Rádio Comunitária e inclusão étnica e de gênero

Autores

  • Maria Inês Amarante Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.611

Palavras-chave:

rádio comunitária, cidadania, mulheres, povos tradicionais, afrodescendentes

Resumo

A comunicação comunitária ganhou força na América Latina e estabeleceu, mesmo na contra corrente dos conglomerados midiáticos, novos canais de comunicação popular em benefício dos povos. Apesar dos limites e repressões impostos pelas empresas de comunicação e as dificuldades legais, o rádio foi o meio que melhor propiciou esta mudança. Tendo por base a pesquisa documental, bibliográfica e experiência de campo, este trabalho tem como objetivo principal mostrar as perspectivas trazidas pelo rádio quanto à conquista da cidadania e dos direitos à expressão e ao desenvolvimento comunitário por meio da participação social neste veículo no Brasil. Pretende igualmente apresentar algumas experiências de protagonismo feminino regional, de povos tradicionais e afrodescendentes. Considera finalmente a dificuldade em ultrapassar a subserviência feminina como entrave à participação das mulheres, a marginalização étnica existente e a perspectiva urgente de políticas públicas inclusivas, sobretudo em tempos digitais.

Biografia do Autor

Maria Inês Amarante, Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA

Institudo Latino-Americano de Artes, Cultura e História (ILAACH). Curso de Letras, Artes e Mediação CUltural (LAMC). Área: Comunicação

Mestrado Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos

Referências

AGUILAR, Alejandra. Índios online: uma experiência indígena brasileira de Mídia Cidadã. In: Recortes Brasileiros de Ativismo Midiático. Pereira, Ariane et al. (orgs). Guarapuava: Unicentro, 2010 (Coleção Conversas Contemporâneas em Comunicação-3C), p. 132.

AMARANTE, Maria Inês; VARELA, Sonia Ines. Rádio comunitária na tríplice fronteira: participação étnica e de gênero na Rádio Norte FM, Revista Observatório, Palmas, v. 2, n.3, p.270-291, mai.-ago.2016 .

AMARANTE. Rádio comunitária na escola: adolescentes, dramaturgia e participação cidadã. São Paulo: Intermeios, 2012.

____. Vidas, Vozes e Palavras de Mulheres no Rádio: sim, elas podem... Revista Alterjor, Vol. 1, No 3, 2011, p. 1-14.

AMARC – ALC. Cara y Señal. Argentina, Ano 1, n. 1, Mayo-Agosto 2004, pp. 33-60.

AMARC ALC y ALER. Cambio Social y cambio cultural. La vinculación de lãs Mujeres y La Política. Gritos em El coro de señoritas, AMARC ALC y ALER, Buenos Aires, 2008, p. 10.

BORDENAVE, Juan Díaz. Participación. Asunción: Paraguay: Editorial Arandurã, abril 2016.

DAGRON, Alfonso Gumucio. Haciendo Olas. Histórias de comunicacíon participativa para el cambio social. New York: The Rockefeller Foundation, 2001.

DÁVALOS, Pablo .Movimientos Indígenas en América Latina: elderecho a la palavra. In: Pueblos indígenas, estado y democracia, 1a ed. - Buenos Aires :Consejo. Latinoamericano de Ciencias Sociales - CLACSO, 2005, p. 17-33. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/ar/libros/davalos/CapDavalos.pdf, acesso em 19 de junho de 2014.

FANUCCHI, Mario. O Rádio de Brecht Setenta anos depois. Revista USP-SP. São Paulo, nº 34, junho/agosto 1997, p. 1-5.

FERREIRA, Ricardo Alexino. Etnomidialogia: ciência midiática, comunicação e cultura. Trabalho apresentado no GP Comunicação, Ciência, Meio Ambiente e Sociedade, XII Encontro dos Grupos de Pesquisas em Comunicação, evento componente do XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2012.

GARRETÓN, Manuel. Democracia, ciudadania y médios de comunicación: un marco general. In: ALFARO, María. Los médios: nuevas plazas para la democracia. Lima: Asociación de Comunicadores Sociales Calandria, 1995, p. 97-108.

GEERTS, Andrés, VAN OEYEN, Victor. La radio popular frente al nuevo siglo: estudio de vigência e incidência. Quito/Equador: ALER, 2001.

FIGUEIREDO, Guilherme Gitahy de. As artes da resistência radiofônica na era digital: uma antropologia da rádio Xibé. Trabalho apresentado na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e 06 de agosto de 2014, Natal/RN.

______. A fronteira virtuosa: universidade, mídias livres e diálogo. Trabalho apresentado na VIII Reunião de Antropologia do Mercosul “Diversidade e poder na América Latina”, dentro do Grupo de Trabalho intitulado “Povos indígenas e processos de educação escolar e não escolar”, realizado em Buenos Aires entre 29 e 2 de outubro de 2009.

CABRAL FILHO, Adilson Vaz. A formulação de políticas no setor de rádios comunitárias no Brasil: por um modelo que compreenda o desenvolvimento humano e social. Revista Redes, p. 28, 2013. Disponível em: http://dianet.unirioja.es/descarga/articulo/3919431.pdf. Acesso em 20/04/2017.

GOHN, Maria da Glória. Os sem-terra, ONGs e cidadania. São Paulo: Cortez, 1997.

HALL, Stuart. A Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

LAHNI, Cláudia Regina. Identidade Negra nas Ondas do Rádio. In: LAHNI et al. Culturas e Diásporas Africanas, Juiz de Fora: Editora UFJF, 2009.

MACHADO, Arlindo, MAGRI, Caio, MASAGÃO, Marcelo. Rádio livres: a reforma agrária no ar. São Paulo: Brasiliense, 1986.

MAGNATA, Gustavo. A vivência em Conceição das crioulas na construção de uma rádio comunitária. In: DANTAS, Célia Rique Gentile (ORG.) Rádios comunitárias: avanços ou negação do direito humano à comunicação? Recife: Gajop, 2010. (Caderno de Educação para a Cidadania, 4), p. 50-56.

MATA, Maria Cristina. Comunicación y ciudadania: problemas teórico - políticos de su articulación. Revista Fronteiras: estudos midiáticos, São Leopoldo: Unisinos VIII (1): 5-15, jan/abr. 2006.

______. (coord.). Mulher e rádio popular. São Paulo: ALER-Brasil/Paulinas, 1998. (Manuais de Comunicação, 11).

MORENO, M.A. El desafio de las rádios comunitárias. Anagrama, p. 66-77, Jan-Jul. 2008. Disponível em: http://revistas.udem.edu.co/index.php/anagramas/article/viewFile/708/649

MOURA, Iara. Raio-X da ilegalidade. Políticos donos da mídia no Brasil. Revista Direito à Comunicação no Brasil, 1/8/2016, p. 45-59. Disponível em: http://www.intervozes.org.br/direitoacomunicacao/?p=29753. Acesso em 15/04/2017.

PERUZZO, Cicilia Maria Krohling. Comunicação nos movimentos populares: a participação na construção da cidadania. 3ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

PRADO, Debora; SANEMATSU, Marisa (orgs). Feminicídio. Invisibilidade Mata. Fundação Rosa Luxemburgo. São Paulo: Instituto Patrícia Galvão, 2017.

SANTAELLA, Lúcia. Culturas e artes do pós-humano. Da cultura das mídias à cibercultura. Coord. Valdi José de Castro. São Paulo: Paulus, 2003.

SANTOS, Josivan Rodrigues dos. Conceição das Crioulas Um Caso de Sucesso. Monografia. Universidade Federal de Pernambuco. Centro de Artes e Comunicação Departamento de Design Projeto do Produto, 2004, 52 p.

VELOSO, Ana; FARIAS, Hainer. Rádio Mulher: A comunicação feminista nas ondas do rádio no Nordeste do Brasil. In: PERUZZO et al. (ed.). Trazos de otra comunicación en América Latina, Asociación Latinoamericana de Investigadores de la Comunicación, Red Danesa de Investigación en Nuevos Pensamientos sobre Ciudadanía, Autoridad y Espacio Público en América Latina, Universidad del Norte. -- Barranquilla, Col.: Editorial Universidad del Norte, 2011, p.3-19.

VILLAMAYOR, Claudia. Tramas de la comunicación: 60 años de historia de Comunicación Radiofónica en América Latina. 23 de Mayo del 2007.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Amarante, M. I. (2017). Rádio Comunitária e inclusão étnica e de gênero. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.611

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.