Os neologismos e a ampliação lexical nas redes sociais

Autores

  • Alexandre António Timbane Universidade Federal de Goiás (UFG) Professor e Pesquisador Visitante Estrangeiro http://orcid.org/0000-0002-2061-9391
  • Dayanny Marins Coelho Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i1.565

Resumo

A língua é dinâmica e recorre ao processo neológico para a renovação e manutenção. Este estudo tem como objetivo de revisar os conceitos relativos ao léxico, à lexicologia e aos processos de criação de palavras novas (neologismos). Para fundamentar a análise de processos de ampliação do léxico nas redes sociais, discutiremos as teorias de Carvalho (2009), Alves (2004), Cristal (2004) e outros. Observando 20 indivíduos frequentadores do Facebook observou-se criatividade dos falantes em mesclar seus textos com palavras e expressões de termos ou elementos mórficos de origem língua inglesa. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa. Da pesquisa se conclui que inúmeros processos morfológicos, sintáticos e semânticos são frequentes no Facebook e que a nossa língua é muito produtiva no que concerne às regras de criação de palavras. Os indivíduos observados utilizam o Facebook para conversas do dia a dia e de forma informal criando neologismos. Os indivíduos observados inventam, criam ou trazem emprestadas de outras línguas por “necessidade”, mas por vezes por “luxo”. Foi possível constatar que um número significativo de palavras são de origem inglesa. Os indivíduos costumam mesclar os dois idiomas, ou seja começam com o português e de repente em alguns momentos utilizam palavras de origem inglesa.

Biografia do Autor

Alexandre António Timbane, Universidade Federal de Goiás (UFG) Professor e Pesquisador Visitante Estrangeiro

Doutor em Linguística e Língua Portuguesa (2013) pela UNESP, Mestre em Linguística e Literatura moçambicana (2009) pela Universidade Eduardo Mondlane – Moçambique (UEM). É Licenciado e Bacharel em Ensino de Francês como Língua Estrangeira (2005) pela Universidade Pedagógica-Moçambique (UP).

Dayanny Marins Coelho, Universidade Federal de Goiás

Mestranda em Estudos da Linguagem

Referências

ALVES, Ieda Maria. O conceito de neologia: da descrição lexical à planificação linguística. Alfa. v. 40, São Paulo: UNESP, p.11-16, 1996.

__________.Neologismo: criação lexical. 2.ed. São Paulo: Ática, 2004.

ASSIS, Ana Beatriz Gonçalves de. Adaptações fonológicas na pronúncia de estrangeirismos do inglês por falantes de Português Brasileiro. 2007, 267f. (Dissertação). Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2007.

BARBOSA, Maria Aparecida. Léxico, produção e criatividade: processos do neologismo. São Paulo: Global, 1981.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. A estruturação mental do léxico. In: BORBA, Francisco da Silva. (Org.). Estudos de filologia e linguística: em homenagem a Isaac Nicolau Salum. São Paulo: T. A. Queiroz, 1981. p. 131-145.

__________.Léxico e vocabulário fundamental. Alfa. v. 40, n.1, p.27-46, 1996.

__________.Teoria linguística: teoria lexical e linguística computacional. 2ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CAMACHO, Beatriz Facincani. Estudo comparativo de expressões idiomáticas do português do Brasil e de Portugal e do francês da França e do Canadá. (Dissertação). Mestrado em Estudos Linguísticos, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2008.

CARVALHO, Nelly. Empréstimos linguísticos na língua portuguesa. São Paulo: Cortez, 2009.

__________.; KRAMER, Rita. A linguagem no Facebook. In: SHEPHERD, Tania G.; SALIÉS, Tânia G. (Org.). Linguística da internet. São Paulo: Contexto, 2013. p. 77-94.

CITELLI, Adilson. Palavras meios de comunicação e educação. São Paulo: Cortez, 2006.

CORREIA, Margarita. Produtividade lexical e ensino da língua. In: VALENTE, André C.; PERREIRA, Maria Teresa G. (Org.). Língua portuguesa: descrição e ensino. São Paulo: Parábola, 2011. p.223-238.

CRYSTAL, David. Language and internet. Cambridge: CUP, 2004.

__________.A revolução da linguagem. Trad. Ricardo Quintana, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

GROSJEAN, François. Life With Two Languages: an introduction to bilingualism. Harvard University Press. 1982.

HADŽIAHMETOVIÜ-JURIDA, Sanel. Some distinctive lexical features of netspeak. Jezikoslovlje. v.8, nº2, 2007, 193-210.

NEBOT, Francisco Abad. Los diccionarios de la Academia (1713 1997) (I). In: NEBOT, Francisco Abad (Eds.). Cuestiones de lexicología y lexicografia. 3.ed. Madrid: Universidad Nacional de Educación a Distancia. 2001, p. 173 225. (Cuadernos de la UNED).

__________.Cuestiones de lexicologia y lexicografia. Madrid: UNED, 2003.

PETTER, Margarida. O léxico compartilhado pelo português angolano, brasileiro e moçambicano. Veredas. v.9, Porto Alegre, p.61-81, 2008.

PEREIRA, Nair Fernandes. Neologismos locucionais por empréstimos: ser thug life para stalkear o inglês nas redes sociais. Monografia. (Graduação em Letras) Universidade Estadual de Goiás, Pires do Rio, 2012.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Como o internetês desafia a linguística. In: SHEPHERD, Tania G.; SALIÉS, Tânia G.(Org.). Linguística da internet. São Paulo: Contexto, 2013. p.37-54.

SAPIR, Edward. Língua e ambiente. In:____. (Org.). Linguística como ciência. Ensaios. Livraria Acadêmica, 1969, p. 43-62.

SARDINHA, Tony Berber. Variação entre registros da internet. In: SHEPHERD, Tania G.; SALIÉS, Tânia G.(Org.). Linguística da internet. São Paulo: Contexto, 2013. p. 55-77.

SILVEIRA BUENO, Francisco da. Gramática normativa da língua portuguesa. São Paulo: Saraiva, 1994.

STEINBERG, Martha. Neologismos de língua inglesa. São Paulo: Nova Alexandrina, 2003.

TIMBANE, Alexandre António. A variação e a mudança linguística da língua portuguesa em Moçambique. 2013, 318f. (Tese). Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa. Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista. Araraquara, 2013.

__________.A lexicultura no português de Moçambique. Linguística: estudos e pesquisas, Catalão-GO, vol. 18, n. 2, p. 43-59, jul./dez. 2014.

WELKER, Herbert Andreas. Dicionários: uma pequena introdução à lexicografia. Brasília: Thesaurus, 2004.

Downloads

Publicado

31/10/2018

Como Citar

Timbane, A. A., & Coelho, D. M. (2018). Os neologismos e a ampliação lexical nas redes sociais. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v4i1.565

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo