Potências do ruído nas interfaces gráficas dos countergames

Eduardo Luersen

Resumo


Proponho neste artigo apresentar de que se tratam as construções imagéticas dos countergames, de modo a dar a ver como estes se inscrevem enquanto tendências experimentais dos videogames e verificar de que maneira se configuram como objetos pertinentes para pensar sobre as imagens ruidosas que tensionam e que convergem e/ou divergem com as imagens das interfaces culturais dos jogos de computador. Pretendo com isso demarcar fricções entre o design das interfaces gráficas de estéticas ruidosas e os constructos audiovisuais dos games, em uma relação ambivalente entre apagamento e permanência dos rastros da cultura audiovisual nestas superfícies. Busco, através disso, realizar uma angulação teórica entre a estética do ruído conforme proposta por Giselle Beiguelman, a abordagem de Alexander Galloway sobre art game mods, as interfaces culturais de que fala Lev Manovich e a pesquisa crítica e especulativa em software studies de Matthew Fuller, para discutir potências resultantes da interação entre estas perspectivas que compõem parte do tecido da tecnocultura contemporânea. Assim, a partir da comunicação audiovisual, mas explorando os limiares desta com o design de interface dos games, sugiro iniciar um debate passível de ampliação em discussões vindouras análogas ao tema.


Palavras-chave


tecnocultura; comunicação audiovisual; interfaces gráficas de usuário; imagens ruidosas; videogames.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BEIGUELMAN, Giselle. A era do capitalismo fofinho e seus dissidentes. In: RENA, Alemar; RENA, Natacha. In: Design e política. Belo Horizonte: Fluxos, 2014.

BOLTER, Jay; GROMALA, Diane. Windows and mirrors. Interaction design, digital art and the myth of transparency. Cambridge: MIT Press, 2003.

CHUN, Wendy. Programmed Visions: Software and Memory. Cambridge: MIT Press, 2013.

COLLINS, Karen. Interacting with Sound. In: Playing with sound: a theory of interacting with sound and music in video games. Cambridge: MIT Press, 2013.

DOVEY, John; KENNEDY, Helen. Game cultures: computer games as new media. Open University Press: Maidenhead, 2006.

FISCHER, Gustavo. Cinema em Devir nos Games: por um olhar arqueogenealógico nas interfaces culturais. In: Gerbase, Carlos; Gutfriend, Cristiane Freitas. (Org.). Cinema em choque: diálogos e rupturas. Porto Alegre: Sulina, 2013.

FLUSSER, V. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume, 2002.

FULLER, Matthew. Behind the bleep. Autonomedia: NY, 2003.

GALLOWAY, Alexander. Gaming: Essays on algorithmic culture. Electronic Mediations. University of Minnesota Press: Minneapolis, 2006.

GALLOWAY, Alexander. The Interface Effect. Cambridge: Polity Press, 2012.

MANOVICH, Lev. Database as a genre of new media. In: AI & Society, v. 14, 2010.

MANOVICH, Lev, New Media from Borges to HTML. In: MONTFORT, Nick; WARDRIP-FRUIN, Noah. The New Media Reader. Massachusetts: MIT, 2003.

SIHVONEN, Tanja. Players unleashed! Modding The Sims and the culture of gaming. PhD diss: University of Turku, 2009.

ZIELINSKI, Siegfried. A arqueologia da mídia. In: LEÃO, Lúcia. O chip e o caleidoscópio: reflexões sobre as novas mídias. São Paulo: SENAC, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v3i2.416

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Eduardo Luersen

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Qualis CAPES (2013-2016):

B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

e-ISSN 2016/Atual: 2525-7870 | e-ISSN 2015/2016: 2447-018X

Realização:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

Endereço Eletrônico: relacult@claec.org


Contador disponível desde 05/2016.

universidades e ensino superior
contador de visitas