Percepções Docentes sobre o Ensino das Relações Étnico-Raciais através das Danças Circulares.

Gisele Maria Rodrigues Machado, Raquel Pereira Quadrado

Resumo


Educar para as relações étnico-raciais significa viabilizar para todos(as) os(as) estudantes e professores(as), independentemente de sua etnia, conhecimentos sobre a história e cultura africana e afro-brasileira pois sabemos o quanto a invisibilidade destas interfere na construção de representações sobre o negro no Brasil. Este estudo propõe uma ação pedagógica voltada para o cumprimento da lei 10.639/03 utilizando a metodologia das danças circulares na formação continuada de professores(as) a partir dos valores civilizatórios afro-brasileiros, como: cooperativismo, circularidade, ludicidade, territorialidade, oralidade, religiosidade, ancestralidade, memória e energia vital. As danças circulares proporcionam momentos de cooperação, descontração e introspecção através da prática das danças de diversos povos. De acordo com os dados narrativos de 10 professores(as)  que participaram da formação continuada   “Danças Circulares na formação de professores(as) para as relações étnico-raciais”, observou-se que as questões sobre racismo, intolerância religiosa e  discriminação são as dúvidas e tensões mais frequentes enfrentadas em sala de aula. A utilização das danças circulares para discutir e problematizar estas temáticas foi considerada pelos(as)  docentes como uma aprendizagem através do movimento, da oralidade, do acolhimento da roda, ou seja, uma atividade leve e alegre na qual é possível refletir, conhecer, ressignificar e respeitar a diversidade étnico-racial. 


Palavras-chave


formação continuada de professores(as); racismo; danças circulares.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Ângela Maria; BACKES, José Licínio. Educar para as relações raciais: um desafio para a formação de professores. 36ª REUNIÃO NACIONAL DA ANPED - Goiânia / GO Campus Samambaia/UFG - 29/09 a 02/10/2013 GT 2: Educação e identidade/diferença negra.

BARTON, Anna. O que é dança sagrada? In: Renata C. L. Ramos (Org.) Danças Circulares: dançando o caminho sagrado. São Paulo: TRIOM, 2012.

BRASIL. Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana./ Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Brasilia: MEC, SECADI, 2013. P.104.

BRASIL. Decreto nº 65.810, de 8 de dezembro de 1969. Promulga a Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial. Disponível em: http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=94836. Acesso em 12 out. 2017.

BRASIL. Decreto nº592/92. Atos Internacionais. Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos. Promulgação. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d0592.htm. Acesso em: 18 out. 2017.

COSTA, Ricardo Cesar Rocha da. O pensamento social brasileiro e a questão racial: da ideologia do “branqueamento” às “divisões perigosas”. In: MIRANDA, Claudia et al (Org.). Relações Étnico-Raciais na Escola: desafios teóricos e práticas pedagógicas após a Lei nº 10.639. Rio de Janeiro: Quartet/FAPERJ, 2012.

GIRAFLOR. Danças Circulares. Apostila XII Edição Curso de Formação, 2013.

GOMES, Nilma Lino. Trabalho docente, formação de professores e diversidade étnico cultural. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade (Org.). Reformas Educacionais na América Latina e os trabalhadores docentes. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

GOMES, Educação e Relações Raciais: Refletindo sobre algumas estratégias de atuação. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o Racismo na escola. 2 ed. Revisada Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005, p.143-154.

IMBERNÒN, Francisco. Formação Continuada de Professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

LOPES, Vera Neusa. Racismo. Preconceito e discriminação: Procedimentos didático-pedagógico e a conquista de novos comportamentos. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o Racismo na Escola. 2 ed. Revisada. Brasília Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

OLIVEIRA, Kiusam Regina de. Religiosidade de Matriz Africana: Desconstruindo Preconceitos. In BRANDÃO, Ana Paula, TRINDADE, Azoilda Loretto. Modos de brincar: cadernos de atividades, saberes e fazeres. v.5. Rio de Janeiro A cor da cultura, 2010.

OSTETTO, Luciana E. Na dança e na educação: o círculo como princípio. Educação e

Pesquisa, São Paulo, v.35, n.1, p. 165-176, jan/abr. 2009

PEREIRA, José Maria Nunes. Colonialismo, Racismo, Descolonização. Revista Estudos Afro-Asiáticos, n. 2, maio/agosto, 1978.

SANT’ANA, Antônio Olímpio de. História e conceitos básicos sobre o racismo e seus derivados. In: Superando o Racismo na escola. MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o Racismo na Escola. 2 ed. Revisada. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005, p.39-67.

SILVA, Lucilia Carvalho da; SOARES, Katia dos Reis Amorim. A Intolerância Religiosa face às religiões de Matriz Africana como expressão das relações étnico-raciais brasileiras: O terreno do combate à intolerância no Município de Duque de Caxias. Revista EDUC – Faculdade de Duque de Caxias. Vol. 1. Nº 03/jan-jun 2015.

SINISTERRA, Mary Lilia Congolino. Religião, Sociedade e Pedagogia. In BRANDÃO, Ana Paula, TRINDADE, Azoilda Loretto. Caderno de Textos. A Cor da cultura, 2010.

TRINDADE, Azoilda Loretto. Valores Civilizatórios Afro-brasileiros e educação infantil: uma contribuição afro-brasileira. Modos de brincar: caderno de atividades, saberes e fazeres. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010, p.9-12.

WOSIEN, Bernhard. Dança: um caminho para a totalidade. Tradução Maria Leonor Rodenbach, Raphael de Haro Junior. São Paulo: TRIOM, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v4i0.812

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Gisele Maria Rodrigues Machado, Raquel Pereira Quadrado

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Qualis CAPES (2013-2016):

B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

e-ISSN 2016/Atual: 2525-7870 | e-ISSN 2015/2016: 2447-018X

Facebook - Twitter - Instagram

Realização:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

Endereço Eletrônico: relacult@claec.org


Contador disponível desde 05/2016.

universidades e ensino superior
contador de visitas