A liberdade e o poder dos signos uma discussão contemporânea

Autores

  • José Serafim Bertoloto Universidade de Cuiabá e Universidade Federal de Mato Grosso
  • Paulo Vitor Marques Bernardino

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.856

Palavras-chave:

fake news, memes, pós-verdade, propagação, semiótica.

Resumo

Os signos configurados em memes, selfies e fake news presentes no ciberespaço, resultado da apropriação e remodelação de elementos culturais, são conteúdos produzidos e compartilhados pelos interagentes em grande quantidade e velocidade na rede. Neste panorama discute-se a noção de pós-verdade, a partir da qual apelos à emoção sobrepõem os fatos objetivos. A predominância da imagem nessas produções e a sua propagação no ambiente digital foram analisadas a partir das teorias de Peirce e Jenkins com a finalidade de possibilitar uma variante de leitura sobre o que circula nas redes sociais digitais e sua relação com o conhecimento geral das imagens no país e no mundo. Na sequência, descrevemos as particularidades dos memes, selfies e fake news a partir de exemplos recentes, especialmente no âmbito político do cenário brasileiro. Por fim, apontamos esses conteúdos, orientados visualmente, como suporte para a socialização de crenças e valores em que a busca de visualizações, comentários e compartilhamentos torna-se mais importante do que a veracidade das informações.

Biografia do Autor

José Serafim Bertoloto, Universidade de Cuiabá e Universidade Federal de Mato Grosso

Membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte ABCA. Possui graduação em Licenciatura e Bacharel em História pela Universidade Federal de Mato Grosso (1985), graduação em Tecnólogo em Bovinocultura pela Universidade Federal de Mato Grosso (1980), mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo (1992), especialização em Museu de Arte pelo MAC-USP (1998) e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003). É professor titular da Universidade de Cuiabá e pesquisador, curador e Ex-diretor do Museu de Arte e de Cultura Popular da Universidade Federal de Mato Grosso. Professor Orientador no programa de Mestrado em Estudo de Cultura Contemporânea ECCO/UFMT. Artista Plástico com vasta experiência na área de Artes, com ênfase em teoria e crítica, atuando principalmente nos seguintes temas: artes visuais, cultura popular, patrimônio artístico cultural, semiótica da arte e do design em Mato Grosso.

Paulo Vitor Marques Bernardino

Mestre em Estudos de Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso, Especialista em Comunicação Empresarial pela Universidade Metodista e Bacharel em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário Cândido Rondon.

Referências

ACCIOLY, Maria Inês. Isso é simulação: a estratégia do efeito real. Rio de Janeiro: E-papers, 2010.

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1999.

FAUSING, Bent. Self-mídia: O self, o rosto, as mídias e os selfies. Discurso proferido na Conferência Internacional sobre Ciência das Imagens Sensórias, Sassari, 2004.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

JENKINS, Henry; GREEN, Joshua; FORD, Sam. Cultura da Conexão. Criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph, 2014.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus, 1996.

MUSEU DO MEME.

REVISTA UNO, A era da pós-verdade: realidade x percepção.

SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SANTAELLA, Lúcia; NÖTH, Winfried. Imagem: cognição, semiótica e mídia. São Paulo: Iluminuras, 1998.

Downloads

Publicado

22/02/2018

Como Citar

Serafim Bertoloto, J., & Marques Bernardino, P. V. (2018). A liberdade e o poder dos signos uma discussão contemporânea. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.856

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo