O Programa Mulheres Mil como uma Possibilidade de Autonomia para Mulheres em Vulnerabilidade Social

Autores

  • Patrícia Martins Tavares Instituto Federal Sul-rio-grandense Câmpus Pelotas
  • Jair Jonko Araujo Instituto Federal Sul-rio-grandense Câmpus Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.758

Palavras-chave:

Empoderamento, Gênero, Política Pública, Programa Mulheres Mil

Resumo

O presente trabalho objetiva apresentar o Programa Mulheres Mil e discutir seu potencial na emancipação das mulheres atendidas pelo mesmo. Desta forma, discorre brevemente acerca dos conceitos de política pública, gênero, vulnerabilidade e empoderamento. A partir dos dados obtidos nos documentos referentes ao Programa e em pesquisas recentes, pode-se inferir que essa política de gênero permite às mulheres que se encontram em situação de vulnerabilidade o acesso a cursos profissionalizantes que podem contribuir para a melhoria de seu potencial produtivo, visando sua inserção no mundo de trabalho, sob a perspectiva de melhoria de suas vidas e de suas famílias.

Biografia do Autor

Patrícia Martins Tavares, Instituto Federal Sul-rio-grandense Câmpus Pelotas

Licenciada em Letras-Português pela Universidade Federal de Pelotas; Especialista em Educação pelo Instituto Federal Sul-rio-grandenseç Mestranda em Educação pelo Instituto Federal Sul-rio-grandense.

Jair Jonko Araujo, Instituto Federal Sul-rio-grandense Câmpus Pelotas

Doutor em Educação, Prof. do Instituto Federal Sul-rio-grandense - IFSUL

Referências

BALL, Stephan. Education reform: a critical and post–structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

BALL, Stephen. What is policy? Texts, trajectories and toolboxes. In: BALL, Stephan. Education reform: a critical and post–structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994. (p.14-27)

BALL, S.J. What is criticism? A continuing conversation? A rejoinder to Miriam Henry. Discourse, London, v. 14, n. 2, p. 108-110, 1993b. In: MAINARDES, Jeferson; FERREIRA, M. dos Santos; TELLO, César. Análise de políticas: fundamentos e principais debates teóricos-metodológicos. In: Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, p. 143-172, 2011.

BALL, S.J.; BOWE, R. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, London, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992.

BRASIL, Atlas da Vulnerabilidade Social. Disponível em: <http://ivs.ipea.gov.br/index.php/pt/> Acesso em: 01 dez. 2017

BRASIL, Lei de 15 de outubro de 1827, Manda criar escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos do Império. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM-15-10-1827.htm> Acesso em: 20 jul. 2017

BRASIL, Lei Nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.html> Acesso em: 15 out. 2016

BRASIL, Mulheres Mil oferece 100 mil oportunidades de capacitação. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/educacao/2017/02/mulheres-mil-oferece-100-mil-oportunidades-de-capacitacao > Acesso em: 09 nov. 2016

BRASIL, Portaria nº 1015, de 21 de julho de 2011, que institui o Programa Mulheres Mil-Educação, Cidadania e Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=8589-portaria1015-220711-pmm-pdf&category_slug=agosto-2011-pdf&Itemid=30192> Acesso em: 16 nov. 2017

BRASIL, Portaria nº 1015, de 21 de julho de 2011, que institui o Programa Mulheres Mil-Educação, Cidadania e Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=8589-portaria1015-220711-pmm-pdf&category_slug=agosto-2011-pdf&Itemid=30192> Acesso em: 16 nov. 2016

BRUSEKE, Franz. Josef. Risco e Contingência. Os paradigmas da modernidade e sua contestação. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 1 ed. Florianópolis: Editora Insular, 2006, 69-80 pp. In: Seminario Vulnerabilidad, CEPAL, Santiago de Chile, 2001, In CANÇADO, Taynara Candida Lopes; SOUZA, Rayssa Silva de; CARDOSO,Cauan Braga da Silva, Trabalhando o conceito de Vulnerabilidade Social. Disponível em: <http://www.abep.org.br/~abeporgb/abep.info/files/trabalhos/trabalho_completo/TC-10-45-499-410.pdf > Acesso em: 10 nov. 2017

BRUSEKE. Franz Josef. Risco e Contingência. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092007000100006> Acesso em: 18 nov. 2017

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

COSTA, Ana Alice Alcântara. Gênero, poder e empoderamento das mulheres, 2010. Disponível em: <https://pactoglobalcreapr.files.wordpress.com/2012/02/5-empoderamento-ana-alice.pdf< Acesso em: 16 nov. 2016

COUTINHO, Jordania Medeiros. As trilhas do empoderamento feminino no IFbaiano-Campus Uruçuca. 2015. Disponível em: < https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3559306 > Acesso em: 13 ago. 2017

DUARTE, Kelly Cristine Ferreira Prado. Identidade de gênero feminino no programa Mulheres Mil: verdades, poder e subjetivação. 2016. Disponível em: < https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=4044952 > Acesso em: 08 ago. 2017

FILHO, Ari de Araujo Vilar de Melo. Avaliação da implementação do programa nacional de acesso ao ensino técnico e emprego Pronatec mulheres MIL: um estudo de caso. 2016 Disponível em : <https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3679548> Acesso em: 08 ago. 2017

FRANÇA, Matheus. Gayle Rubin e o “The Traffic in Women”: apontamentos iniciais. Disponível em: <https://ensaiosdegenero.wordpress.com/2012/04/16/o-conlceito-de-genero-por-gayle-rubin-o-sistema-sexogenero/> Acesso em: 09 out .2017

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GODINHO, Tatau (org.); SILVEIRA, Maria Lúcia (org.). Políticas Públicas e igualdade de gênero. Filosofia e gênero: da memória do passado ao projeto de futuro. Alicia H. Puleo Caderno n° 8 da Coordenadoria Especial da Mulher. São Paulo, 2004. Disponível em: <http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/05630.pdf> Acesso em: 12 out. 2017

GOMES, Fábio Guedes. Conflito social e welfare state: Estado e desenvolvimento social no Brasil. RAP Rio de Janeiro 40(2):201-36, Mar./Abr. 2006

HOGAN, Daniel Joseph; MARANDOLA, Eduardo Jr. Para uma conceituação interdisciplinar da vulnerabilidade. Disponível em: <http://www.nepo.unicamp.br/publicacoes/livros/vulnerabilidade/arquuivos/arquuivos/vulnerab_cap_I_pgs_21-50.pdf> Acesso em: 02 ago. 2017

KAZTMAN, R. (Coord.). Activos y estructuras de oportunidades. Estudio sobre las raíces de la vulnerabilidad social en el Uruguay. Montevideo: Oficina del Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo (PNUD) y Oficina de la CEPAL en Montevideo, LC/MVD/R, 1999. (n.180).

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na Sala de Aula. In: PRIORE, Mary Del. (Org.). História das Mulheres no Brasil, 10 ed. São Paulo: Contexto, 2015. (pg. 443 – 481)

MAINARDES, Jeferson; FERREIRA, M. dos Santos; TELLO, César. Análise de políticas: fundamentos e principais debates teóricos-metodológicos. In: Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, p. 143-172, 2011.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas S.A, 2003.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa Mulheres Mil. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/programa-mulheres-mil> Acesso em: 08 nov. 2016

OLIVEIRA, Silvelena Alves de Araújo. Mulheres, conquistando espaços dentro do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) - Campus Iguatu. São Leopoldo, 2014. Disponível em: < https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=1992748 > Acesso em: 15 ago. 2017

ONU MULHERES. Princípios de Empoderamento das Mulheres. [S. l.]: Onu Mulheres [2010]. Disponível em: <http://www.onumulheres.org.br/onu-mulheres/sobre-a-onu-mulheres/> Acesso em: 12 out. 2017

Revisão de Tomaz Tadeu da Silva a partir do original inglês (SCOTT, J. W.. Gender and the Politics of History. New York: Columbia University Press, 1988. PP. 28-50.), de artigo originalmente publicado em: Educação & Realidade, vol. 15, nº 2, jul./dez. 1990. Tradução da versão francesa (Les Cahiers du Grif, nº 37/38. Paris: Editions Tierce, 1988.) por Guacira Lopes Louro.

SANTOS, Maria Aparecida de Paula; FREITAS, Carlos Cesar Garcia. O Programa Mulheres Mil no Brasil, ações para a inclusão social da mulher. Anais do Congresso Internacional de Administração. Paraná, 2014.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995, pp. 71-99.

SILVA, Carla Renata Capilé. Programa Mulheres Mil: Subjetividade, Inclusão e Governabilidade. 2015. Disponível em: < <https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2802564> Acesso: em 10 ago. 2017

SILVA, Silvana Sônia Oliveira da. A construção identitária de mulheres: análise das narrativas do livro Mulheres Mil/do sonho à realidade. 2014. Disponível em: < https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=975449 > Acesso em: 12 ago. 2017

SILVERLI, Márcia Ferreira. “Mulheres Mil” como política pública de inclusão social: uma análise do empoderamento feminino. 2016. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=4986082 Acesso em: 10 ago. 2017

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL. 82 anos da conquista do voto feminino no Brasil. Disponível em: <http://www.tre-es.jus.br/imprensa/noticias-tre-es/2014/Fevereiro/82-anos-da-conquista-do-voto-feminino-no-brasil> Acesso em: 06 nov. 2016

VIGNOLI, J. R. Vulnerabilidad Demográfica en América Latina: qué hay de nuevo? In: Seminario Vulnerabilidad, CEPAL, Santiago de Chile, 2001, In CANÇADO, Taynara Candida Lopes; SOUZA, Rayssa Silva de; CARDOSO, Cauan Braga da Silva, Trabalhando o conceito de Vulnerabilidade Social. Disponível em: <http://www.abep.org.br/~abeporgb/abep.info/files/trabalhos/trabalho_completo/TC-10-45-499-410.pdf > Acesso em: 10 nov. 2017

Downloads

Publicado

28/02/2018

Como Citar

Martins Tavares, P., & Jonko Araujo, J. (2018). O Programa Mulheres Mil como uma Possibilidade de Autonomia para Mulheres em Vulnerabilidade Social. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4. https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.758

Edição

Seção

Dossiê: ESTUDOS DE GÊNERO, FEMINISMO E SEXUALIDADES