Neocolonialismo da Educação no Rio de Janeiro: a política pública de padronização do processo ensino-aprendizagem.

Autores

  • Washington Kuklinski Pereira Fundação de Estudos do Mar (FEMAR); Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME-RJ)

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.470

Palavras-chave:

Neocolonialismo da Educação, Decolonialização da Educação, Rio de JaneiroARAÚJO, Sônia Maria da Silva. Educação do Campo no Brasil, um discurso para além do pós-colonial? Rev.latinoam.cienc.soc.niñez juv 8(1). P.221-242. ARROYO, Miguel. Outros Sujeitos,

Resumo

As políticas públicas de educação ao redor do mundo estão passando por um processo de padronização internacional. O sistema PISA (Programme for International Studant Assiment), que conta atualmente com a participação de 32 países, promove testes internacionais com o objetivo de estabelecer níveis de aprendizado. Para tanto, são criados sistemas genéricos de avaliação que desprezam as particularidades de cada região analisada. Além disso, há a proposta de mecanização do conhecimento, sendo estabelecidos apenas parâmetros para mensurar pseudo competências sobre o entendimento de Ciências, Matemática e a capacidade de leitura dos estudantes.

Muitos países são signatários do sistema PISA. Sendo assim, as políticas públicas destes passaram a estabelecer metas que direcionam o processo ensino-aprendizagem a uma padronização internacionais e desprezam a formação crítica do indivíduo. Inspirada no sistema PISA, no ano de 2009, a prefeitura do Rio de Janeiro criou a Prova Rio. Desde então, a Secretaria Municipal de Educação busca, a partir de um sistema genérico, estabelecer o nível de aprendizagem, nas disciplinas de Português, Matemática e Ciências, dos discentes inscritos regularmente na rede municipal de educação do Rio de Janeiro.

A partir desta perspectiva, o trabalho tem como objetivo discutir as políticas públicas do Neoconialismo da educação, tendo como foco o exemplo da cidade do Rio de Janeiro. Além disso, propõe estimular práticas de decolonização da educação como forma de resistência a essa política pública de educação.

Biografia do Autor

Washington Kuklinski Pereira, Fundação de Estudos do Mar (FEMAR); Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME-RJ)

Doutor em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Professor da Fundação de Estudos do Mar (FEMAR), responsável pela disciplina de História da Marinha Mercante; Professor da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME-RJ), atuando nas escolas Frei Gaspar e Comunidade Vargem Grande.

Referências

ARAÚJO, Sônia Maria da Silva. Educação do Campo no Brasil: um discurso para além do pós-colonial? Rev.latinoam.cienc.soc.niñez juv 8(1). P.221-242.

ARROYO, Miguel. Outros Sujeitos, Outras Pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Ed. UFMG: Belo Horizonte, 2005.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

FREIRE, Paulo. A educação como prática da liberdade. 23ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

_______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43ª ed., São Paulo: Paz e Terra, 2011.

_______. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

_______. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. 1ª ed. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 5ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GROSFOGUEL, Ramón. Decolonizing Post-Colonial Studies and Paradigms of Political Economy: Transmodernity, Decolonial Thinking, and Global Coloniality. TRANSMODERNITY: Journal of Peripheral Cultural Production of the Luso-Hispanic World, School of Social Sciences, Humanities, and Arts, UC Merced. Disponível em: http://escholarship.org/uc/item/21k6t3fq Acesso em: 01/04/2017

LEMOV, Doug. Aula nota 10: 49 técnicas para ser um professor campeão de audiência. 4. ed. Porto Alegre: Penso, 2016.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. Rio de Janeiro: Access-Editora, 1999.

MORAIS, Regis de. Sala de aula: que espaço é esse? Ed. Papirus, 1994.

NETO, João Colares da Mota. Paulo Freire e o pós-colonialismo na educaçãoPopular latino-americana. Revista Educação Online nº 14, p.25-38 , ago./dez. de 2013.

NOVASKI, Augusto João Crema. Sala de aula: uma aprendizagem do humano. In.: MORAIS, Regis de. Sala de aula: que espaço é esse? Ed. Papirus, 1994.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

RIBEIRO, Fábia Barbosa. Educação e ensino de História em contextos coloniais e pós-coloniais. mneme – revista de humanidades, Caicó, v. 16, n. 36, p. 27-53, jan./jul. 2015. Dossiê Ensino de História

RINCÓN, Lenin González. Neocolonialismo pedagógico VS Educación libertadora nuestroamericana. In: Portal Aporrea. Disponível em: https://www.aporrea.org/educacion/a186225.html Acesso em: 01/04/2017

TIKLY, Leon. Globalisation and Education in Postcolonial World: towards a concepyual framework. Comparative Education, Vol 37, No. 2, 2001 pp. 151-171. Disponível em : http://www2.fiu.edu/~ilonl/publications/globalisation%20and%20education.pdf Acesso em Acesso em: 01/04/2017

Portal da Educopédia. Disponível em: http://www.educopedia.com.br/ Acesso em: 01/04/2017

Portal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=330455 Acesso em: 01/04/2017

Portal da Prefeitura do Rio de Janeiro. Disponível em: http://prefeitura.rio/web/smeel/educacao-em-numeros Acesso em: 01/04/2017

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Pereira, W. K. (2017). Neocolonialismo da Educação no Rio de Janeiro: a política pública de padronização do processo ensino-aprendizagem. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.470

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo