O Candombe do Açude Cipó e a resistência cultural quilombola: lutas contra-hegemônicas de um Sul multifacetado

Autores

  • Maria do Rosário Gomes da Silva Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.580

Palavras-chave:

Candombe, resistência quilombola, cultura festiva, perspectiva descolonial

Resumo

Este trabalho parte da perspectiva descolonial para refletir sobre o festejo do Candombe celebrado na comunidade afrodescendente Açude Cipó, localizada no Parque Estadual Serra do Cipó, em Minas Gerais. Esta manifestação cultural será abordada a partir de pesquisa qualitativa baseada em observação direta e entrevistas semiestruturadas, tendo como principais referenciais teóricos os conceitos de racionalidade estético-expressiva e resistência contra-hegemônica. Enquanto a noção de racionalidade estético-expressiva nos possibilita reconhecer o potencial emancipatório dos elementos efusivos, lúdicos e dilemáticos presentes na cultura da festa, a ideia de contra-hegemonia nos permite compreender as formas de luta que atuam no âmbito das disputas pelas reconfigurações simbólicas que buscam dar visibilidade aos modos de vida, identidades e crenças que habitam um Sul invisibilizado pelos padrões de um projeto moderno binarista e eurocêntrico. A partir de tal aporte teórico, pretende-se refletir sobre as formas de resistência que emergem das subjetividades multifacetadas do Candombe quilombola que, ao abrirem novos horizontes epistemológicos, também apontam para outras possibilidades de luta social.

Biografia do Autor

Maria do Rosário Gomes da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais, graduada em Relações Internacionais e docente da área de Ciências Humanas. Possui vínculo com projetos de pesquisa na área artística e cultural, com ênfase nos seguintes campos teóricos: História da África, Filosofia Política, Estudos Latino-Americanos e Movimentos Sociais.

Referências

ALMEIDA, Alfredo W. B. de. Os Quilombos e as Novas Etnias. In: O’Dwyer, Eliane Cantarino. Quilombos: Identidade Étnica e Territorialidade. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2002.

ALVAREZ, Sonia E.; DAGNINO, Evelina; ESCOBAR, Arturo (orgs.). Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos (novas leituras). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

AMBRÓSIO, Maria Mercês Bonfim. Pedagogia do Rosário- conteúdo educativo da festa. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, 1989.

ARAUJO, Ridalvo Felix de; QUEIROZ, Sônia. Cantos dançados no ritual de abertura do candombe da Lapinha. Africanias, n. 6, 2014.

ARRUTI, José Maurício. A emergência dos “remanescentes”: notas para o diálogo entre indígenas e quilombolas. São Paulo: Mana, 1997.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política, 11ª edição, v. 1, Editora UNB, 1998.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CAMPOS, Adrelino. Do quilombo à favela. A produção do espaço criminalizado no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CARNEIRO, Edison. Folguedos Tradicionais. Rio de Janeiro: Conquista, 1974.

Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva (CEDEFES), Projeto Açude Cipó: Disponível em http://www.cedefes.org.br/projetos/acude-cipo. Acesso em: 03 de fev. de 2017.

CEDEFES. Comunidades quilombolas de Minas Gerais no séc. XXI: história e resistência. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

COSTA, Sérgio. Dois Atlânticos: teoria social, anti-racismo, cosmopolitismo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

CRAEMER, Willy de; VANSINA, Jan; FOX, Renée C. Religious movements in Central Africa: a theoretical study. Cambridge University Press, v. 18, n. 4, p. 458-475, 1976.

DIAS, Paulo. A outra festa negra. In: JANCSÓ, István e KANTOR Íris (orgs.). Festa: Cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Imprensa Oficial/Hucitec/ Edusp/Fapesp, vol. 02, 2001.

ESCOBAR, Arturo. Mundos y conocimientos de otro modo: el programa de investigación de modernidad/colonialidad latinoamericano. Tabula Rasa, n. 1, p. 51-86, 2003.

FERREIRA, Luís. A diáspora africana na América Latina e o Caribe, Afro-latinos, 2006. Disponível em: http://afrolatinos.palmares.gov.br/_temp/sites/000/6/download/artigos/artigo-Luis%20Ferreira.pdf. Acesso em: 03 de fev. de 2017

FRASER, Nancy. Rethinking the public sphere: a contribution to the critique of actually existing democracy. In: CALHOUN, Craig (ed.) Habermas and the public sphere. Cambridge: MIT Press, p. 109-142, 1992.

GOMES, Lilian Cristina Bernardo. Justiça seja feita: direito quilombola ao território. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

GRAMSCI, Antônio. Cadernos do Cárcere: os intelectuais e a organização da cultura. 5ª edição. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1987.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global , Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, p. 115-147, 2008.

GUIMARÃES, Carlos Magno. A negação da ordem escravista: quilombos em Minas Gerais no século XVII. São Paulo: Ícone, 1988.

HALL, Stuart. The work of representation. In: HALL, Stuart (org.) Representation: Cultural representation and cultural signifying practices. London/Thousand Oaks/New

Delhi: Sage/The Open University, 1997.

LUCAS, Glaura. Os sons do rosário: o congado mineiro dos Arturos e Jatobá. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MARTINS, Leda Maria. Afrografias da memória: o Reinado do Rosário no Jatobá. São Paulo: Mazza Edições, Editora Perspectiva, 1997.

MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 80, p. 5-10, 2008.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais, projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro 2005, p. 227-278.

RANCIÈRE, Jacques. Esthétique et politique. Paris: Galilée, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência. Porto: Afrontamento, 2002.

SANTOS, Boaventura. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 3ª ed., 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SARMENTO, Alfredo de. Os Sertões d´África (apontamentos de viagem), Lisboa, 1880.

SILVA, Maria do Rosário Gomes. O potencial emancipatório das festas do tambor mineiro: a dimensão dionisíaca de um Atlântico Negro invisível. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, 2014.

SLENES, Robert W.. Malungu, ngoma vem!: África coberta e descoberta no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 12, p. 48-67, 1992.

SODRÉ, Muniz. A verdade seduzida: por um conceito de cultura no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

TINHORAO, José Ramos. Os Sons dos Negros no Brasil. São Paulo: Art Editora, 1988.

TRINDADE, Cristiano Augusto Ferreira. O Candombe do Açude entre a tradição e a exposição. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Gomes da Silva, M. do R. (2017). O Candombe do Açude Cipó e a resistência cultural quilombola: lutas contra-hegemônicas de um Sul multifacetado. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.580

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo