado

23/06/2019

Como Citar

Santos, C. C. (2019). A Cultura do Partejar: Entre a Ancestralidade e a Modernidade. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i1.1099

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo