A Contribuição do Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul) para a Diplomacia Cultural Brasileira

Autores

  • Fernanda Sayuri Terano Centro Universitário do Norte - UNINORTE.
  • Fabiana Lucena Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i1.695

Palavras-chave:

Micsul, Diplomacia Cultural Brasileira, Divulgação Cultural,

Resumo

O objetivo deste trabalho é apresentar a contribuição do Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul) para a Diplomacia Cultural Brasileira, ressaltando a importância do mercado no segmento cultural. O método escolhido para o presente trabalho foi de estudo bibliográfico, onde obtivemos informações do Micsul e da Diplomacia Cultural Brasileira, conectando-as em  relação à divulgação cultural no exterior, por meio da economia da cultura. Os resultados obtidos foram a) a cooperação cultural do Brasil com os países da América do Sul na criação do mercado; b) a divulgação da cultura brasileira no mercado através de artistas e empreendedores e c) acordos entre empreendedores brasileiros e empresários nas rodadas de negócios no exterior. Considera-se então, que o Micsul contribui para a Diplomacia Cultural Brasileira, tendo em vista que um dos objetivos da diplomacia cultural é a abertura de mercados no segmento da Indústria Cultural. 

Biografia do Autor

Fernanda Sayuri Terano, Centro Universitário do Norte - UNINORTE.

Bacharelado em  Relações Internacionais pelo Centro Universitário do Norte - UNINORTE - Laureate International Universities.

Fabiana Lucena Oliveira

Professora do Curso de Relações Internacionais no Centro Universitário do Norte- UNINORTE; Professora Adjunta da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), desde 2008.Possui graduação em Ciências Econômicas pela Faculdade de Estudos Sociais da Universidade Federal do Amazonas (1997) e doutorado em Engenharia de Transportes pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação em Engenharia / UFRJ (2009).

Referências

ANSCHAU, Ana Laura. Uma Análise sobre o Poder da Diplomacia Cultural na Política Externa Brasileira (2003-2010),2015. Disponível em: http://www.nucleoprisma.org/wp-content/uploads/2016/03/ANSCHAU_2015.pdf. Acesso em: 06 agosto 2017 (Monografia).

ARGENTINA. Argentina creativaen MICSUR. Ministerio de Cultura Presidencia de la Nación. Disponível em: https://micsur.cultura.gob.ar/mas-info. Acesso em: 10 agosto 2017.

BIJOS E ARRUDA, Leila e Verônica. A diplomacia cultural como instrumento de política externa brasileira. – Revista Dialogos: a cultura como dispositivo de inclusão, Brasília, v.13, n.1, ago, 2010 (Artigo em Periódico Físico).

BRASIL. MICSUL. Ministério da Cultura. Disponível em: www.cultura.gov.br/. Acesso em: 02 agosto 2017.

BRASIL. MICSUL. Mercado de Indústrias Culturais do Sul. Disponível em: http://micsul.org/pt/o-que-e-o-micsul/. Acesso em: 17 Novembro 2017.

BRASIL. Diplomacia Cultural. Ministério das Relações Exteriores. Disponível em: www.itamaraty.gov.br/pt-BR/diplomacia-cultural. Acesso em: 02 junho 2017.

BRASIL. MICSUL. Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – Apex-Brasil.Disponível em:http://www.apexbrasil.com.br/Noticia/BRASIL-MARCA-PRESENCA-NO-MICSUL-COM-61-EMPREENDEDORES. Acesso em: 15 agosto 2017.

CARTA DAS NAÇÕES UNIDAS. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2017/11/A-Carta-das-Na%C3%A7%C3%B5es-Unidas.pdf. Acesso em: 22 de outubro 2018.

COLÔMBIA. MICSUR. Mercado de Industrias Culturales del Sur. 2016. Disponível em: http://micsur.org/2016/. Acesso em: 10 agosto 2017.

DAVID, Raquel Gomes. A Diplomacia Cultural Brasileira nos Governos Lula (2003-2010): Soft Power, Música, Literatura e Artes Visuais,2015. Disponível em: https://repositorio.ucb.br/jspui/handle/10869/5856. Acesso em: 10 agosto 2017 ( Monografia em Periódico Digital).

DUMONT, JULLIETTE E FLÉCHET, ANAIS. “Pelo que é Nosso!”: a diplomacia cultural brasileira no século XX, Brazillian Cultural Diplomacy in thetwentiethCentury.RevistaBrasileira de São Paulo, v. 34, n°67, p.203-221 – 2014 Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbh/v34n67/a10v34n67.pdf. Acesso em: 14 agosto 2017 (Artigo em Periódico Digital).

LÓPEZ OJEDA, Andrés. La Cultura em movimiento: el Mercado de Industrias CulturalesdelSur (MICSUR), 2014. Disponível em: http://ri.uaemex.mx/handle/20.500.11799/32620. Acesso em: 14 agosto 2017 (Resenha).

MACIEL, Tadeu Morato. Cooperação Sul-Sul e desenvolvimento socioeconômico: o caso Caixa Econômica Federal. Disponível em: http://www.centrocelsofurtado.org.br/arquivos/image/201109261253370.LivroCAIXA_T_0_055.pdf Acesso em: 21 de outubro de 2018. (Livro P.55 a 70).

MACHADO, Gabriel Luiz. A Difusão Cultural Brasileira como Instrumento de Política Externa: Estratégias Contemporâneas, 2012. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/71683. Acesso em 16 agosto 2017 (Monografia em Periódico Digital).

MADEIRA FILHO, Acir Pimenta. Instituto de cultura como instrumento de diplomacia/ Acir Pimenta Madeira Filho. – Brasília: FUNAG, 2016 (Obra Completa).

MANCCINI, Giulia. Cooperação Internacional para o Desenvolvimento: Mecanismos, História e Eficácia. Portal de e-governo, inclusão digital e sociedade do conhecimento, 2013. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/conteudo/coopera%C3%A7%C3%A3o-internacional-para-o-desenvolvimento-mecanismos-hist%C3%B3ria-e-efic%C3%A1cia. Acesso: 11 outubro 2017 (Artigo em Periódico Digital).

MILANI, C. R. Evolução Histórica da Cooperação Norte-sul. In IPEA. Repensando a Cooperação para o Desenvolvimento. Brasília: Ipea, 2014. P. 33-36. (Capítulo de Livro).

MORIN, Edgar. DaCulturaanálise à política cultural. – Margem, São Paulo, n°16, P.183-221, Dez, 2002. Disponível em: http://www.pucsp.br/margem/pdf/m16em.pdf. Acesso em: 15 outubro 2017 (Dissertação ou Tese).

NYE, Robert. Soft Power: The means to success in world Politics, 2004 (Obra Completa).

OURIVES, Maíra. Soft Power e Indústria Cultural: a política externa norte-americana presente no cotidiano dos indivíduos. Ed. N°4 Vol. II Revista Acadêmica de Relações Internacionais – RARI. Disponível em: http://rari.ufsc.br/files/2013/10/RARI-N%C2%B04-Vol.-II-Artigo-7.pdf. Acesso em: 16 outubro 2017 (Artigo em Periódico Digital)

Política externa brasileira, a política das práticas e as práticas da política / organizadores: Leticia Pinheiro e Carlos R.S. Milani. – Editora FGV, Rio de Janeiro, 2011 (Obra Completa).

RIBEIRO, Edgar Telles. Diplomacia Cultural: seu papel na política externa brasileira/ Edgar Telles Ribeiro. – Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 2011 (Obra Completa).

RODRIGUES, Lucas da Rocha. Soft Power e Economia Criativa: a indústria cinematográfica como instrumento de poder brando, 2015. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/14058. Acesso em: 15 de outubro 2017 (Monografia em Periódico Digital).

SARFATI, Gilberto. Teoria das Relações Internacionais / Gilberto Sarfati.– São Paulo: Saraiva, 2005 (Obra Completa).

Searching for a cultural diplomacy/ edited by Jessica C.E Gienow- Hechtand Mark C. Donfried.2010. p. 16-27 (Capítulo de Livro).

SOARES, Maria Susana Arrosa. A diplomacia cultural no Mercosul, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73292008000100003. Acesso em: 15 outubro 2017 (Artigo em Periódico Digital).

UNESCO. Convenção sobre a proteção e promoção da Diversidade das Expressões Culturais, 2006 (Obra Completa).

UNESCO. A Cooperação Cultural na Perspectiva da Unesco. Trajetória e Expectativas, 2015 (Obra Completa).

Downloads

Publicado

31/10/2018

Como Citar

Terano, F. S., & Oliveira, F. L. (2018). A Contribuição do Mercado de Indústrias Culturais do Sul (Micsul) para a Diplomacia Cultural Brasileira. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v4i1.695

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo