Um Olhar Sobre a Indústria Musical: Limites e Possibilidades para uma Contra Hegemonia.

Autores

  • Rebecca Nora Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) http://orcid.org/0000-0002-3865-1947
  • Rafaela De Souza Ribeiro Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.589

Palavras-chave:

cultura, hegemonia, industria musical

Resumo

Esse artigo tem como objetivo analisar o papel central que a Indústria Musical exerce enquanto sustentáculo da hegemonia burguesa, atualmente expressa pelo modo de produção racista-patriarcal-capitalista, bem como as mudanças ocorridas nesta devido à revolução digital. Esse trabalho se constitui sob o arcabouço teórico marxista, que à luz gramsciana permite analisar dialeticamente os limites e possibilidades instauradas pela revolução técnico-cientifico-informacional no cotidiano das relações sociais. Destaca-se, em conclusão, a importante contribuição do debate no campo da ética apresentado por Maria Lúcia Silva Barroco para a elaboração desse trabalho. 

Biografia do Autor

Rebecca Nora, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Graduanda em Serviço Social

Rafaela De Souza Ribeiro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professora Assistente na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Possui graduação em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2005). Mestre em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2010), na área de Trabalho e Política Social e doutoranda em Serviço Social pelo mesmo programa (2011). Pesquisadora do Programa de Estudos do Trabalho e Política (UERJ). Estudos desenvolvidos na área: Cultura e Serviço Social.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Referências

ADORNO, Theodor, W. Indústria Cultural e Sociedade. 5 ed. São Paulo: Editora Paz e Terra S/A, 2009.

ALBORNOZ, L. A.; HERSCHMANN, M. Transformações Recentes Da Indústria Da Música. In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISSIPLINARES EM CULTURA, 2009, Bahia. Anais... Bahia, 2009.

BARROCO, Maria Lúcia Silva. Ética e serviço social: fundamentos ontológicos. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

CHAUI, Marilena. Simulacro e poder: uma análise da mídia. 1 ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2006. p, 20-30.

CISNE, Mirla. Feminismo e consciência de classe no brasil. São Paulo: Cortez, 2014. 276 p.

COUTINHO, Carlos Nelson. Marxismo e política: a dualidade de poderes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 1994.

DAVIS, Angela. Mulher, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

EAGLETON, Terry. A idéia de cultura. 2 ed. São Paulo: Fundação Editora da UNESP (FEU), 2011.

FERNANDES, Wagner. Conexão: renascimento cultural e iluminismo, 2011. Disponível em: <http://poetawagner.blogspot.com/2011/06/conexao-renascimento-cultural-e.html/>. Acesso em: 4 de fev. 2017.

VICENTE, Eduardo. Indústria da música ou indústria do disco? A questão dos suportes e de sua desmaterialização no meio musical. Rumores, nº2, p. 194 – 213, julh-dez. 2012.

VIEIRA, C. A. Cultura e formação humana no pensamento de Antônio Gramsci. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 51-56, 2002.

WILLIAMS, Raymond. Palavras-chaves: Um vocabulário de cultura e sociedade. 1 ed. São Paulo: Boitempo Editorial, 1983.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Nora, R., & Ribeiro, R. D. S. (2017). Um Olhar Sobre a Indústria Musical: Limites e Possibilidades para uma Contra Hegemonia. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.589

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo