Cultura Material, Organização e História Guarani Nhandeva em Dourados, Mato Grosso do Sul (Brasil): Artes, Artefatos e Cosmologia

Rosalvo Ivarra Ortiz

Resumo


O presente artigo traz indagações acerca da Aldeia Jaguapirú e Aldeia Bororó- ambas localizadas no município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul (Centro-Oeste do Brasil). A investigação foi desenvolvida no Mestrado em Antropologia da Universidade Federal da Grande Dourados entre os anos de 2017, 2018 e 2019. Dessa forma, perpassamos por questões que envolvem arqueologia, história, organização social, política, econômica até adentrar nas produções de artes, artefatos e objetos sagrados e ritualísticos Guarani Nhandeva. Portanto, o nosso objetivo é realizar uma análise, descrição e posterior interpretação das múltiplas nuances, conceitos ou categorias que envolvem esse coletivo acerca da relação que há entre cultura material e sua cosmovisão, que na atualidade contemporânea encontram-se numa situação extremamente emblemática, sobretudo a envolver o Yvy (terra).

 


Palavras-chave


: História, Etnografia, Cosmologia, Cultura material, Guarani Nhandeva.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Rubem Ferreira Thomaz de. O caso Guarani: o que dizem os vivos sobre os que se matam? In: RICARDO, Carlos Alberto (Ed.). Povos Indígenas no Brasil: 1991/1995. São Paulo: Instituto Socioambiental, 1996. p. 725-8.

ALMEIDA, Rubens Ferreira Thomaz de. Do Desenvolvimento Comunitário à Mobilização Política. O projeto Kaiowa-Ñandeva como experiência antropológica. Rio de Janeiro: Contra Capa. 2001 226 p.

BANIWA, G. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: MEC/UNESCO. 2006.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em .

CAMPBELL, Alan T., 1995. Getting to Know Wai Wai. London: Routledge.

CHIARA, V. Armas: bases para uma classificação. In: RIBEIRO, D. (ed.). Suma Etnológica Brasileira, v. 2. Petrópolis: 1987. p. 117-137.

COQUET, Michèle. Chapitre 7- L'anthropologie de l'art, Martine Segalen éd., Ethnologie. Concepts et aires culturelles. Armand Colin, 2001, pp. 140-154.

DAMATTA, Roberto. Um Mundo Dividido. Petrópolis, Vozes, 1976.

ECO, U. ([1973]1988). Signo. Barcelona: Labor.

ELIADE, Mircea. 1998-O Xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase, Trad. Beatriz PerroneMoisés e Ivone C. Benedetti, Martins Fontes, São Paulo [1951]

GADELHA, Regina Maria A. F. (Ed.). Missões Guarani: impacto na sociedade contemporânea. São Paulo: Educ, 1999. 391 p. (Edições Comemorativas)

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 1989.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis, Vozes, 2000.

JAKOBSON, Roman. “Aspectos lingüísticos da tradução”. In Lingüística e comunicação. São Paulo, Cultrix, pp. 63-72, [1959] 2008.

KASHIMOTO, E. M; MARTINS, G. R. A problemática arqueológica da tradição cerâmica tupi-guarani em Mato Grosso do Sul. In: PROUS, A; LIMA, T. A (eds.). Os Ceramistas Tupiguarani. Belo Horizonte: Sigma, 2008. p. 149-178.

LANGDON, E. J. M. (Org.). Xamanismo no Brasil: novas perspectivas. Florianópolis: Editora da UFSC, 1996.

MACHADO, A. M. Exá raú mboguatá guassú mohekauka yvy marãe‟y: de sonhos ao Oguatá Guassú em busca da (s) terra (s) isenta (a) de mal. 2015. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Belém.

MAUSS, Marcel (2003), Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify

MÉTRAUX, A. Armas. In: RIBEIRO, D. (ed.). Suma Etnológica Brasileira, v. 2. Petrópolis: Vozes, 1987. p. 139-161.

MEYER, Luiza Gabriela Oliveira. Rumo à (des)colonização? o direito de consulta e os seus (ab)usos na Reserva Indígena de Dourados (RID). Dissertação (Mestrado em Antropologia Sociocultural) – Universidade Federal da Grande Dourados. – Dourados, MS: UFGD, 2014.

MONTARDO, D. L. O. Sons e Espacialidade, os Caminhos nos Cantos e Danças Guarani. ILHA - REVISTA DE ANTROPOLOGIA, v. 20, p. 145-162, 2018.

MONTEIRO. Maria Elizabeth Brêa. Levantamentos históricos sobre os índios Guarani Kaiwá. Rio de Janeiro, RJ: Museu do índio/FUNAI, 2003.

MURA, Fábio. À procura do “bom viver”. Território, tradição de conhecimento e ecologia doméstica entre os Kaiowá. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Museu Nacional. Programa de Pós-Graduação em Antropologia. Rio de Janeiro, 2006.

PASCHOALICK, L. C. A. A Arte dos Indios Kaiowá da Reserva Indígenas de Dourados- MS: transformações e permanências, uma expressão de identidade e afirmação étnica. 1. ed. Dourados: UFGD, 2008. 112 p.

PEIRANO, MARIZA. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos (UFRGS. Impresso), v. 20, p. 377-391, 2014.

PEIRCE, Charles Sanders. Estudos coligidos. Tradução: A. M. D'Oliveira. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

PEREIRA, Levi Marques. Imagens Kaiowá do Sistema Social e seu entorno. Tese de Doutorado Programa de Pós-Graduação em Antropologia Sociail da Universidade de São Paulo – USP. São Paulo,2004.

RIBEIRO, D. Suma Etnológica Brasileira. Atualizada do Handbook of South American Indians. Tecnologia Indígena. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

RIBEIRO, B. G. Dicionário do Artesanato Indígena. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

SANTOS, Gabriela Barbosa Lima e. Saúde indígena: práticas de cura na tradição de conhecimento entre os Kaiowá e Guarani em situação de acampamento no cone sul de Mato Grosso do Sul. – Dourados, MS: UFGD, 2016.

SCHMITZ, Pedro Ignácio. El Guaraní en Rio Grande do Sul: la colonización del Monte y los frentes de expansión. Estudos Leopoldenses, São Leopoldo, v. 18, n. 64, p.185-206, 1982.

SEEGER, A. Novos horizontes na classificação dos instrumentos musicais. In: RIBEIRO, B. (ed.). Suma Etnológica Brasileira, v. 3. Petrópolis: Vozes, 1987. p. 173- 179.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura guarani. São Paulo: EDU/EDUSP. 1974.

SEVERI, Carlo. “Transmutating Beings: A Proposal for an Anthropology of Thought”. Hau 4 (2): 41-71, 2014.

SUSNIK, Branislava. Los aborigenes del Paraguay. V. 2: Etnohistoria de los Guaranies. Assunção: Museo Etnográfico “Andres Barbeiro”, 1982.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Os Pronomes Cosmológicos e o Perspectivismo Ameríndio. Mana, Rio de Janeiro, v. 2, p. 115-144, out. 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v6i1.1643

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Rosalvo Ivarra Ortiz

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade

e-ISSN: 2525-7870

Facebook - Twitter - Instagram

Endereço eletrônico: relacult@claec.org


Qualis CAPES: B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

Responsável Editorial:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

www.claec.org/editora

Endereço eletrônico: editora@claec.org