“Segredos mais que secretos das princesas”: reflexões sobre práticas de letramento literário a partir de uma abordagem intercultural

Autores

  • Santiago Bretanha Freitas Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), câmpus Jaguarão.
  • Agnaldo Mesquita de Lima Junior Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), câmpus Jaguarão.
  • Ida Maria Morales Marins

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v1i02.64

Palavras-chave:

formação de leitores, formação de escritores, letramento literário, didática intercultural, letramento intercultural.

Resumo

Vinculado ao projeto de extensão Experiências de leitura/escrita: formação de leitores/escritores, pertencente ao curso de Letras da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), câmpus Jaguarão, o presente trabalho objetiva relatar/refletir sobre práticas de letramento literário a partir de uma abordagem intercultural na rede básica de ensino. Tais práticas constituem o segundo módulo do projeto educacional (Di)versificando: diferença na escola, aplicado em uma instituição municipal de ensino de Jaguarão, no contexto do Programa Mais Educação (PME); oportunidade na qual os autores deste artigo concluíram seu estágio supervisionado de docência em Língua Portuguesa e Literatura. Com base nos pressupostos teórico-metodológicos de Cosson (2006), Di Nizo (2008) e Ruiz (2001), no que concerne, respectivamente, aos conceitos/metodologias da Sequência Expandida, das Técnicas de Criatividade e de revisão textual-interativa, organizou-se o projeto didático em torno de dois temas transversais: diversidade/diferença étnico-racial e relações gênero; em específico no módulo dois tratou-se, dentro do eixo “gênero”, as questões das feminilidades e da mulher nos contos de fadas e nas “histórias de princesas”, narrativas que foram analisadas junto aos alunos sob diferentes óticas temporais e contrapostas a outras materialidades e artefatos culturais. Como produto final desta intervenção, houve a publicação dos contos produzidos pelos alunos no A Folha do +, jornal confeccionado pela Oficina de Jornal do PME, que circula na escola. Por meio de uma reflexão crítica acerca do impacto do trabalho docente, evidenciou-se no discurso dos alunos embates entre a emancipação do feminino e o imaginário do “homem da casa”, bem como novos olhares, modestos, sobre o papel sociocultural da mulher na contemporaneidade.

Biografia do Autor

Santiago Bretanha Freitas, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), câmpus Jaguarão.

Santiago Bretanha Freitas – é aluno de graduação da Universidade Federal do Pampa/câmpus Jaguarão (RS). Atualmente, é bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) Letras e voluntário do projeto de extensão Experiências de leitura/escrita: a formação de leitores/escritores, vinculados à dita instituição. Seus interesses de pesquisa são o discurso do/sobre o corpo e a sexualidade, bem como o processo de ensino-aprendizagem da leitura e da escritura.

Agnaldo Mesquita de Lima Junior, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), câmpus Jaguarão.

Graduando em Letras Português/Espanhol pela Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA - Campus Jaguarão 2011/1. Bolsista do grupo PET - Pedagogia.

Ida Maria Morales Marins

Ida Maria Marins – possui licenciatura em Letras Português/Inglês pela Universidade Federal de Pelotas (RS), mestrado e doutorado em Letras, área de concentração em Linguística Aplicada pela Universidade Católica de Pelotas. É professora no curso de Letras da Universidade Federal do Pampa/câmpus Jaguarão (RS). Seus interesses de pesquisa são nas áreas de formação de professores, estudos de identidade, ensino e aprendizagem do Português. 

Referências

BERTELLI, C. Infográfico: a nova mulher brasileira. Disponível em: <http://delas.ig.com.br/comportamento/2012-12-17/infografico-a-nova-mulher-brasileira.html>. Acesso em: 02 out. 2015.

BRASIL. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais, ética. Brasília: MEC/ SEF, 1997

BRENMAN, I. Até as princesas soltam pum. São Paulo: Brinque-Book, 2008.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CANDAU, V. M. Escola, didática e interculturalidade: desafios atuais. In: ______. (Org.). Didática crítica intercultural: aproximações. Petrópolis, Vozes, 2012. p. 107-138.

COSSON, R. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006.

DI NIZO, R. Escrita Criativa: o prazer da linguagem. São Paulo: Summus, 2008.

LOURO, G. L. Nas redes do conceito de gênero. In: LOPES, M. J. D.; MEYER, D. E.; WALDOW, V. R, (orgs.). Gênero e saúde. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

______. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte, Autêntica, 2000.

______. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004

______. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2010.

PRECIADO, P. B. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

RUIZ, E. M. S. D. Como se corrige redação na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2001.

STREET, B. (1994). Perspectivas interculturais sobre o letramento. Revista de Filologia e Linguística Portuguesa da Universidade de São Paulo, n. 8, p. 465-488, 2007.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y educación intercultural. In: VIAÑA, J. et al. Construyendo Interculturalidad Crítica. La Paz, Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, 2010. p. 75-96.

Downloads

Publicado

31/12/2015

Como Citar

Bretanha Freitas, S., Mesquita de Lima Junior, A., & Morales Marins, I. M. (2015). “Segredos mais que secretos das princesas”: reflexões sobre práticas de letramento literário a partir de uma abordagem intercultural. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 1(02), 122–138. https://doi.org/10.23899/relacult.v1i02.64

Edição

Seção

Dossiê - Educação, Política e Sociedade