Os Estudos Culturais e a influência da nova esquerda para uma nova teoria da cultura

Autores

  • Rafaela de Souza Ribeiro UNIRIO- Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.594

Palavras-chave:

Cultura, Estudos Culturais, Nova Esquerda

Resumo

O objetivo da presente exposição será apresentar as incursões que vimos realizando acerca da categoria cultura e sua relação com a totalidade social, a partir da tradição de estudos que concebe a cultura como constituinte do ser social e como modo de vida. Essa leitura é própria de autores da chamada nova esquerda, cujos principais expoentes são Raymond Willians, E.P Thompson, Richard Hoggart, entre outros. A iniciativa dos estudos na área se justificam pela importância e centralidade da categoria cultura no campo da teoria social e pela sua heterogeneidade e, portanto, necessidade de maior definição enquanto dimensão fundamental, principalmente como potencializadora de propostas de mudanças na realidade social a partir da superestrutura da sociedade contemporânea. A metodologia utilizada, foi uma revisão bibliografia que inclui uma incursão nos Estudos Culturais, desde o seu surgimento enquanto área específica de estudos e, também, na trajetória política de seus principais expoentes, o que nos revela pistas importantes para compreender suas diferentes fases de exposição e apropriação pela teoria social crítica e seu potencial de desvelamento e mudança da realidade social, como já sinalizado.

Biografia do Autor

Rafaela de Souza Ribeiro, UNIRIO- Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Assistente Social. Mestre em Serviço Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora Assistente da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Pesquisadora da área de Serviço Social, Cultura e Marxismo.

Referências

CEVASCO, Maria Elisa. Dez lições sobre estudos culturais. SP: Boitempo Editorial, 2012.

MARTINS, A. M. S. e NEVES, L.M.W. Materialismo histórico, cultura e educação: gramsci,thompson e williams. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, nº 51, p. 341-359, jun2013 – ISSN: 1676-258 341. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640281/7840 (Artigo em Periódico Digital). Acesso em 10/06/2017.

MATTOS, Marcelo Badaró. Classes sociais e luta de classes: a atualidade de um debate conceitual. In Revista Em Pauta- teoria social e realidade contemporânea, n. 20, Rio de Janeiro, Ed.UERJ, 2007. (Artigo em periódico físico)

MATTOS, M.B. O marxismo inglês da 'Nova Esquerda' e o debate materialista sobre cultura e alienação, 2012. Disponível em: http://www.herramienta.com.ar/coloquios-y-seminarios/o-marxismo-ingles-da-nova-esquerda-e-o-debate-materialista-sobre-cultura-e-al. (Artigo em Periódico Digital). Acesso em 10/06/2017.

THOMPSON, E.P. A peculiaridade dos ingleses e outros artigos. Negro, A.L. e Silva, S. (orgs); Campinas: Unicamp, 2001, p. 269-281.

THOMPSON, E.P. A Formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010. V.1.(5ªEd).

THOMPSON, E.P. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia da Letras, 1998.

THOMPSON, E.P., Os românticos. A Inglaterra na era revolucionária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

VASQUEZ. A. S. Filosofia da Práxis. 2ªed. CLACSO: SP: Expressão Popular, 2011.

WILLIAMS, R. Marxismo e Literatura, Rio de Janeiro, Zahar, 1979.

WILLIAMS, R. Cultura e materialismo. São Paulo: Ed Unesp, 2011a.

WILLIAMS, R. Cultura. SP: Ed. Paz e Terra,1992.

WILLIAMS, R. Cultura e Sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 1992.WILLIAMS, R. Cultura. São Paul, Paz e Terra, 2011.

PONTES, Reinaldo Nobre. Mediação e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1995.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Ribeiro, R. de S. (2017). Os Estudos Culturais e a influência da nova esquerda para uma nova teoria da cultura. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.594

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo