Reflexões sobre caminhos de pesquisa social em contextos de violência urbana e de Estado

Autores

  • Valentina Carranza Weihmuller UFRJ
  • Marina Gabriela Liberatori Universidad Naciona de Córdoba
  • Sônia Cristina Suares Dias Vermelho UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i3.1037

Palavras-chave:

favelas, mídias sociais digitais, pesquisa social, teorias críticas, violência.

Resumo

Partindo da impossibilidade de dissociação do on e off line nas sociedades contemporâneas, este trabalho discute as possibilidades de integração entre metodologias digitais e etnográficas-participantes para a abordagem de contextos/situações de pesquisa perpassados pela violência urbana e de Estado. Para tanto, apresentam-se resultados sobre uma pesquisa feita em 2017 num conjunto de favelas cariocas a partir do monitoramento do Twitter no marco de um projeto de pesquisa de cunho qualitativo-participante sobre jovens, educação e cultura em contextos vulneráveis. Nos resultados, observa-se a pertinência da pesquisa em mídias digitais como complemento à pesquisa empírica qualitativa-participante tendo em vista sua potencialidade como “preenchimento de vazios” em situações onde o experiencial é impedido. Evidencia-se a efetividade da estratégia, na obtenção de dados contextuais, permitindo novos e diferenciados insights. Finalmente considera-se que as pesquisas que transitem por ambas esferas (a digital e a “experiencial”) permitem integrar análises possibilitando um maior entendimento da realidade social. Neste sentido, sugere-se a potencialidade das teorias críticas que abordam o encontro entre tecnologia, ciência, arte e sociedade para permitir olhares e ferramentas complementares às pesquisas sociais em contextos de violência e vulneração social.

Referências

AMARAL, A. Indissociabilidade entre os mundos on e off-line. Entrevista concedida por Santos, João, V. Revista do Instituto Humanitas UNISINOS, n. 502, abr. 2014. Disponível em: <http://www.ihuonline.unisinos.br/artigo/6813-indissociabilidade-entre-os-mundos-on-e-off-line>. Acesso: 18 abril 2017.

ANTUNES, M. et al. Monitoramento de informação em mídias sociais: o e-Monitor Dengue. TransInformação, v. 26 n.1, p. 9-18, 2014.

BARBERO, J. M. Dos meios às mediações. Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997, p. 45–89.

BARBOSA, J. L.; DIAS, C. G. Solos Culturais. Observatório das Favelas. 2013, 197 p.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. (Obras Escolhidas; v.1). 7ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CANALTECH, Brasil é o país que mais usa redes sociais na América Latina. Canaltech. 20 junho 2016. Disponível: <https://canaltech.com.br/redes-sociais/brasil-e-o-pais-que-mais-usa-redes-sociais-na-america-latina-70313/> Acesso: 26 maio 2018.

______, O que é um API? Portal. Sem data. Canaltech. Disponível: <https://canaltech.com.

br/software/o-que-e-api/> Acesso: 26 maio 2018.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL (2017). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros: TIC domicílios 2016. Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR [editor] São Paulo, Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2017. Disponível: <http://cetic.br/media/docs/publicacoes

/2/TIC_DOM_2016_LivroEletronico.pdf> . Acesso: 5 abril 2018.

COMSCORE. Perspectivas do cenário digital Brasil 2017. Slideshare.net, 2017. Disponível: <https://es.slideshare.net/beiocardoso/perspectivas-do-cenrio-digital-brasil-2017>. Acesso: 05 maio 2017.

COX, G., KRYSA, J. (eds). On “The Author As (Digital) Producer”. In: Engineering Culture. Autonomedia. DATAbrowser 02. Plymouth, p. 7-20, 2005.

______. Art as Engineering: Techno-art Collectives and Social Change. In: KLUSZCZYÑSKI, R. W. (ed). Cybearts, Cybercultures, Cybersocieties. Art Inquires. v.5 Lodzkie Towarzystwo Naukowe, Lodz, Poland, 2004.

DOMINGUES, D. Software social: o autor como produtor de ciberativismo cultural. In: ANAIS XVI COMPÓS, Curitiba, 2007. Disponível em: <http://www.compos.org.br/data/biblioteca_169.pdf>. Acesso: 19 março 2018.

______. (org.) A arte no século XXI: a humanização das tecnologias. São Paulo: Editora UNESP, 1997.

ESCOLA DE JORNALISMO ÉNOIS & NEXO JORNAL Conexão Quebrada, Especial. Nexo Jornal. 20 novembro 2017. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br

/especial/2017/11/29/Conex%C3%A3o-Quebrada> Acesso: 15 abril 2018.

GUBER, R. Prácticas etnográficas. Ejercicios de reflexividad de antropólogas de campo. Buenos Aires: IDES-Miño y Dávila, 2014.

HARVEY, D. A Condição Pós-moderna: uma pesquisa sobre as Origens da Mudança Cultural. 4ª ed. São Paulo: Loyola, 1994.

HOBSBAWN, E. A Era do capital: 1848-1875. 3ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

INGOLD, T. Ambientes para la vida. Conversaciones sobre humanidad, conocimiento y antropología. Montevideo: Trilce. 2012.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

Laboratório sobre Imagem e Cibercultura da Universidade Federal de Espírito Santo (LABIC – UFES). Disponível em: http://www.labic.net/. Acesso: 15 agosto 2018.

MAGNANI, J. G. C. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 49, p. 11-29, 2002.

______. Etnografia como prática e experiência. Horizontes antropológicos. Porto Alegre, v. 15, n. 32, p. 129-156, 2009.

MALINOWSKI, B. Argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos de Nova Guiné melanésia. Trad. Anton P. Carr e Ligia A. Cardieri Mendonça. 2ª ed. São Paulo: Abril Cultura, 1978.

MARCUSE, H. Ideologia da Sociedade Industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MARX, K. Maquinaria e Grande Indústria. In: O Capital: crítica da economia política. v. 1, Livro Primeiro, Tomo 2, Capítulo XIII. 2ª ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MELLO, J. L. D. Novas mídias em alerta prévio de desastres: avaliação de mídias para mobilizar e disseminar conhecimento em situações prévias a desastres. 2012. 101 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

MISKOLCI, R. Novas conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais. Revista Cronos, v. 12 n. 2, p. 09-22, jun. 2011.

MUZAKI, P., REIA, J. & VARON, J. Mapeamento da mídia digital no Brasil. Rio de Janeiro: Open Society Foundations. Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getúlio Vargas, Centro de Tecnologia e Sociedade. 2014. 340 p.

Netlytic.org The Social Media Lab at Ryerson University, Canadá. Disponível em: https://netlytic.org . Acesso: de abril 2017 a outubro 2018.

NETO, A. P., BARBOSA, L., MUCI, S. Internet, geração Y e saúde: um estudo nas comunidades de Manguinhos (RJ). Comunicação & Informação, v. 19 n. 1, p. 20-36, 2016.

O'REILLY, T. What Is Web 2.0: Design Patterns and Business Models for the Next Generation of Software. International Journal of Digital Economics, n. 65, p. 17-37, maio, 2007.

PARISER, E. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PERNIOLA, M. A Estética do século XX. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

QUEIROZ FILHO, A. P. As definições de assentamentos precários e favelas e suas implicações nos dados populacionais: abordagem da análise de conteúdo. Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba, v. 7, n. 3, p. 340-353, Dec. 2015.

REIS, C.; MATTEDI, M.; BARRIOS, Y. R. Mídia e desastres: panorama da produção científica internacional de 1996 a 2016. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 40 n,2, p. 77-92, 2017.

ROGERS, R. The end of the virtual: Digital methods. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2009.

______. Debanalizing Twitter: The transformation of an object of study. In: PROCEEDINGS OF THE 5TH ANNUAL ACM WEB SCIENCE CONFERENCE. ACM. pp. 356-365, 2013.

SCOLARI, C. A. Mapping conversations about new media: the theoretical field of digital communication. New midia & Society. Los Angeles, London, New Delhi, Singapore and Washington DC, v. 11, n.6, p. 943–964, 2015.

______. Alfabetismo transmedia. Estrategias de aprendizaje informal y competencias mediáticas en la nueva ecología de la comunicación. Revista Telos: Cuadernos de comunicación e innovación, n. 103, p. 12-23, 2016.

SILVA, J. de S. As Unidades Policiais Pacificadoras e os novos desafios para as favelas cariocas. In: MELLO, M. A. d. et al. Favelas Cariocas: ontem e hoje. Rio de Janeiro: Garamond, 2012. p. 415-432.

suprimido para não identificar autor, 2015.

Downloads

Publicado

12/05/2019

Como Citar

Weihmuller, V. C., Liberatori, M. G., & Vermelho, S. C. S. D. (2019). Reflexões sobre caminhos de pesquisa social em contextos de violência urbana e de Estado. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v4i3.1037

Edição

Seção

Dossiê - Estudos Interdisciplinares acerca de Minorias, Grupos Vulneráveis e Inclusão Social na América Latina