Música, memórias e trânsitos decoloniais na Amazônia Acriana

Autores

  • Maria Cristina Lobregat
  • Arthur José Souza Martins
  • Joana Dias

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.552

Palavras-chave:

Capital cultural, decolonialidade, oralidade, representação

Resumo

Resumo

Este texto traduz algumas experiências vividas no projeto intitulado “Memórias Musicais vivas na Amazônia Acriana” e desenvolvido pelo grupo de pesquisa “Azougue: ateliê de pesquisa e extensão em artes”, cujo objetivo consiste em cartografar saberes que envolvem a prática musical e a vida de pessoas que compõem este heterogêneo cenário, no qual a prática musical e a vida são intimamente entrelaçadas. Franscisco Dalerbã é conhecido como “Chiquinho da Guitarra”. Instrumentista, arranjador, cantor e compositor, Seu Chiquinho desenvolveu seu estudo musical aliado às demais práticas culturais. A trajetória autodidata de estudo e aprendizagem musical de Seu Chiquinho cria uma forma de relação com a escuta e com o instrumento musical extremamente rica. Entre os dilemas da distinção entre o músico e o tocador, a perspectiva de Seu Chiquinho, hoje aos 67 anos, desloca o muro construído de tijolos de letramento para instituir um território onde existe uma estética e uma forma de relacionamento com a arte criada a partir da leitura do mundo, amparada a partir da escuta. Diante das diferentes adversidades traremos uma análise que envolve e percebe o homem amazônico e suas aprendizagens diante das representações produzidas pelo “outro” a partir do imaginário e desconstruiremos as percepções vindas de uma imagem que ofusca a realidade vivenciada no seringal no que consiste a expressão musical.

 

Referências

ALBUQUERQUE, G. R. Acre. Em: ALBUQUERQUE, G. R. & PACHECO, A. S. (orgs.) Uwakürü: dicionário analítico. Rio Branco: Nepan Editora, 2016. p. 13 - 29.

___________________. Amazonialismo. Em: ALBUQUERQUE, G. R. & PACHECO, A. S. (orgs.) Uwakürü: dicionário analítico. Rio Branco: Nepan Editora, 2016. p. 73 - 96.

ALBUQUERQUE, M. B. B. Espitemologia e saberes da Ayahuasca. Belém: EDUEPA, 2011.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. A invenção do nordeste e outras artes. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2009. 376 p.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. Tradução de Daniela Kern e Guilherme J. F. Teixeira. São Paulo: EDUSP. 2008.

_____________ O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz, 6ª ed. Rio de Janeiro: Betrand Brasil, 2003.

CALVINO, I. A palavra escrita e a não-escrita. Em: AMADO, J. & FERREIRA, M. M. (coord). Usos & Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV, 2006. 304 p.

CERTEAU, M. A Invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. 17. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. 316 p.

COUTO, A.C.N. Música Popular e Aprendizagem: algumas considerações. Revista Modus. Belo Horizonte. Ano V/ no 6. p. 55 – 68, maio 2008.

GLISSANT, E. Poética da Relação. Trad. Manuela Mendonça, Porto: AFRICA.CONT, 2011.

LÓPEZ, I. Una genealogia alternativa: Para pensar la expressión músical en a latina. Em: PALERMO, Zulma (comp.). Arte y estética en la encrucijada descolonial. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2009.

MARTINS, A.J.S.; DIAS, J.O.; CUNHA, E.R. Desembarque no Aeroporto Velho: relato de experiências vividas no “Poeirinha” em Rio Branco-AC. Em: I CONGRESSO REGIONAL DE PESQUISA DO ESTADO DO ACRE E XXIV SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFAC. Rio Branco, 2015.

MESSINA, M. Atraso. Em: ALBUQUERQUE, G. R. & PACHECO, A. S. (orgs.) Uwakürü: dicionário analítico. Rio Branco: Nepan Editora, 2016. p. 96 - 106.

MIGNOLO, W. 2010. Desobediência epistêmica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidade y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Del Signo.

PORTELLI, A. Tentando aprender um pouquinho. Algumas reflexões sobre a ética na História Oral. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, São Paulo, Brasil, 1981, p. 13-33.

VIEIRA, J.L. Lambada das Quebradas Vol. II (1980) / Chantecler – Continental.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Lobregat, M. C., Souza Martins, A. J., & Dias, J. (2017). Música, memórias e trânsitos decoloniais na Amazônia Acriana. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.552

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo