O século XX para o Feminismo no Brasil

Autores

  • Tascieli Feltrin UFSM http://orcid.org/0000-0002-4018-6749
  • Natália Lampert Batista UFSM
  • Guilherme Carlos Correa UFSM
  • Elsbeth Léia Spode Becker UNIFRA

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.734

Palavras-chave:

Segunda Guerra Mundial, Estado Novo, Movimentos Anarcofeminista e Sufragista

Resumo

O século XX possui marcas importantes para se pensar as transformações que diversos extratos sociais sofreram, no Brasil, em especial as mulheres. Tais como os processos de urbanização, imigração e industrialização do país, e sua consequente absorção do trabalho feminino, como também a necessidade de incorporação das mulheres nos quadros militares de apoio durante a Segunda Guerra Mundial, a feminização do magistério e o enfrentamento à estados repressores como os instalados no Estado Novo e na Ditadura Militar. No presente trabalho, pretende-se percorrer brevemente a composição de forças que interferiram ou atravessaram a questão feminina, no Brasil, e com uma atenção maior, os movimentos em prol da autonomia e igualdade de tratamento entre mulheres e homens nas primeiras décadas do século XX, representados pelos movimentos Anarcofeministas e Sufragistas. Com destaque estes acontecimentos são trazidos para pensar a condição das mulheres em sua pluralidade de situações étnico-sociais e sua repercussão dentro da sociedade brasileira, para isso, buscamos em jornais e periódicos da época, além de obras referências para a temática, conhecer quais eram as pautas femininas e em que condições se desenvolviam.

 

Biografia do Autor

Tascieli Feltrin, UFSM

Graduada em Letras Português/ Espanhol e respectivas literaturas. Especialista em Gestão Escolar, e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria. Atua como professora da rede Municipal, ministrando a disciplina de língua portuguesa.

Natália Lampert Batista, UFSM

Graduada em Geografia (Licenciatura) pelo Centro Universitário Franciscano (2013). Mestra em Geografia pelo Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGGeo), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM - 2015). Atualmente é Doutoranda em Geografia pelo PPGGeo/UFSM e Professora de Geografia (Anos Finais do Ensino Fundamental) na Escola Municipal de Ensino Fundamental J/AO CAIC Luizinho de Grandi.

Guilherme Carlos Correa, UFSM

Possui graduação em Química, Licenciatura (1992) e Mestrado em Educação (1998) pela Universidade Federal de Santa Catarina ? UFSC; Doutorado em Ciências Sociais-Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2004); Pós Doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2014). Professor associado da Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Departamento de Metodologia do Ensino. Atua como professor e orientador no Programa de Pós-Graduação em Educação, Linha de Pesquisa Formação, Saberes e Desenvolvimento Profissional. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação e Ciência, na interface educação-política a partir de temas contemporâneos, entre os quais se destacam drogas, sexualidade e arte como concorrentes indissociáveis e suas implicações na formação de educadores, em ações de ensino, pesquisa e extensão.

Elsbeth Léia Spode Becker, UNIFRA

 Doutorado em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM/(2008). Mestrado em Engenharia Agrícola Área das Ciências Rurais pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM/(1999). Graduação em Geografia - Bacharelado pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM/(1996). Graduação em Geografia - Licenciatura Plena pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM/(1994). Atualmente é professora adjunta no Centro de Ciências Humanas do Centro Universitário Franciscano e professora da rede pública estadual atuando no Ensino Médio do Instituto São José de Santa Maria. Publicou o livro "História do pensamento geográfico" destinado aos alunos da graduação em Geografia. Membro da comissão editorial da Revista Disciplinarium Scientia, Série Humanas (UNIFRA). Membro da comissão avaliadora da Revista Ensino & Pesquisa (UFSM) e da Revista Ciência & Natura (UFSM). Orienta trabalhos de pesquisa e de extensão, com ênfase nos seguintes temas: geografia, turismo, ensino, antropologia, história natural e educação ambiental. No Curso de Mestrado em Ensino de Humanidades e Linguagens (UNIFRA) integra a Linha de Pesquisa Ensino e práticas docentes.

Referências

A VIDA nº 2. O desperdício da enerjia feminina. [sic]. 1914. Rio de Janeiro, 28 de Fev., p.7.

A VIDA nº 3. O desperdício da enerjia feminina. [sic] 1915. Rio de Janeiro, 31 de Mar., p. 5.

A VIDA nº 4. Periódico Anarquista. 1915. Rio de Janeiro, 31 de Mar., p54

BRASIL. Decreto Imperial, de 15 de outubro de 1827. Manda criar escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos do Império.

___________. Decreto nº 7.247, de 19 de abril de 1879. Reforma o ensino primário e secundário no município da Corte e o superior em todo o Império.

___________. Decreto-lei n° 3200, de 19 de abril 1941. Dispõe sobre a organização e proteção da família.

___________. Decreto Lei n° 3199, de 14 de abril de 1941. Estabelece as bases de organização dos desportos em todo o pais.

CARVALHO, Marília Pinto de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã, 1999.

CORTÊS, Giovana Xavier da Conceição. As Inimigas da pátria: Medicina Social e corporeidade negra nas últimas décadas do século XIX. ‘Usos do Passado’ — XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ. 2006.

DAVIES, Norman. A Europa em Guerra. Edições 70: Lisboa, 2006.

DIAS, Mabel. Mulheres Anarquistas: o resgate de uma história pouco contada. João Pessoa: Imprensa Marginal, 2003.

FARIA FILHO, Luciano; VIDAL, Diana Gonçalves. Os tempos e os espaços escolares no processo de institucionalização da escola primária no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Número Especial, p. 19-34, 2000.

OBLADEN, Roberta. Mulheres e política. Disponível em: http://www.educacional.com.br/reportagens/eleicoes_mulheres-politica/parte-03.asp. Acesso Em: 23 de jan. 2017.

KARAWEJCZYK, Mônica. Bertha Lutz e Maria Lacerda de Moura - Uma Parceria Inusitada. In revista Gênero: Niterói, 2014. v.14, n.2, p. 105-124 1.sem.

ROSA, Susel Oliveira da. Mulheres, ditaduras e memórias: “não Imagine que precise ser triste para ser militante". São Paulo: Intermeios, 2013.

SENKEVICS, Adriano. Mulheres e feminismo no Brasil: um panorama da ditadura à atualidade. Disponível em: https://ensaiosdegenero.wordpress.com/2013/07/11/mulheres-e-feminismo-no-brasil-um-resumo-da-ditadura-a-atualidade/. Acesso em: 8 de out. de 2017

SCHWARTZMAN, Simon. BOMENY, Helena Maria Bousquet; COSTA, Vanda Maria Ribeiro. Tempos de Capanema. São Paulo: Paz e Terra: Fundação Getúlio Vargas, 2000. CAPANEMA, In, SCHWARTZMAN, 2000, p. 13-14

SIMILI, Ivana Guilherme. Educação e produção de moda na Segunda Guerra Mundial: as voluntárias da Legião Brasileira de Assistência. Cadernos pagu (31), julho-dezembro de 2008:439-469.

STUDART, Heloneida. Mulher: objeto de cama e mesa. Petrópolis: Vozes, 1974.

TORRE DAS DONZELAS. O Papel da Mulher na Ditadura Militar. Disponível em: http://www.torredasdonzelas.com.br/o-papel-da-mulher-na-ditadura-militar/. Acesso em: 15 de Nov. de 2016.

VARELA, Júlia. Nacimiento de la Mujer Burguesa: el cambiante desequilíbrio de poder entre los sexos. Madri: La piqueta, 1997.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia Cristina (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília, DF: Abaré, 2013. Downloaded from: Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI, Universidade de São Paulo

Downloads

Publicado

28/02/2018

Como Citar

Feltrin, T., Batista, N. L., Correa, G. C., & Becker, E. L. S. (2018). O século XX para o Feminismo no Brasil. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4. https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.734

Edição

Seção

Dossiê: ESTUDOS DE GÊNERO, FEMINISMO E SEXUALIDADES