Avaliação Institucional: conceitos, objetivos, participação e implicações para a escola

Autores

  • Maria Alice de Freitas Sias Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão
  • Rosa Maria Martins Carvalho Dutra Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão
  • Santiago Bretanha Universidade Católica de Pelotas http://orcid.org/0000-0002-0648-7169
  • Ana Cristina da Silva Rodrigues Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.786

Palavras-chave:

Avaliação Institucional, Projeto Político-Pedagógico, Gestão Escolar.

Resumo

O presente trabalho integra as atividades do projeto de intervenção “Reflexões sobre o Projeto Político-Pedagógico e a importância de avaliar a escola constantemente” desenvolvido no Mestrado Profissional em Educação da Universidade Federal do Pampa, na Linha de Pesquisa Política e Gestão da Educação. O projeto é realizado na Escola Municipal de Ensino Fundamental Balbino Mascarenhas, da cidade de Pelotas, Estado do Rio Grande do Sul (RS), e possui como enfoque o processo contínuo de avaliação da instituição escolar. O objetivo do trabalho é analisar e avaliar o processo da gestão e do cotidiano escolar da escola citada, criando subsídios para significação e reconstrução do Projeto Político-Pedagógico. Nesse sentido, o estudo sobre a avaliação institucional é de extrema importância, pois tem como propósito identificar as carências da escola e realizar as devidas intervenções, ou seja, usar os resultados da avaliação para qualificar o Projeto Político-Pedagógico, a escola e os sujeitos que dela participam. A avaliação torna-se um instrumento para a busca da qualidade escolar, tendo como principal intenção a concretização, a ação-reflexão-ação de todo o processo educacional. Desse modo, acredita-se que a avaliação institucional deve estar assegurada no Projeto Político-Pedagógico, tendo claros os seus objetivos, indicadores, princípios, finalidades e as concepções de avaliação, que, ao serem realizadas, devem partir do princípio balizador corrigir dificuldades e evitar novas e futuras à instituição escolar. 

Biografia do Autor

Maria Alice de Freitas Sias, Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão

Atualmente professora concursada pela Prefeitura Municipal de Pelotas. Possui Especialização em Gestão Escolar, pelas Faculdades Integradas Facvest, Lages/SC (2007). Graduação em Pedagogia (Licenciatura Plena) pela Universidade Católica de Pelotas, Habilitação do Magistério das Matérias Pedagógicas, Gestão Educacional e Habilitação para o exercício do Magistério nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (2006). Curso de Magistério no Instituto Estadual de Educação Assis Brasil (2002). Atua na Educação principalmente com os seguintes temas: Alfabetização, Letramento e Formação de Professores.

Rosa Maria Martins Carvalho Dutra, Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão

Possui graduação em Licenciatura Plena em Letras pela Universidade Católica de Pelotas (1994). Atualmente é professora de Língua Portuguesa na Escola Municipal de Ensino Fundamental Ceni Soares Dias e na Escola Municipal de Ensino Fundamental Marcílio Dias, Supervisora do PIBID de Letras- Língua Materna da Universidade Federal do Pampa. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS, atuando principalmente nos seguintes temas: construção textual, escola e professor-aluno. Atuou como Orientadora Educacional da Escola ( 2015 ) , como Supervisora Escolar e Vice-diretora ( 2015 ) na EMEF Ceni Dias. Foi Professora Substituta na Universidade Federal do Pampa, no segundo semestre de 2014, atuando nos Cursos de Graduação em Letras e Pedagogia. Também atuou junto a Coordenadoria do Curso de Licenciatura em Letras - Português , na modalidade a distância. Participou do MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO - 2014 , como aluna especial. Atualmente está cursando o Mestrado Profissional em Educação - Unipampa.

Santiago Bretanha, Universidade Católica de Pelotas

É mestrando em Letras pelo Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Católica de Pelotas. Possui experiência na área de Letras, com ênfase em Análise de Discurso, atuando principalmente nos seguintes temas: Epistemologia, Tempo, História, Memória, Trabalho e Discurso Político. É membro do Laboratório de Estudos em Análise de Discurso (LEAD), sediado na Universidade Católica de Pelotas. Ainda, integra o projeto de pesquisa Línguas e Literaturas na Fronteira (CNPQ) e o Laboratório de Literatura e Outras Linguagens (LaLLi), ambos sediados na Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão. Nesse âmbito, dedica-se aos estudos em Literatura Comparada na interface Literatura,  Estudos Culturais e Filosofia.

Ana Cristina da Silva Rodrigues, Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão

Possui graduação em Licenciatura Em Pedagogia Séries Iniciais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999) e doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2008). Tem experiência na educação básica estadual e municipal, tendo atuado durante 20 anos na Rede Municipal de Porto Alegre. Atuou como assessora pedagógica na EJA, na alfabetização e na gestão durante 8 anos na Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre. Foi conselheira no Conselho Municipal de Educação de Cachoeirinha e presidente do Conselho Municipal de Educação de Jaguarão. Atua no ensino superior desde 1994 tendo larga experiência em instituições privadas. Atualmente é professora Adjunta II na Universidade Federal do Pampa, professora do Mestrado Profissional em Educação, Diretora do Campus Jaguarão e presidente da Comissão Própria de Avaliação da UNIPAMPA. Também é coordenadora de área-Pibid da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Desenvolve pesquisas na área das políticas educacionais e gestão, alfabetização e letramento e avaliação, em especial avaliações em larga escala e avaliação institucional.

 

Referências

ESTEBAN. Maria Teresa. Escola, currículo e avaliação. 3. Ed. São Paulo: Cortez, 2008.

GADOTTI, M. Pressupostos do projeto pedagógico. Anais da Conferência Nacional de Educação para Todos. Brasília: MEC, 1994.

______. Avaliação Institucional: Necessidades e condições para sua realização. DRB Assessoria. 2010. Disponível em: http://www.drb-assessoria.com.br/Avali_Institucional.pdf.>. Acesso em: 16 jan. 2017.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, 05 set. 2009. Disponível em: <http://ideb.inep.gov.br/resultado/resultado/resultado.seam?cid=1703156>. Acesso em: 26 jul. 2017.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão na escola. Goiânia: Alternativa, 2008.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1995.

______. Avaliação da aprendizagem escolar. 6 ed. São Paulo. Cortez, 1997.

MALAVASI, M. M. S. Avaliação Institucional de qualidade potencializada pela participação dos vários segmentos da escola. In: DALBEN, Â. I. L. de F. et al. (Org.). Convergências e tensões no campo de formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MELCHIOR, M. C. Avaliação Institucional da escola básica. Porto Alegre: Premier, 2004.

SANTOS GUERRA, Miguel Àngel. Evaluación: un proceso de diálogo, comprensión y mejora. Málaga: Ediciones Aljibe, 1993.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto Político-Pedagógico da escola: uma construção coletiva. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. 22.ed. Campinas, SP: Papirus, 2006.

Downloads

Publicado

21/03/2018

Como Citar

de Freitas Sias, M. A., Martins Carvalho Dutra, R. M., Bretanha, S., & da Silva Rodrigues, A. C. (2018). Avaliação Institucional: conceitos, objetivos, participação e implicações para a escola. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4. https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.786

Edição

Seção

Dossiê: FORMAÇÃO ACADÊMICA, EDUCAÇÃO, POLÍTICA E SOCIEDADE

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)