IMPLICAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE CIÊNCIAS

Autores

  • Leda Goularte Machado Universidade Federal do Pampa
  • Crisna Daniela Krause Bierhalz Universidade Federal do Pampa - Unipampa

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1096

Palavras-chave:

Licenciatura, Estágio Supervisionado, Ciências da Natureza.

Resumo

Das 3260 horas da Licenciatura em Ciências da Natureza, da UNIPAMPA - campus - Dom Pedrito, 420 são estágios curriculares (5 ao 9 semestre). Considerando o estágio um espaço de consolidação de habilidades construídas ao longo do curso, esta pesquisa participante traça o perfil do licenciando e visa compreender as relações entre o Estágio supervisionado e a formação docente. O embasamento teórico ultrapassa a concepção de formação como racionalidade técnica, sujeitos meros executores de decisões alheias e reafirma a perspectiva do desenvolvimento da consciência crítica, da colaboração e da transformação da qualidade social da escola. (PIMENTA, 2008). Os 22 licenciandos, matriculados em Estágio Supervisionado I, no ano de 2017, responderam um questionário (5 questões), do qual obteve-se os resultados: maioria do sexo feminino (17), com a idade entre 29 a 38 anos (11), provenientes do Ensino Médio Regular (08), seguido do curso normal(07). Os sentimentos que prevalecem são o medo (07) e a ansiedade (07), seguidos pela expectativa (03). 12 dos 22 estagiários afirmaram ser possível desenvolver um estágio interdisciplinar e 14 classificaram favoravelmente os conhecimentos teóricos adquiridos ao longo do curso, porém ressaltam a limitação de práticas e a insegurança perante a realidade escolar. Conclui-se que o estágio é um dos momentos de aproximação entre a Universidade e a Educação Básica e fundamental para relacionar teoria e prática no campo de atuação.

 

Das 3260 horas da Licenciatura em Ciências da Natureza, da UNIPAMPA - campus - Dom Pedrito, 420 são estágios curriculares (5 ao 9 semestre). Considerando o estágio um espaço de consolidação de habilidades construídas ao longo do curso, esta pesquisa participante traça o perfil do licenciando e visa compreender as relações entre o Estágio supervisionado e a formação docente. O embasamento teórico ultrapassa a concepção de formação como racionalidade técnica, sujeitos meros executores de decisões alheias e reafirma a perspectiva do desenvolvimento da consciência crítica, da colaboração e da transformação da qualidade social da escola. (PIMENTA, 2008). Os 22 licenciandos, matriculados em Estágio Supervisionado I, no ano de 2017, responderam um questionário (5 questões), do qual obteve-se os resultados: maioria do sexo feminino (17), com a idade entre 29 a 38 anos (11), provenientes do Ensino Médio Regular (08), seguido do curso normal(07). Os sentimentos que prevalecem são o medo (07) e a ansiedade (07), seguidos pela expectativa (03). 12 dos 22 estagiários afirmaram ser possível desenvolver um estágio interdisciplinar e 14 classificaram favoravelmente os conhecimentos teóricos adquiridos ao longo do curso, porém ressaltam a limitação de práticas e a insegurança perante a realidade escolar. Conclui-se que o estágio é um dos momentos de aproximação entre a Universidade e a Educação Básica e fundamental para relacionar teoria e prática no campo de atuação.

 

Biografia do Autor

Leda Goularte Machado, Universidade Federal do Pampa

Licencianda do Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza da Universidade Federal do Pampa - campus Dom Pedrito

Crisna Daniela Krause Bierhalz, Universidade Federal do Pampa - Unipampa

Professor adjunta da área de Educação da Universidade Federal do Pampa; Pedagoga; Mestre em Educação Ambiental e Doutora em Educação.

Referências

ALARCÃO, I. Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora, 1996.

BIERHALZ, C. D. K.; ARAUJO, R. R. de; LIMA, V. de A. Licenciatura Interdisciplinar em Ciências da Natureza: Análise do Projeto Pedagógico de Curso. In: Anais. SIIEPE - Simpósio Internacional sobre Interdisciplinaridade no Ensino,na Pesquisa e na Extensão – Região Sul. Universidade Federal de Santa Catarina, 2013. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/209883374/Bierhalz-et-al-Licenciatura-Interdisciplinar-em-Ciencias-da-Natureza , acesso em 18 Jul. 2017.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

CASTOLDI, R.; POLINARSKI, C.A. Considerações sobre estágio supervisionado por alunos licenciandos em Ciências Biológicas. In: VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, 2009. Anais do VII ENPEC, Belo Horizonte: ABRAPEC, 2009.

CHAVES-GAMBOA, M.; GAMBOA, S. S.; TAFFAREL, C. Prática de ensino: formação e emancipação. 3 ed., Macéio: EDUFAL, 2011.

CHEVALLARD, Y. La tranposición didáctica: Del saber sabio al saber enseñado. Traduzida por Claudia Gilman. Editora Aique: Buenos Aires. 1991.

DINIZ PEREIRA, J. E. Formação de professores, trabalho docente e suas repercussões na escola e na sala de aula. Educação & Linguagem, São Paulo: Universidade Metodista de São Paulo, ano 10, n. 15, p. 82-98, jan./jun. 2007.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridades: história, teoria e pesquisa. Campinas: Papirus, 2012.

FONSECA, E. M.; BIERHALZ, C. D. K. Discutindo articulações entre ensino de Ciências e Educação do Campo através da análise dos cadernos. Revista Brasileira de Educação do Campo, Tocantinópolis, v. 1, n. 2, p. 255-278, 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

IMBERNON, F. Formação docente e profissional - formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2001.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

LIMA, M. S. L. A formação contínua dos professores nos caminhos e descaminhos do desenvolvimento profissional. Doutorado em Educação. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), 2001.

LOMBARDI, R. F. Estagio Supervisionado: importante na e para a formação do professor. In: CARVALHO, G. T. R. D. de; UTUARI, S.. (Org.). Formação de professores e estágios supervisionados: algumas veredas. São Paulo: Andross, 2007.

MONTEIRO, A. M. F. da C. Professores: entre saberes e práticas. In: Educação & Sociedade. ano XXII. n. 74. Abril/2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v22n74/a08v2274

MORIN, E. O método 1: a natureza da natureza. Porto Alegre: Editora Sulina, 2016.

PIMENTA, S. G. O Estágio na Formação de Professores: unidade teoria e prática. São Paulo: Cortez, 2005.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. Coleção docência em formação. Séries saberes pedagógicos. São Paulo: Cortez, 2004.

PIMENTA, S. G.; GHEDIM, E. Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2008.

RÊSES, E. da S.. De vocação para profissão: organização sindical docente e identidade social do professor. 2008. 308 f. Tese de Doutorado, Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. Campus Dom Pedrito. Projeto Político Pedagógico (PPC) do Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. Disponível em: http://dspace.unipampa.edu.br/bitstream/riu/110/3/PPC_Ci%C3%AAnciasdaNatureza_DomPedrito_2015.pdf Acesso em, em 10 Set 2016.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Machado, L. G., & Bierhalz, C. D. K. (2019). IMPLICAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE CIÊNCIAS. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1096

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar