As Atividades Culturais Artísticas como Símbolos de Representação da Tríplice Fronteira, um Recurso do Turismo na Cidade de Foz do Iguaçu

Autores

  • Daiane Glaucia de Oliveira Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.616

Palavras-chave:

Cultura, Turismo, Tríplice Fronteira, Símbolos, Manifestações Artísticas.

Resumo

O presente artigo traz uma panorâmica de como a prática de atividades culturais ligadas às manifestações artísticas, são envoltas de símbolos que atribuem representação a características dos três países que fazem parte da Tríplice Fronteira, símbolos que contribuem para identidade cultural desses grupos. Sendo Foz do Iguaçu uma fronteira cuja economia gira em torno do turismo, cabe a ele também ser propiciador e agenciador dessas atividades, trazendo o turista a vivenciar de forma mais próxima a cultura da região, e de certa forma interagir e se identificar com os locais, expondo a diversidade e fortalecendo o contato com o outro, além de recuperar e fazer a manutenção da memória coletiva.

Biografia do Autor

Daiane Glaucia de Oliveira, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Possui graduação em Educação Física pela Faculdade União das Américas (2009), especialização em Teoria do Movimento Aplicada á Dança - Ênfase Dança de Salão pela Faculdade Metropolitana de Curitiba (2011) e cursa mestrado pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu-Sociedade, Cultura e Fronteiras - nível mestrado - Universidade Estadual do Paraná (2016). Atua como diretora artística e professora de dança na escola Tic Tum Dança de Salão. Têm experiência na área da Educação Física e Dança, tendo atuado em grupos na rede escolar, séries iniciais e ensino fundamental, docência no ensino superior, academias, escolas de danças e projetos sociais.

Referências

BARRETTO, M. Cultura e Turismo: discussões contemporâneas. Campinas, SP: Papirus, 2007.

BOULLÓN, R. C. Atividades Turísticas e recreativas: o homem como protagonista. Tradução: Maria Elena Ortega Ortiz Assumpção. Bauru, SP: EDUSC, 2004.

CARDIN, E. G. As ciências sociais nas fronteiras: Teorias e metodologias de pesquisa. 1º edição. Cascavel, PR: JB, 2014.

DIAS, R. Sociologia do Turismo. São Paulo: Atlas, 2003.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. 1º edição. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GEERTZ, C. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução: Vera Mello Joscelyne. 7º edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

KUPER, A. Cultura: a visão dos antropólogos. Tradução: Mirtes Frange de Oliveira

Pinheiros. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 14º edição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

ORTIZ, R. Cultura e Modernidade: A França no século XIX. 1º edição. São Paulo: Brasiliense, 1998.

PIRES, M. J. Lazer e Turismo Cultural. 1º edição. São Paulo: Manole, 2001.

SAHLINS, M. D. Cultura e razão prática. Tradução: Sérgio Tadeu de Niemayer, revisão técnica: Luis Fernando Dias Duarte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

SANTANA, A. Antropologia do Turismo: analogias, encontros e relações. Tradução: Eleonora Frenkel Barreto. São Paulo: Aleph, 2009.

SANTOS, J. L. O que é Cultura. 16º edição. São Paulo: Brasiliense, 2006.

Downloads

Publicado

19/02/2018

Como Citar

de Oliveira, D. G. (2018). As Atividades Culturais Artísticas como Símbolos de Representação da Tríplice Fronteira, um Recurso do Turismo na Cidade de Foz do Iguaçu. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.616

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.