MOCINHA, UM ÍCONE DE RESISTÊNCIA NO CARNAVAL JAGUARENSE: UMA LEITURA DO CONTEXTO DA SOCIEDADE RECRATIVA BENEFICIENTE ESTRELA D’ALVA.

Autores

  • rodrigo lages lakman universidade federal do pampa

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.702

Palavras-chave:

Carnaval, Estrela d’Alva, Jaguarão, Maria Cezarina Cardozo, Resistência

Resumo

Este trabalho tem como tema a Mocinha e sua representação  como símbolo de significado da memória da festa popular o Carnaval de Jaguarão e apresenta como como objetivo registrar fragmentos da trajetória e história de María Cezarina Cardozo, a dona “Mocinha”, e sua ação junto da escola carnavalesca Estrela D’alva onde, depois de seu ingresso, foi a principal figura. Os dados aqui utilizados estão pautados, sobretudo, em informações orais como fonte de material. Capta, prioritariamente, a imaterialidade cultural dessa relação e como se desenvolveu junto à postura de resistência da Mocinha, influenciando, assim, a manter o carnaval de rua de Jaguarão e como se deu algumas dessas interações no cotidiano social, contribuindo para a transformação e manutenção do evento. A história de Maria Cezarina Cardozo, a Mocinha, e da Escola Estrela D’alva, que se fundem uma com a outra, e se mantém vivas, aborda a reflexão acerca da postura de resistência em manter uma manifestação cultural adaptando-se às mudanças no carnaval de rua, caracterizando, assim, a protagonização de um papel de ícone no cenário do carnaval de Jaguarão e suas manifestações culturais.

Biografia do Autor

rodrigo lages lakman, universidade federal do pampa

Rodrigo Lages Lakman Tecnólogo em Gestão de Turismo, Universidade Federal do Pampa, Jaguarão, Rio Grande do Sul, Brasil.

Referências

ABREU, M. Cultura Popular: um conceito e várias histórias. In: ABREU, M; SOIHET, R. (org.). Ensino de história: conceitos, temáticas e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 83.-102.

ARANTES, Antônio A. O patrimônio imaterial e a sustentabilidade de sua salvaguarda. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, v. 12, n. 13, p. 11-18, 2004.

BONI, Valdete; QUARESMA, Jurema. Aprendendo a entrevistar: Como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese. Vol. 2 nº 1, janeiro-julho/2005, p. 68-80.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Prefácio. In: SANTOS, Nilton Silva dos. A arte do efêmero: carnavalescos e mediação cultural na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009. p. 9-12.

________, Maria Laura Viveiros de Castro; GONÇALVES, Renata de Sá. Apresentação. In: CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro; GONÇALVES, Renata de Sá (orgs.). Carnaval em Múltiplos Planos. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009. p. 9-14.

SILVA, Rafael rosa da. Nem confetes nem serpentinas: A resistencia do bloco Brasa Viva no carnaval de rua de Bagé/RS. Jaguarão: UNIPAMPA, 2015. (trabalho de conclusão de curso de bacharelado em produção e politica cultural).

DAMATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Heróis: Para uma Sociologia do dilema Brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DIAS, Juliana Braz. O Carnaval do Mindelo, Cabo Verde: reflexões sobre a festa e a cidade. PragMATIZES - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, n. 11, p. 95-108, 2016.

ECKERT, Cornelia; DA ROCHA, Ana Luiza Carvalho. Etnografia: saberes e práticas. ILUMINURAS, v. 9, n. 21, 2008.

ELHAJI, Mohammed. Memória coletiva e espacial étnica. Galáxia, v. 2, n. 4, 2002.

FERREIRA, Felipe. Um carnaval à francesa: a construção da folia na cidade de Nice. In: CAVALCANTI, Maria Laura; GONÇALVES, Renata (Org.). Carnaval em múltiplos planos. Rio de Janeiro: Aeroplano, FAPERJ, 2009.

MONTERO, Luis García. Luna en el sur. Sevilla: Editorial Renacimiento, 1972.

FERREIRA, Maria Nazareth. Comunicação, resistência e cidadania: as festas populares. In: ________. As Festas Populares na Expansão do Turismo: A Experiência Italiana. 2a Edição. São Paulo: Arte&Ciência, 2005.

NATAL, Vinícius Ferreira. Sambantropologia. PragMATIZES - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, n. 11, p. 150-166, 2016.

NÓBREGA, Zulmira. A festa do maior são João do mundo: dimensões culturais da festa junina na cidade de Campina Grande. Tese (doutorado). Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Comunicação. Salvador. Repositório institucional UFBA,2013.

PIRES, Ewerthon Veloso. Impactos Sócio-Culturais do Turismo sobre as Comunidades Receptoras: Uma Análise Conceitual. Caderno Virtual de Turismo Vol. 4, N° 3, p. 17, 2004.

RODRIGUES, Juliana Hoffman. Carnasacra - Símbolo de resistência negra e objeto de manifestação popular. Revista Extraprensa, v. 1, n. 2, p. 1-13, 2010.

SAPIA, Jorge Edgardo. Carnaval de rua no Rio de Janeiro: afetos e participação política. PragMATIZES - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, n. 11, p. 79-94, 2016.

SILVA, Renan de Lima da. BAPTISTA, Maria Luiza Cardinale. Em ondas com o turismo: o olhar na comunidade sobre o turismo do Farol de Santa Marta. 2014.

Downloads

Publicado

28/02/2018

Como Citar

lakman, rodrigo lages. (2018). MOCINHA, UM ÍCONE DE RESISTÊNCIA NO CARNAVAL JAGUARENSE: UMA LEITURA DO CONTEXTO DA SOCIEDADE RECRATIVA BENEFICIENTE ESTRELA D’ALVA. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4. https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.702

Edição

Seção

Dossiê: HISTÓRIA, MEMÓRIA E IDENTIDADES