A ressignificação do sujeito latino americano a partir da perspectiva pós-colonial aplicada às Relações Internacionais

Autores

  • Aruanã Emiliano Martins Pinheiro Rosa Universidade Federal da Integração Latino-Americana

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.665

Palavras-chave:

Relações Internacionais, América Latina, Pós-colonialismo

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar e verificar como a partir do surgimento das teorias pós-coloniais uma nova percepção da história política, econômica e social da América Latina tornou-se possível. A intensificação do processo de globalização e o surgimento de novos atores inseridos dentro de um sistema internacional assimétrico impulsionaram novas teorizações dos estudos internacionais, na medida em que até então prevalecia tradicionais análises que desconsideravam elementos específicos da formação da sociedade latino-americana e negava as consequências sobre sujeitos colonizados. A partir das contribuições pós-coloniais, procura-se evidenciar a história do sujeito latino-americano por meio de uma nova ótica de análise teórica, reescrevendo a história das relações internacionais sob diferentes variáveis pautadas pela importância histórico-política dessa temática. Para responder aos objetivos do trabalho, se realiza pesquisa documental bibliográfica pertinente ao tema e outros documentos que pudessem ajudar a compreender a problemática levantada. 

Biografia do Autor

Aruanã Emiliano Martins Pinheiro Rosa, Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Mestrandx em Integração Contemporânea da América Latina na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA). Membrx do grupo de pesquisa Centro de Estudos Sócio-Políticos e Internacionais da América do Sul (CESPI- América do Sul). Bolsista DS/UNILA. E-mail: aruana1333@gmail.com.

Referências

ÁLVAREZ, Roberto Regalado. América Latina entre siglos, Dominación, Crisis, Lucha Social y Alternativas Políticas de la Izquierda. Melbourne: Ed. Ocean Press, 2006.259p.

AYERBE, Luis Fernando. Estados Unidos e América Latina: a construção da hegemonia. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

_______, Luis Fernando. Crise de hegemonia e emergência de novos atores na Bolívia: o governo de Evo Morales. Lua Nova: Revista de Cultura e Política. CEDEC, n. 83, p. 179-216, 2011. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/125433>.

BALLESTRIN, Luciana. (2013) América Latina e o Giro Decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política. no.11 Brasília May/Aug. 2013.

BANCO MUNDIAL. Taxa de incidência de pobreza na Bolívia. Washington, D.C. Disponível em: http://www.bancomundial.org/es/topic/poverty/lac-equity-lab1/poverty . Acesso em: 20 agosto de 2017.

BEAUD, Michel. História do capitalismo: de 1500 aos nossos dias. Editora: Brasiliense, 1997.

BOLÍVIA, Constituição (2009). Fevereiro de 2009.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago (2005). “Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da ‘invenção do outro’”, em LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso.

CLAVERO, Bartolomé. Tribunal Constitucional en Estado Plurinacional: El Reto Constituyente de Bolivia. Revista Española de Derecho Constitucional ISSN: 0211-5743, núm. 94, enero-abril (2012), págs. 00-00.

CAMARGO, Alfredo Jose Cavalcanti Jordão de. Bolívia - A Criação de um Novo País a Ascensão do Poder Político Autóctone das Civilizações pré-Colombianas a Evo Morales / Alfredo Jose Cavalcanti Jordão de Camargo. — Brasília : Ministério das Relações Exteriores, 2006. 352p.

CAVALLARI, Bruna. O diálogo entre Pós-Colonialismo e Relações Internacionais. Disponível em: http://aucip.org.uy/docs/v_congreso/ArticulospresentadosenVcongresoAucip/AT8-EstudiosPoscolonialesyTeoriaCritica/BrunaCavallari_ODialogo.pdf.

CONNELL, Raewyn. A iminente revolução na teoria social. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo , v. 27, n. 80, p. 09-20, Oct. 2012 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092012000300001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 set. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092012000300001.

COX, Robert. “Social Forces, States and World Orders: Beyond International Relations Theory”. Millennium, vol. 10, no. 2, 1981, pp. 126-155.

CLAVERO, Bartolomé. Derecho indígena y cultura constitucional en América. 1994. México: Siglo XXI.

CUNHA, André Moreira. Reflexões sobre a crise boliviana. Indic. Econ. FEE, Porto Alegre, v. 32, n. 3, p. 5-30, nov. 2004.

CUNHA FILHO, Clayton M; VIANA, João Paulo S. L. A Bolívia e os desafios da integração regional: crise de hegemonia, estabilidade, e refundação institucional. In: Integração Sul-americana: desafios e perspectivas. Editora Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2011.

DECLARAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DOS POVOS INDÍGENAS. Assembléia Geral da ONU, 107ª Sessão Plenária (13 de set.de 2007). Disponível em: <http://www.un.org/esa/socdev/unpfii/documents/DRIPS_pt.pdf>. Acesso em: 22 set. 2017.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo. En libro: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005. pp.55-70. In: <http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/lander/pt/Dussel.rtf> Acesso em 22 de setembro de 2017.

FONSECA, Melody; JERREMS, Ari. Pensamiento decolonial: ¿una “nueva” apuesta en las Relaciones Internacionales?. Relaciones Internacionales, núm. 19, febrero de 2012 GERI – UAM.

GARCÍA LINERA, Álvaro. Sociologia de los movimientos sociais na Bolívia. Estruturas de movilización, repertórios culturales y acción política. La Paz: Diakonía-Oxfam, 2004.

______, Álvaro, 1962- A potência plebeia: ação coletiva e identidades indígenas, operárias e populares na Bolívia; organização e prefácio Pablo Stefanoni; tradução Mouzar Benedito e Igor Ojeda. – São Paulo: Boitempo, 2010.

GROSFOGUEL, Ramon (2007). Descolonizando los universalismos occidentales: el pluri-versalismo transmoderno decolonial desde Aime Cesaire hasta los zapatistas, em CASTRO-GOMEZ, Santiago & GROSFOGUEL, Ramon (coords.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporaneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

HOBSBAWN, Eric. As origens da Revolução Industrial, São Paulo: Global, 1979.

LANDER, Edgardo .Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. En libro: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005. pp.55-70. In: <http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/lander/pt/Dussel.rtf> Acesso em 22 de setembro de 2017.

MARX, Karl. O Capital (Crítica da Economia Política). Livro 1: O Processo de Produção do Capital. 3ª edição. Ed. Civilização Brasiliense, 1975.

MARINI, Ruy Mauro. Subdesenvolvimento e revolução. 5. Ed. Florianópolis: Insular, 2014.

MERLE, Marcel (1981). Sociologia das Relações Internacionais. Brasília: UnB.

MINGNOLO, Walter. (2008). “La opción decolonial: desprendimiento y apertura. Um manifiesto y un caso”. Tabula Rasa, n.8, p. 243-282.

_______, Walter D. Histórias Locales/Diseños Globales . Madrid: Akal. 2003.

MOURA E CASTRO, Luiz Fernando Damaceno. Nova Constituição Boliviana. Disponível em

:http://www.pucminas.br/imagedb/conjuntura/CNO_ARQ_NOTIC20071205112142.pdf . Acesso em: 22 setembro de 2017.

QUIJANO, Anibal. Estado-Nación, Ciudadanía y Democracia em Cuestión. In:Gonzáles, Helena; Schmidt, Heidulf (org.). Democracia Para Uma Nueva Sociedad .

_______ (2000). “Colonialidad del poder y clasificacion social”. Journal of world-systems research, v. 11, n. 2, p. 342-386.

________ (2005). Colonialidad y modernidad-racionalidad. Disponivel em:

<http://pt.scribd.com/doc/36091067/Anibal-Quijano-Colonialidade-e-

Modernidade-Racionalidade>.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty, 1942- Pode o subalterno falar? .Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. – Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. 133 p. (Babel).

VIANA, João Paulo S. L; MIGUEL, Vinícius V. Raduan. Bolívia: ascensão indígena ao poder e o Movimento ao Socialismo (MAS). Cadernos de Estudos Sociais e Políticos, Vol. 1, No 1 (2012). Disponível em: http://cadernos.iesp.uerj.br/index.php/CESP/article/viewArticle/52. Acesso em: 20 set. 2017.

VIDAL, Francisco Baqueiro. Um marco do fundamentalismo neoliberal: hayek e o caminho da servidão. Observatório Social do Nordeste (OBSERVANORDESTE). Disponível em: http://www.fundaj.gov.br/geral/observanordeste/fvidal.pdf . Acesso em: 24 setembro 2017.

VALLE, Caio Graco. Os sistemas-mundo e a Globalização. Disponível em: <http://editora.unoesc.edu.br/index.php/race/article/view/379>. Acesso em: 24 setembro 2017 [s.i] 2008.

WALLERSTEIN, Immanuel Maurice. Capitalismo histórico e Civilização capitalista; tradução Renato Aguiar; revisão de tradução César Benjamin e Immanuel Wallerstein. - Rio de Janeiro: Contraponto, 2001. 144 p.

______, Immanuel Maurice. O fim do mundo como concebemos: ciência social para o século XXI. Tradução Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Revan, 2002, 315 p.

______, Immanuel Maurice. O declínio do poder americano. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.

Downloads

Publicado

05/03/2018

Como Citar

Emiliano Martins Pinheiro Rosa, A. (2018). A ressignificação do sujeito latino americano a partir da perspectiva pós-colonial aplicada às Relações Internacionais. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.665

Edição

Seção

Dossiê - Cespi-América do Sul: Giros democráticos e dilema integracionista: reflexões sobre os projetos políticos em dis