Relação entre a desvalorização profissional e o mal-estar docente

Autores

  • Luana Maria Santos da Silva Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Fabrine Diniz Pereira Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Tanise Paula Novello Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Daniel da Silva Silveira Universidade Federal do Rio Grande - FURG

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.752

Palavras-chave:

, Desvalorização Profissional, Discurso, Mal-estar, Professores.

Resumo

Pesquisas evidenciam que uma porcentagem significativa da população sofre de estresse laboral, neste contexto destaca-se os profissionais da área da educação, visto que, um número significativo de professores tem uma rotina corrida e excessiva demanda de trabalho. Somado a isso, o convívio com alunos, pais e colegas que, por vezes, é conflituoso, são estressores que tornam os docentes vulneráveis ao mal-estar. Neste trabalho, o mal-estar é entendido como a presença de obstáculos relacionados ao volume de trabalho e à precariedade das condições para lidar com as adversidades, assim como as altas demandas emocionais, que, por decorrência, refletem-se em condutas de insatisfação com a profissão, falta de comprometimento, absenteísmo, alto nível de estresse e anseio em desistir de lecionar. Desta forma, essa pesquisa tem como objetivo investigar como a desvalorização do professor pode ser um desencadeador do mal-estar nos docentes. Para tanto, realizou-se entrevistas com professores de matemática das cidades de Rio Grande – RS e São José do Norte – RS. O discurso dos professores evidencia que a maioria deles estão desmotivados com a carreira docente, principalmente pela desvalorização da profissão. Ademais, é apontado nessa investigação que os aspectos salariais e carga horária estão entre os principais fatores que podem desencadear o mal-estar docente. 

Referências

BRITTO JÚNIOR, A. F; FERES JÚNIOR, N. A utilização da técnica da entrevista em trabalhos científicos. Evidência, Araxá, v. 7, n. 7, p.237-250. 2011. Disponível em: http://files.met2entrevista.webnode.pt/200000032-64776656e5/200-752-1-PB.pdf. Acesso em: 21 jul. 2017.

ESTEVE, J. M. O Mal-estar docente. Lisboa: Escher, 1992.

FARIAS, M. Cresce número de professores afastados por problemas psicológicos. Globo.com: G1. Alagoas. 20 jan. 2013. Disponível em: http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2013/01/cresce-numero-de-professores-afastados-por-problemas-psicologicos.html. Acesso em: 03 jul. 2017.

FRESCHI, E. M.; FRESCHI, M. Relações interpessoais: a construção do espaço artesanal no ambiente escolar. Revista de Educação do Ideau, v. 8, n. 18, jul-dez. 2013. Semestral. Disponível em: http://www.ideau.com.br/getulio/restrito/upload/revistasartigos/20_1.pdf. Acesso em: 28 abr. 2017.

GONÇALVES, J. P. O mal-estar docente segundo a percepção de coordenadores pedagógicos da rede pública de cascavel. In: VIII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 2008. Anais. 2008. p. 4596 - 4606. Disponível em: http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/830_607.pdf. Acesso em: 13 mar. 2017.

IDOETA, P. A. Como valorizar a carreira de professor no Brasil? BBC Brasil. São Paulo. 15 out. 2013. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2013/10/131015_valorizacao_professores_pai. Acesso em: 03 jul. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (BR). Aumenta o número de professores com mestrado e doutorado. Brasília: Ministério da Educação e Cultura, 1999.

JESUS, S. N. Perspectivas para o bem-estar docente: Uma lição de síntese. Lisboa, Portugal: Centro de Recursos de Informação e Apoio Pedagógico. 2002

JUSTINO, G. Cursos de licenciatura enfrentam queda na procura em todo o Brasil. GaúchaZH. 02 jul. 2015. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/educacao-e-emprego/noticia/2015/07/cursos-de-licenciatura-enfrentam-queda-na-procura-em-todo-o-brasil-4793025.html. Acesso em: 03 jul. 2017.

LIPP, M. N. O estresse do professor.7ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

POMIECINSKI, J. A. S.; POMIECINSKI, C. M. Gestão escolar: uma reflexão sobre a saúde emocional do professor — entre o stress e a síndrome de burnout. In: Colóquio Internacional de Educação, 2014, Joaçaba: Universidade do Oeste de Santa Catarina, Disponível em: https://editora.unoesc.edu.br/index.php/coloquiointernacional/article/download/5188/3160. Acesso em: 30 nov. 2017.

TAKAHASHI, F. Carreira de professor atrai menos preparados. Folha de S. Paulo. São Paulo.09 jun. 2008. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff0906200801.htm. Acesso em: 03 jul. 2017.

TOKARNIA, M. Problemas de saúde ainda afastam professores de sala de aula. 2015. Disponível em: http://www.ebc.com.br/educacao/2015/10/saude-do-professor-esta-ligada-boas-condicoes-de-trabalho-diz-cnte. Acesso em: 03 jul. 2017.

VIEIRA, J. S. et al. Constituição das doenças da docência. Cadernos da Educação, Pelotas, p.303-324, set./dez. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/viewFile/1589/1475. Acesso em: 30 nov. 2017.

Downloads

Publicado

28/02/2018

Como Citar

Silva, L. M. S. da, Pereira, F. D., Novello, T. P., & Silveira, D. da S. (2018). Relação entre a desvalorização profissional e o mal-estar docente. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4. https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.752

Edição

Seção

Dossiê: FORMAÇÃO ACADÊMICA, EDUCAÇÃO, POLÍTICA E SOCIEDADE

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)