Da diversidade ao comum: práticas artísticas, cidadania e políticas sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.475

Palavras-chave:

identidade, diversidade cultural, políticas culturais, diferença, práticas artísticas, políticas sociais.

Resumo

Este trabalho aponta problematizações acerca de políticas relacionadas à diversidade, identidade cultural e cidadania, relacionando-as com situações localizadas em experiências artísticas que envolvem a participação de populações diagnosticadas por questões ligadas à saúde mental, vulnerabilidade social e deficiências, dentre outras condições desviantes. Destacam-se aspectos insistentes de formas coloniais, constituintes das relações de poder diante da atual incorporação de lógicas de mercado ao Estado, marcadas pelo neoliberalismo que afeta os processos de produção e realização artístico-culturais e a execução de políticas sociais. Esses processos desafiam a instauração de espaços comuns e de convivência e exigem experimentações para que deslocamentos se produzam. As situações apresentadas têm como característica o estabelecimento de comunidades que não se encaixam em definições identitárias, o que dificulta o acesso dessas populações às políticas culturais e de cidadania, já que se localizam nas fronteiras de certas identidades ou tem como critérios de agrupamento diagnósticos sociais e/ou de saúde. No entanto, são experiências que parecem trazer elementos que desafiam a lógica das políticas identitárias e a noção de identidade e diversidade cultural, pois instauram circunstâncias de desencaixe a esta lógica. Serão apontadas estratégias que vêm sendo implementadas por agentes que atuam neste no âmbito intersetorial desse campo, considerando os modos de produção da subjetividade contemporânea, a fim de discutir articulações entre ações estéticas e éticas relacionadas às políticas públicas atuais.

Biografia do Autor

Isabela Umbuzeiro Valent, Universidade de São Paulo

Terapeuta Ocupacional. Mestre e Doutoranda em Estética e História da Arte (USP)

Eliane Dias de Castro, Universidade de São Paulo

Pós-doutorado em Educação e Teoria Geral da Arte na Universidade de Lisboa. Professora Doutora do Programa de Pós-graduação Interunidades em Estética e História da Arte da Universidade de São Paulo

Referências

AGAMBEN, G. A comunidade que vem. Lisboa: Editorial Presença, 1990.

AMARANTE, P. D. C.; LIMA, R. (Coord). Loucos pela diversidade : da diversidade da loucura à identidade da cultura. Relatório Final da Oficina Nacional de Indicação de Políticas Públicas Culturais para Pessoas em Sofrimento Mental e em Situações de Risco Social. Rio de Janeiro, 2008.

BENJAMIN, W. [1934]. O autor como produtor. In: Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 2012.

BLANCHOT, M. La communauté inavouable. Paris: Minuit, 1986.

BRASIL. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

BRASIL. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica ampliada e compartilhada / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009a.

BRASIL. Edital n. 001, de 20 de maio de 2009 - Concurso Público Prêmio Cutlural Loucos pela Diversidade 2009. Ministério da Saúde; Ministério da Cultura, 2009b. Disponível em: <http://www.cultura.gov.br/documents/10883/38605/edital_procuradoria_25maio1.pdf/fef5fa74-0f64-44c9-9079-2bd8d7f12657>. Acesso em: 9 nov. 2015

BRASIL. Lei n. 13.018, de 22 julho de 2014. Brasil, 2014.

CARVALHO, B. S. DE. Subalternidade e possibilidades de agência: uma crítica pós-Colonialista. Revista Estudos Políticos, n. 3, p. 65–69, 2011.

CNPdC. Representantes da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura - gestão 2011 http://pontosdeculturabrasil.redelivre.org.br/a-comissao/representantes/. Acesso em: 29/07/2017.

CASTRO, E.D. A construção dos direitos, o papel e o trabalho da universidade. Fala para a Mesa da Audiência Pública: Câmara Municipal de São Paulo, 16 de novembro de 2016a. Comissão de Saúde, Promoção Social, Trabalho e Mulher. Comissão de Educação, Cultura e Esportes. Disponível em: http://camarasp.flashserverbr.com/23547. Acesso em: 31 jul. 2017

CASTRO, E. D. et al. Território e diversidade: trajetórias da terapia ocupacional em experiências de arte e cultura. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCAR. São Carlos, v. 24, n. 1, p. 3–12, 2016.

CASTRO, E. D.; SILVA, D. D. M. Atos e fatos de cultura: território das práticas, interdisciplinaridade e as ações na interface da arte e promoção da saúde. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 18, n. 3, p. 102–112, 2007.

COSTA, A. L. B. et al. O programa permanente composições artísticas e terapia ocupacional (PACTO): uma proposta de atenção na interface arte-saúde. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 11, n. 2/3, p. 45–55, 2000.

DA SILVA, T. T. A produção social da identidade e da diferença. In: DA SILVA, T. T. (Ed.). Identidade e Diferença. Rio de Janeiro: Ediotra Vozes, 2000. p. 73–102.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUARTE, L. F. D. et al. Vicissitudes E Limites Da Conversão À Cidadania Nas Classes Populares Brasileiras. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 8, n. 22, p. 5–19, 1993.

FABBRINI, R. N. Arte relacional e regime estético : a cultura da atividade dos anos 1990. Revista Científica/FAP (Curitiba), v. 5, p. 11–24, 2010.

FOSTER, H. O artista enquanto etnográfo. Arte & Ensaios, n. 12, p. 36–51, 2005.

FOUCAULT, M. [1979] Microfísica do Poder. 4. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1995.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: A vontade de saber. 12. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1997.

FOUCAULT, M. Michel Foucault , uma entrevista: sexo, poder e a política da identidade. Verve, p. 260–277, 2004.

HARDT, M.; NEGRI, A. Multidão: guerra e democracia na era do Império. Rio de Janeiro: Record, 2005.

HÖFLING, E. D. M. Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos CEDES, v. 21, n. 55, p. 30–41, 2001.

LIMA, E. M. F. A. Desejando a diferença: considerações acerca das relações entre os terapeutas ocupacionais e as populações tradicionalmente atendidas por estes profissionais. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 14, n. 2, p. 64–71, 2003.

LIMA, E. M. F. DE A. et al. Ação e criação na interface das artes e da saúdeRev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, 2009.

NANCY, J.-L. La communauté desoeuvrée. Paris: Christian Bougois, 1986.

NANCY, J.-L. La communauté affrontée. Paris: Galilée, 2001.

PÈLBART, P. P. Elementos para uma cartografia da grupalidade. Próximo ato: questões da teatralidade contemporânea, p. 1–10, 2008.

RANCIÈRE, J. Sobre políticas estéticas. Barcelona: Museu d’Art Contemporani de Barcelona y Servei de Publicacions de la Universitat Autônoma de Barcelona, 2005.

RANCIÈRE, J. O espectador emancipado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

RIBEIRO, A. P. Práticas artísticas e comunidades heterogéneas. In: CRUZ, H. A. (Ed.). . Arte e Comunidade. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian, 2015. p. 6–7.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

VALENT, I. U.; CASTRO, E. D. Por entre as linhas dos dispositivos: desafios das práticas contemporâneas na interface terapia ocupacional e cultura. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCAR. São Carlos, v. 24, n. 4, p. 837–848, 2016.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Valent, I. U., & Castro, E. D. de. (2017). Da diversidade ao comum: práticas artísticas, cidadania e políticas sociais. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.475

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo