Reflexões acerca do conceito de cultura nas pesquisas em História da Educação: o embate entre jesuítas e nativos na América portuguesa do século XVI e XVII.

Autores

  • Leandro Lente de Andrade Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG)

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.459

Palavras-chave:

Cultura, História, Educação, Indígenas, Jesuítas

Resumo

O presente artigo procura trazer algumas reflexões acerca do uso do conceito de cultura ao se tratar de pesquisa em história cultural na América portuguesa, sobretudo no século XVI e XVII e a relação educacional entre os jesuítas e os nativos. Para isso, será traçado alguns comentários acerca das transformações na definição do conceito de cultura ao longo da história, bem como, no que consistia o termo cultura no período em questão. As representações dos elementos culturais pelos sujeitos que deixaram registros (nas cartas jesuíticas, por exemplo) e a consequente ausência, no período, de um termo que abranja todo o significado que a pesquisa exige. É sugerida uma definição apropriada de cultura a ser adotada e a História Cultural como viés de construção histórica da cultura, a importância de Michel de Certeau e Carlo Ginzburg, assim como a contribuição de Michel Foucault para a análise do discurso. E, por fim, é traçado um paralelo com as recentes tendências nas pesquisas em Educação, tendo em vista as reflexões abordadas no corpo do texto.

Biografia do Autor

Leandro Lente de Andrade, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG)

Mestrando em Educação pela Universidade Federal de Alfenas-MG (Unifal-MG). Graduado em Geografia (licenciatura), acadêmico do curso de História (licenciatura); ambos, também, pela Unifal-MG. É pesquisador no Grupo de Pesquisa "Educação, Sociedade e Teorias Pedagógicas - HISTEDBR/UNIFAL-MG"; e no Programa de Pós-graduação em Educação. Atuou profissionalmente como professor substituto de Geografia na rede Estadual de ensino (9º ano e Ensino Médio) e também como professor das disciplinas História Geral, Sociologia e Questões Contemporâneas no curso pré-vestibular Pró-Federal (Sistema POLIEDRO) em Alfenas, onde atua como professor de Filosofia. Também realiza trabalho de tutoria no curso de Pedagogia EAD da Univerisidade Federal de Alfenas-MG.

Referências

ANCHIETA, José de. Cartas: informações, fragmentos históricos e sermões do Padre Joseph de Anchieta. S. J. (1554-1594). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1933

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BURKE, Peter. A Escola dos Annales: a revolução francesa da historiografia (1929 - 1989). São Paulo: UNESP, 1997.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo-SP: Cosac & Naify, 2002.

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. 6ª ed. Campinas: Papirus, 2010.

________. A invenção do cotidiano. 3ª Ed. Petrópolis-RJ: Editora Vozes, 1998.

________. História e psicanálise: entre ficção e realidade. Tradução: Guilherme João de Freitas Teixeira. Belo Horizonte:MG: Autêntica Editora, 2011.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietude. Cap. 2 e 6. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. 2ª Ed. Bauru-SP: EDUSC, 2002.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Escolarização, culturas e práticas escolares no brasil: elementos teórico-metodológicos de um programa de pesquisa. In: LOPES, A. A. B de M.; GONÇALVES, I. A.; FARIA FILHO, L. M. de; XAVIER, M de C. (orgs.) História da educação de Minas Gerais. Belo Horizonte: FCH/FUMEC, 2002.

FERNANDÉZ, María Cecilia. Ginzburg y De Certeau: las relaciones entre classe y cultura em el estúdio de las culturas populares. In: Oficios Terrestres, año 20 – Vol.30 – nº 30, p.151-159, Enero-Junio, 2014.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Cap. 1. Rio de Janeiro-RJ: LTC, 2008.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. p. 143-179 In: ______. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HANSEN, João Adolfo. O nu e a luz: cartas jesuíticas do Brasil. Nóbrega - 1549 – 1558. Rev. Inst. Est., SP, 38:87-119, 1995.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. p. 9-43. In: Revista Brasileira de História da Educação, nº 1, jan./jun., 2001.

LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros Jesuítas do Brasil. São Paulo, Comissão do IV Cent. da Cid. de São Paulo, v II. 1954.

________. Monumenta Brasiliae v. III (1558-1563) Roma: Monumenta Historica Societatis Iesu, 1958.

NÓBREGA, Manuel da. Cartas Jesuíticas v. I: Cartas do Brasil (1549-1560). Rio de Janeiro: Officina Industrial Graphica, 1931.

________. Diálogo sobre a Conversão do Gentio. São Paulo: ΜεταLibri, 2006.

ROTH, Wolfgang. A semântica histórica: um campo abandonado da linguística? In: Rev. Filologia e Linguística Portuguesa, n. 2, p. 61-79, 1998

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Andrade, L. L. de. (2017). Reflexões acerca do conceito de cultura nas pesquisas em História da Educação: o embate entre jesuítas e nativos na América portuguesa do século XVI e XVII. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.459

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo