BREVE ANÁLISE SOBRE A NATUREZA E POLÍTICA: OUTRO MUNDO POSSÍVEL?

Autores

  • Natália Carolina de Oliveira Vaz Universidade Federal do Paraná-UFPR/Doutoranda em Geografia http://orcid.org/0000-0002-3422-688X
  • Raquel Riffel Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB/ Mestranda em Desenvolvimento Regional

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.682

Palavras-chave:

Ambiente, Sociedade, Política, Injustiça, Justiça.

Resumo

A relação do homem com a natureza é multifacetada, isto é, assim como o homem é dependente do que extrai do meio ambiente, ele também interfere – de forma positiva ou negativa – e altera as condições ambientais ao seu em torno. A partir destas modificações realizadas na natureza pela ação do ser humano, se desenvolvem relações de interdependência social. O homem é um ser social que precisa destas múltiplas relações, mas a relação homem x natureza x política, pode ser considerada a mais importante delas. Este trinômio demonstra a dependência humana dos recursos que a natureza oferece, para que, com a força de trabalho do ser humano, a primeira natureza seja transformada em segunda. Ao terceiro elemento – a política – concede-se a motricidade pela influência que exerce, isto é, a política desenvolve as diretrizes que promoverão equilíbrio, sustentabilidade e justiça ambiental, ou na ausência destes todos, admitirem-se numa questão da ausência, que haja uma relação consentida pela sociedade. Neste contexto, o presente trabalho apresenta sua argumentação sob os conceitos de justiça e injustiça ambiental. Os resultados obtidos a partir do desenvolvimento deste trabalho apontam para determinados grupos sociais propensos a sofrer com a injustiça ambiental, os quais são, primordialmente, desfavorecidos economicamente. Neste sentido emerge a concepção do “Bem Viver”, que surge como uma forma de equilíbrio entre política e meio ambiente, proporcionando meios de reparação para a população exposta a este tipo de injustiça.   

Biografia do Autor

Natália Carolina de Oliveira Vaz, Universidade Federal do Paraná-UFPR/Doutoranda em Geografia

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Paraná – UFPR - (PR/BRASIL). Participante do Núcleo Paranaense de Pesquisa em Religião (NUPPER). É membro associado da Academia Nacional de Estudos Transnacionais - ANET e da Associação Brasileira de História das Religiões - ABHR.  E-mail de contato: natihvaz@gmail.com

Raquel Riffel, Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB/ Mestranda em Desenvolvimento Regional

Mestranda em Desenvolvimento Regional no Programa de pós Graduação em Desenvolvimento Regional da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB - (SC/BRASIL). Integrante do Grupo de Pesquisas Ethos, Alteridade e Desenvolvimento - GPEAD/FURB. E-mail: raquel_riffel@hotmail.com

Referências

ACOSTA, Alberto. O Bem Viver – Uma oportunidade para imaginar outros mundos. Tradução Tadeu Breta. São Paulo: Elefante Branco 2016.

BOFF, L. Ecologia, mundialização e espiritualização. Editora Ática. 1993.

DIAMOND, Jared. Colapso – Como as sociedades escolhem os fracassos ou o sucesso. Tradução Alexandre Raposo. Revisão Técnica Waldeck Dié Maia. 5 ed. Rio de Janeiro: Record, 2007.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HERCULANO, S. Resenhando o debate sobre justiça ambiental: produção teórica, breve acervo de casos e a criação da rede brasileira de justiça ambiental. In: Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, nº. 5, p. 143-149, jan/jun. 2002. Editora UFPR.

SANTOS, M. A questão do meio ambiente: desafios para a construção de uma perspectiva transdisciplinar. Anales de Geografía de La Universidad Complutense, n. 15, Servicio de Publicaciones. Universidad Complutense. Madrid, 1995.

Downloads

Publicado

28/02/2018

Como Citar

Vaz, N. C. de O., & Riffel, R. (2018). BREVE ANÁLISE SOBRE A NATUREZA E POLÍTICA: OUTRO MUNDO POSSÍVEL?. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4. https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.682

Edição

Seção

Dossiê: CIÊNCIAS, HUMANAS, AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL POPULAR