Maternidade sem romantismos: alguns olhares sobre as maternidades e os sujeitos-mãe na contemporaneidade

Autores

  • Jéssica Lauxen Universidade Federal do Rio Grande
  • Raquel Pereira Quadrado Universidade Federal do Rio Grande

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.775

Palavras-chave:

Gênero, Maternidades, Facebook.

Resumo

Para este trabalho, que teve como objetivo analisar os significados de maternidades e sujeitos mãe presentes na postagem desafio da maternidade real (#desafiodamaternidadereal) realizada no site de rede social Facebook, realizamos uma análise deste desafio que surgiu em fevereiro de 2016, o qual gerou intensos debates a respeito do exercício da maternidade. A proposta foi lançada por uma internauta em resposta ao desafio da maternidade (#desafiodamaternidade), no qual mães eram convidadas a realizar postagens de momentos felizes com suas/seus filhas/os, escrevendo os motivos pelos quais eram felizes sendo mães. A internauta realizou um novo movimento, escrevendo o que, para ela, era o lado ruim da maternidade, o qual ninguém falava. Realizamos uma análise dos comentários da postagem original, considerando os comentários mais curtidos, e categorizando-os por semelhanças. Assim, destacamos primeiramente a enorme repercussão gerada por um discurso que rompe com o discurso moderno da maternidade. Alguns dos significados de maternidade que se sobressaem nos comentários fazem parte de um discurso hegemônico sobre ser mãe, como: maternidade como benção de Deus, boa mãe é a que amamenta, a mãe que não se enquadra no discurso romântico sofre de depressão pós-parto, entre outros significados que serão apresentados no trabalho. Entendemos que este trabalho apresenta relevância no campo dos estudos culturais e de gênero, por ser a maternidade uma das formas de maior desigualdade entre os gêneros, sendo uma necessidade política discuti-la, entendendo-a como uma construção histórica e social.

Referências

ARQUEJADA, Sandro. Maria: humana como nós. São Paulo: Canção Nova, 2012. p. 36.

BADINTER, Elisabeth. O conflito: a mulher e a mãe. Rio de Janeiro: Record, 2011. 222 p.

BADINTER, Elisabeth. Um Amor Conquistado: o Mito do Amor Materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. 370 p.

BEAUVOIR, S. O segundo Sexo: Fatos e Mitos. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1980. 309 p.

MARCELLO, Fabiana de Amorim. Enunciar-se, organizar-se, controlar-se: modos de subjetivação feminina no dispositivo da maternidade. Revista Brasileira de Educação, Porto Alegre, v. 1, n. 29, p.139-151, maio 2005. Quadrimestral.

LOURO, Guacira Lopes. Flor de açafrão. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017. 127 p.

REIS, Juliana. Desafio NÃO aceito! 2016. Disponível em: <https://www.facebook.com/julianareis.vieira/posts/1030225017048706>. Acesso em: 16 out. 2017.

ROCHA, Simone et al. Os estudos culturais e os entrelaçamentos entre comunicação e cultura: uma análise do filme Cão sem dono. Revista do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Linguagens Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, v. 1, n. 9, p.1-14, 2010.

SABAT, Ruth Francini Ramos. “Só as quietinhas vão casar”. In: MEYER, Dagmar Elisabeth Estermann. (Org). Saúde, sexualidade e gênero na educação de jovens. Porto Alegre: Mediação, 2012. p. 135 - 144.

SCAVONE, Lúcia. A maternidade e o feminismo: diálogo com as ciências sociais. Cadernos Pagu, São Paulo, n. 16, p. 137-150, 2001.

SIBILIA, Paula. 2009. O espetáculo do eu. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/vivermente/reportagens/o_espetaculo_do_eu.html>. Acesso em: 16 dez. 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. "O adeus às metanarrativas educacionais". In: _________. (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, p.247-258. 1996.

VÁSQUEZ, Georgiane. Maternidade e Feminismo: notas sobre uma relação plural. Revista Trilhas da História, Três Lagoas, v. 3, n. 6, p.167-181, jan. 2014. Semestral.

UEDA, Natalino. 2014. Maria, o feminino e a maternidade. Disponível em: <https://blog.cancaonova.com/tododemaria/maria-o-feminino-e-a-maternidade/>. Acesso em: 16 dez. 2017.

Downloads

Publicado

28/02/2018

Como Citar

Lauxen, J., & Quadrado, R. P. (2018). Maternidade sem romantismos: alguns olhares sobre as maternidades e os sujeitos-mãe na contemporaneidade. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4. https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.775

Edição

Seção

Dossiê: ESTUDOS DE GÊNERO, FEMINISMO E SEXUALIDADES

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)