Áudio-descrição nas Manifestações Artístico Culturais: Uma tradução Intersemiótica

Autores

  • JOÃO Batista SANTANA CORREIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.526

Palavras-chave:

Acessibilidade Comunicacional, Áudio-descrição, Pessoa com Deficiência Visual, Tradução Intersemiótica.

Resumo

O presente trabalho buscou identificar e descrever a áudio-descrição – AD - como um recurso de tecnologia assistiva – TA - comunicacional indispensável para a inclusão cultural das pessoas com deficiência visual. Conforme os dados coletados e apresentados, em 2010, pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - mais de 45 milhões de pessoas manifestaram possuir algum tipo de deficiência e, destas, 18,60% informaram ter cegueira ou baixa visão. A AD disponibilizada, “ao vivo” ou gravada, é um direito assegurado pela Constituição Federal de 1988 que, por sua praticidade e efetividade, permite o acesso; a interpretação; a significação, a contextualização e a interação das pessoas com deficiência visual com as produções artísticoculturais. No aspecto teórico, a áudio-descrição se configura como uma tradução ou transmutação intersemiótica caracterizada pela interpretação de um signo não-verbal por meio de um signo verbal, ou seja, a transformação da linguagem imagética, que não é perceptível pela visão, em linguagem verbal que chega por meio da audição à mente da pessoa com deficiência visual adquirindo assim potência suficiente para criar uma imagem mental semelhante ou equivalente àquela que estava presente na produção artístico-cultural. Para a consecução, utilizouse a metodologia qualitativa de cunho bibliográfico fundamentada na teoria de Roman Jakobson (2007) e de Motta; Romeu Filho (2010). Abordou-se a áudio-descrição na perspectiva de sua historicidade; da tradução intersemiótica; do recurso de tecnologia assistiva de acessibilidade comunicacional e da legislação brasileira.

Biografia do Autor

JOÃO Batista SANTANA CORREIA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

Comunicação e semiótica

Referências

AENOR UNE 153020:2005. Audiodescripción para personas con discapacidad visual. Requisitos para la audiodescripción y elaboración de audioguías. Disponível em: <http://www.en.aenor.es/aenor/normas/buscadornormas/resultadobuscnormas.asp?tipo1=&opcion=1&boton=Ver&pag=&opproyecto=vigor&opproyecto2=vigor&opproyecto3=&logico=no&tipo2=&forma=1&texto=&numuno=&clave=&ctn=&numdos=&numtres=&estadonorma=Vigente&ics=11.180.99>. Acesso em 21. Jun. 2017

ALVES, S. F.; TELES, V. C.; PEREIRA, T. V. Propostas para um modelo brasileiro de audiodescrição para deficientes visuais. In. Tradução &Comunicação – Revista Brasileira de Tradutores. nº 22, Ano 2011. Disponível em: < http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/traducom/article/viewFile/1853/1761>. Acesso em: 11. Jun. 2017.

BOURNE, J.; JIMÉNEZ HURTADO, C. From the visual to the verbal in two

languages: a contrastive analysis of the audio description of The Hours in English and

Spanish. In: DÍAZ-CINTAS, Jorge. (ed.) The didactics of audiovisual translation. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2008.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 10 de novembro de 1937. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao37.htm>. Acesso 03. Abr. 2017.

_____. Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 18 de setembro de 1946.

Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao46.htm>. Acesso em 02. Abr. 2017.

_____. Constituição Política do Império do Brazil, de 25 de março de 1824. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao24.htm>. Acesso em 13. Abr. 2017

_____. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 16 de julho de 1934.

Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm>. -Acesso em 05. Abr. 2017.

_____. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>.

Acesso em 25. Mar. 2017

______. Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm>. Acesso em: 19. Abr. 2017.

_____. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm>. Acesso em 18. Abr. 2017.

_____. Emenda Constitucional nº 1, de 17 de outubro de 1969. Edita o novo texto da Constituição Federal de 24 de janeiro de 1967. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Emendas/Emc_anterior1988/emc01-69.htm>. Acesso: 05. Abr. 2017.

_____. Emenda Constitucional nº 12, de 17 de outubro de 1978. Assegura aos Deficientes a melhoria de sua condição social e econômica. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc_anterior1988/emc12-78.htm>. Acesso em: 23. Mar. 2017.

_____. Lei nº 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10098.htm>.

Acesso em 18. Abr. 2017.

_____. Norma Complementar nº 01/2006. Recursos de acessibilidade, para pessoas com deficiência, na programação veiculada nos serviços de radiodifusão de sons e imagens e de retransmissão de televisão.

Disponível em: < http://www.mc.gov.br/normas/26752-norma-complementar-n-01-2006>. Acesso em 18. Abr. 2017.

_____. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm>. Acesso em 10 Abr. 2017.

BAZANELLA, L. A. Um caminho sem volta. In. Audiodescrição : transformando imagens em palavras. São Paulo: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo, 2010.

BLIKSTEIN, I. Prefácio. In. Linguística e Comunicação. 24. ed. Trad. Blikstein I. e Paes J. P. São Paulo: Cultrix, 2007.

FRANCO, E. P. C.; SILVA, M. C. C. C. Áudiodescrição: transformando imagens em palavras. São Paulo: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo, 2010.

_____. Audiodescrição: Breve passeio histórico. In. Áudiodescrição: transformando imagens em palavras. São Paulo: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo, 2010.

GARCIA, J.C.D.; FILHO, T. A.G. Pesquisa Nacional de Tecnologia Assistiva. São Paulo: ITS Brasil/MCTI-SECIS, 2012.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Trad. Márcia Sá Cavalcanti Schuback. 15. ed. São Paulo: Vozes, 2005.

JAKOBSON, R. Linguística e Comunicação. 24. ed. Trad. BLIKSTEIN. I.; PAES, J. P. São Paulo: Cultrix, 2007.

JÚNIOR, J. N. de O.; FILHO, P. H. L. P. A (não)neutralidade em roteiros de audiodescrição-AD de filmes de curta-metragem via sistema de avaliatividade. In. Audiodescrição: práticas e reflexões. Org. Daiana Stockey Carpes – Santa Cruz do Sul: Catarse, 2016. Disponível em <http://www.audiodescrição-práticas-e-reflexões.pdf>. Acesso em 01. Jul.2017.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MIANNES, F. L. Consultoria em audiodescrição: alguns caminhos e possibilidades. Audiodescrição: práticas e reflexões. Org. CARPES, D. S. – Santa Cruz do Sul: Catarse, 2016. Disponível em: http://www.ufpb.br/cia/contents/manuais/livro-audiodescricao-praticas-e-reflexoes.pdf>. Acesso em 01. Jun. 2017.

MOTTA, L. M. V. de M. M.; ROMEU FILHO, P. (Org.). Audiodescrição: transformando imagens em palavras. São Paulo: Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010.

OLIVEIRA, L. M. B. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR). Brasília : SDH-PR/SNPD, 2012. Disponível em:<http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/cartilha-censo-2010-pessoas-com-deficienciareduzido.pdf>. Acesso em 18. Jun. 2017.

PLAZA, J. Tradução intersemiótica. 1ª ed. - São Paulo: Perspectiva, 2008.

PIERCE, C. S. Semiótica. Trad. José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 2005.

SANTAELLA, L. Matrizes da linguagem e pensamento: sonora visual verbal: aplicações na hipermídia. 3 ed. – São Paulo: Iluminuras, 2009.

_____. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 2007.

SEEMANN, P. A. A.; LIMA, F. J. de; LIMA, R. F. Áudio-descrição no Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa: Um estudo morfológico. In: Revista Brasileira de Tradução Visual (RBTV). Vol. 13, 2012. Disponível em: <http://www.rbtv. associadosdainclusao.com.br>. Acesso 19 Abr. 2017.

SEOANE, A. F. A priorização de informação em roteiros de audiodescrição: O que o rastreamento ocular nos tem a dizer? - Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual do Ceará, Centro de Humanidades, Curso de Mestrado Acadêmico em Linguística Aplicada, Fortaleza, 2012. Disponível em: <http://www.uece.br/posla/dmdocuments/AlexandraFrazaoSeoane.pdf>. Acesso 03. Jun. 2017.

WILDER, G. S. Inclusão social e cultural: arte contemporânea e educação em museus. São Paulo: UNESP, 2009.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

SANTANA CORREIA, J. B. (2017). Áudio-descrição nas Manifestações Artístico Culturais: Uma tradução Intersemiótica. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.526

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo