Fanfictions: leitura e escrita na cibercultura

Autores

  • Monica do Amparo Silva PUCSP UFMT-RONDONÓPOLIS
  • Mariza Inês da Silva Pinheiro
  • Lucia Helena Vitalli Rangel

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.613

Palavras-chave:

cibercultura, escrita, fanfiction, leitura

Resumo

A condição letrada é um fenômeno de natureza complexa e multifacetada. Organiza-se em torno de um conjunto de gestos e comportamentos diversificados, de competências e habilidades heterogêneas, de objetos histórica e socialmente diferenciados; é construída por meio de um conjunto de práticas e de uma rede de instituições, agentes e materiais; responsável por grandes divisões no interior da sociedade e um dos fatores que poderiam transformá-la. O ingresso na cultura escrita por sociedades ocidentais já foi considerado uma das principais evoluções da era moderna. Dominar a escrita era também a produzir. Contemporaneamente, uma sociedade civilizada chega a exigir de seus membros o domínio e utilização da leitura de variados suportes em variadas formas (pois cada suporte acaba por desenvolver um modo de leitura peculiar). Pode-se, pois, inferir que o ato de ler é um ato de esforço e concentração que também exige reflexão. Dessa forma, a leitura assume o papel de um processo de disciplina intelectual, exigindo uma posição crítica daquele que é o leitor. Os ciberjovens não só consomem a leitura e toda produção midiática. Eles interagem com essa produção e realizam uma recriação cultural com identidade e público próprios denominada fanfiction cuja escrita pode ser divulgada em diferentes plataformas do ciberespaço sob diversos gêneros textuais. Este artigo é resultado da reflexão baseada na observação de um app que permite a escrita/ leitura e a divulgação dessa produção.

Biografia do Autor

Monica do Amparo Silva, PUCSP UFMT-RONDONÓPOLIS

Bacharel em Biblioteconomia - UFMG;

Mestre em Ciência da Informação - UFMG

Doutoranda em Ciências Sociais com ênfase em Antropologia pela PUCSP

Professora do curso de Biblioteconomia da UFMT/ Rondonópolis

Referências

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

__________________. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

__________________. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

CANCLINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2013

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp. 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1989.

IANNI, Octávio. Os enigmas da modernidade-mundo. Cidade: Civilização Brasileira, 2003.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LEVY, Pierre. O que é virtual. São Paulo: Ed. 34, 2009

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympo, 2011.

MEC PISA 2000: relatório final. Brasília, dez, 2001. Disponível em:

http://www.inep.gov.br/enem/pisa. Acesso em: 20 de março de 2009.

Portal do site Baixaki. Disponível em: http://www.baixaki.com.br. Acesso em 28 de maio de 2017.

SANTOS, Milton. Por outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Contra o desperdício da experiência: a pedagogia do conflito. Porto Alegre: Redes editoras, 2009.

SODRE, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2011.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Silva, M. do A., Silva Pinheiro, M. I. da, & Vitalli Rangel, L. H. (2017). Fanfictions: leitura e escrita na cibercultura. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.613

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo