Cultura: Olhares sob a perspectiva do ICAL e a Linha de Pesquisa Cultura, Colonialidade/Descolonialidade e Movimentos Sociais

Autores

  • Senilde Alcantara Guanaes Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA
  • Gerson Galo Ledezma Meneses Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.380

Palavras-chave:

Cultura, Estado, Colonialidade/Decolonialidade

Resumo

O nosso objetivo neste texto é mostrar a forma como entendemos a Cultura sob a perspectiva do Mestrado em Integração Contemporânea da América Latina, ICAL, da Unila, especificamente a partir de reflexões desde a linha de pesquisa Cultura, Colonialidade/descolonialidade e Movimentos Sociais.

 

Biografia do Autor

Senilde Alcantara Guanaes, Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA

Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1996) com área de concentração em Antropologia, mestrado em Antropologia Social (2001) e doutorado em Ciências Sociais (2006), com ênfase em Antropologia, ambos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Realizou estágio de doutorado no INRA - Institute National de Recherche Agronomique de Paris (2005) com pesquisa sobre o modelo francês de gestão ambiental, tendo realizado pesquisa de campo com pequenos agricultores, guarda parques e nativos do Parc des Cévennes na região central da França. Com o apoio da FAPESP realizou estudos de Pós doutorado junto ao Departamento de Ciências Sociais e Educação da Faculdade de Educação/UNICAMP com pesquisas no Mosaico Juréia-Itatins, região de mata atlântica no litoral sul de São Paulo. Atualmente é professora adjunta II do curso de Antropologia da UNILA - Universidade Federal da Integração Latino Americana e professora permanente do Programa de Mestrado em Integração Contemporânea da América Latina - PPG-ICAL. Trabalha com temas como unidades de conservação; populações tradicionais, rurais e indígenas; movimentos sociais e organizações políticas.

Gerson Galo Ledezma Meneses, Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA

Possui graduação em Licenciatura em Educação -História - Universidad del Cauca (1989), mestrado em História Andina -Bolívia, Peru, Equador e Sul da Colômbia, Universidad del Valle (1995) e doutorado em História Social pela Universidade de Brasília (2000). Atualmente é professor efetivo adjunto IV da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, no curso História-América Latina e no programa de pós-graduação em Integração Contemporânea de América Latina, ICAL. Diretor pró-tempore do Instituto Latino-americano de Arte, Cultura e História, ILAACH, da Unila. Ex-professor da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, onde foi Adjunto III. Ex-professor das universidades Del Cauca, Popayán, Estadual de Goiás, UEG e da Universidade de Brasília, UNB. Professor Visitante na Universidade Nacional da Colômbia, sede Bogotá, 2013.Foi membro diretor da ANPUH-CE, biênio 2007-2009. Tem experiência na área de História, com ênfase em História da América Latina, atuando principalmente nos seguintes temas e linhas de pesquisa: primeiro centenário da independência, história das Relações Internacionais; memória, imaginários, festa; interculturalidade/colonialidade/decolonialidade. Trabalha as festas comemorativas do I Centenário da Independência na Colômbia, Brasil, Chile, Argentina, Equador, Peru, Bolívia e Uruguai.

Referências

ARCHETTI, Eduardo P., ¿Cuántos centros y periferias en antropología? Una visión crítica de Francia. In: ESCOBAR Arturo & RIBEIRO Gustavo. Antropologías del mundo Transformaciones disciplinarias dentro de sistemas de poder. México: Universidad Autónoma Metropolitana/Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social/ Universidad Iberoamericana/Envión/The Wenner-Gren International, 2009.

BHABHA, Homi K. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BOAS, Franz, A mente do ser humano primitivo. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

BOBBIO, Norberto, Teoria Geral da Política: a filosofia política e as lições dos clássicos. 11ª. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

BRONISLAW, Malinowski, Uma teoria cientifica da cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

CARNEIRO DA CUNHA, M., Cultura com Aspas e Outros Ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

CARVALHO Carolina Minardi de; GUIMARÃES Leonardo Massula;

ZANDOMÊNICO Renan Ribeiro. Entre Kultur e Civilization: uma análise da formação do conceito de civilização e cultura na transição do feudalismo para o capitalismo, a partir dos textos de Norbert Elias. In: Revista História em Curso, Belo Horizonte, v. 3, n. 3, 2013.

CARVALHO, J. M. de, Cidadania no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CASTRO GÓMEZ, Santiago, “Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da” invenção do outro”. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Coleccion Sur Sur, CLACSO, 2005.

CHAUI, Marilena 1986. Conformismo e Resistência: Aspectos da cultura popular no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense.

DAGNINO, Evelina. ¿Sociedade civil, participação e cidadania: de que estamos falando? In: Daniel Mato (coord.), Políticas de ciudadanía y sociedad civil en tiempos de globalización. Caracas: FACES, Universidad Central de Venezuela, 2004, pp. 95-110.

_______. Os Movimentos Sociais e a Emergência de uma Nova Noção de Cidadania. In: Evelina Dagnino (org.), Os Anos 90: Política e Sociedade no Brasil. S.Paulo: Editora Brasiliense, 1994, pp. 103-115.

_______. Dagnino, Evelina (2000) Cultura, cidadania e democracia: a transformação dos discursos e práticas na esquerda latino-americana. In Sonia Alvarez, Evelina Dagnino e Arturo Escobar (orgs.), Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos: novas leituras, 2000, pp. 61-102.

DE CASTRO-SANTOS, Luiz Antonio, Power, Ideology, an Public Health in Brasil, 1889-1930, Harvard University, Cambridge, Massachusetts, 1987, Tesis de Doctorado, especialmente el capítulo III “The Public Health Movement in Brasil: Ideologies, Issues, and Policies”, pp. 95-157.

DE SOUZA, Vanderlei Sebastião. Em nome da raça: a propaganda eugênica e as ideias de Renato Kehl nos anos 1910-1920. En: Revista de História Regional. 11 (2): 2006, 29-70. Disponible en: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/viewFile/2230/1712 Consulta 08/04/2016.

DOS SANTOS, Ricardo Augusto, ‘Branqueamento’ do Brasil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, n.1, pp. 221-224, jan.-mar. 2008. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/hcsm/v15n1/14.pdf Consulta 08/04/2016.

DUSSEL, Enrique, 1492. El encubrimiento del otro. Hacia el origen del “mito de la Modernidad”. La Paz: Plural/ UMSA, 1994.

ELIAS, Norbert, O Processo Civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

ESCOBAR Arturo & RIBEIRO Gustavo. Antropologías del mundo

Transformaciones disciplinarias dentro de sistemas de poder. México: Universidad Autónoma Metropolitana/Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social/ Universidad Iberoamericana/Envión/The Wenner-Gren International, 2009.

ESCOBAR, Arturo, SENTIPENSAR CON LA TIERRA. NUEVAS LECTURAS SOBRE DESARROLLO, TERRITORIO Y DIFERENCIA. Medellín, Unaula, 2014.

FANON, Franz, Piel negra, máscaras blancas. Buenos Aires: Abraxas, 1973.

FANON, Franz, Los condenados de la tierra. México: Fondo de Cultura Económica, 1963.

FREYRE, Gilberto, Casa Grande e Senzala. 51ed. São Paulo: Global, 2006

GEERTZ, Clifford. ‘do ponto de vista dos nativos’: a natureza do entendimento antropológico. Capítulo 3. In: O saber local. Novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 2012.

GEERTZ, Clifford. Nova Luz Sobre Antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001;

IANNI, Octávio, Revolução e Cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

JIMÉNEZ GUERRA, Miguel Ángel, “El crisantemo y la espada”, Japón según Ruth Benedict. Disponível in: http://suite101.net/article/el-crisantemo-y-la-espada-japon-segun-ruth-benedict-a45509#.VwqWMvkrK1s Consultado em: 10/04/2016.

KROTZ, Esteban, La antropología mexicana y su búsqueda permanente de identidade. In: ESCOBAR Arturo & RIBEIRO Gustavo. Antropologías del mundo Transformaciones disciplinarias dentro de sistemas de poder. México: Universidad Autónoma Metropolitana/Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social/ Universidad Iberoamericana/Envión/The Wenner-Gren International, 2009.

KUPER, Adam, Antropólogos e antropologia. Rio de Janeiro. F. Alves, 1978. Ver capítulo IV “Antropologia e colonialismo”, pp. 121-145.

KUPER, Adam, Cultura. La versión de los antropólogos. Especialmente I Parte «Genealogías». Barcelona: Paidós, 2001, pp. 41-64.

LANDER, Edgardo, Ciencias Sociales: saberes coloniales y eurocéntricos. In. LANDER, Edgardo (editor). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Buenos Aires: Unesco/Clacso/Faces UCV, 2000.

LAPLANTINE, François, Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 2003.

LÉVI-STRAUSS, Claude, Las Estructuras elementales del Parentesco. Barcelona: Paidós Ibérica, 1991.

MUNANGA, Kabngele, A antropologia e a colonização na África. En: Caderno Cândido Mendes – Estudos Afro-Asiáticos 1. Rio de Janeiro, jan-abril de 1978.

NKWI, Paul Nchoji, La antropología en una África poscolonial: el debate de supervivência. In: ESCOBAR Arturo & RIBEIRO Gustavo. Antropologías del mundo Transformaciones disciplinarias dentro de sistemas de poder. México: Universidad Autónoma Metropolitana/Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social/ Universidad Iberoamericana/Envión/The Wenner-Gren International, 2009.

NUNES PEREIRA, José Maria, Colonialismo, racismo y descolonización. Caderno Cândido Mendes – Estudos Afro-Asiáticos 2. Rio de janeiro, maio-agosto de 1978.

ORTIZ, Renato, Da Modernidade Incompleta à Modernidade-Mundo. Revista Idéias. Campinas: IFCH/Unicamp, 1999.

________. Cultura Brasileira e Identidade Nacional, São Paulo: Brasiliense, 1985.

OYUELA-CAYCEDO, Augusto, Arqueología Biográfica: Las raíces Nazis de Erasmus Reichel, la vida en Austria (1912-1933). In: Memorias, No 18 (2012). Disponível em: http://rcientificas.uninorte.edu.co/index.php/memorias/article/viewArticle/4839/3831 Consulta em: 11/04/2016.

PIERUCCI, Antonio Flávio, Ciladas da Diferença. Tempo Social: Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 2(2): 7-33, 2.sem. 1990.

PRICE, David, La denuncia de Franz Boas. In: Opera Mundi, 10 de junio de 2009. Disponível: http://www.operamundi-magazine.com/2009/06/la-denuncia-de-franz-boas.html Consultado em 09/04/2016.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder y clasificación social. In:

CASTRO-GÓMEZ, Santiago & GROSFOGUEL, Ramón (editores). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidade epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores/Universidad Central/ Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Uniuversidad Javeriana/Instituto Pensar, 2007.

RODRIGUES, Nina, Os africanos no Brasil. São Paulo: Nacional, 1962.

SANTOS, Boaventura de Sousa, Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação. São Paulo: Boitempo, 2007.

SEN, Amartya, Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SHIVA, Vandana, Monoculturas da Mente. São Paulo: Global Editora, 2002.

________. Biopirataria – a pilhagem da natureza e do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2001.

SILVA, Josué Pereira da Silva. Cidadania e/ou Trabalho: o dilema da questão social neste final de século. Revista Ideias. Campinas: IFCH/Unicamp, 1999.

SKIDMORE, Thomas, Preto no Branco. Raça e nacionalidade no pensamento brasileiro (1870-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

SOUZA, Mauricio Rodrigues de. Experiência do outro, estranhamento de si: dimensões da alteridade em antropologia e psicanálise. São Paulo, 2007. Doutorado (Doutor em Psicologia). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo – USP.

VIANNA, Francisco José de Oliveira, Evolução do povo brasileiro. 4.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

VILLEGAS, Fabián: una entrevista “En Blanco y Prieto”. 03/04/2016. Disponível in: https://canalcultura.org/2016/04/03/fabian-villegas-una-entrevista-en-blanco-y-prieto/ Consulta em 09/04/2016.

WALLACE, Arturo, La conexión nazi de la antropología colombiana. In: Opera Mundi, 15 de agosto de 2012. Disponível in: http://www.operamundi-magazine.com/2012/08/la-conexion-nazi-de-la-antropologia-colombiana.html Consultado em: 10/04/2016.

WALLERSTEIN, I. O sistema mundial moderno. Vol. II: o mercantilismo e a consolidação da economia-mundo europeia, 1600-1750. Porto: Ed. Afrontamentos, 1980.

WALLERSTEIN, I. El moderno sistema mundial (III). La segunda era de gran expansión de la economía-mundo capitalista, 1730-1850. Madrid: Siglo XXI de España, 2010.

WALLERSTEIN, I. O sistema mundial moderno. Vol. I: a agricultura capitalista e as origens da economia-mundo europeia no século XVI. Porto: Ed. Afrontamentos, 1974.

WALLERSTEIN, Immanuel, Análisis de Sistemas-Mundo Una introducción. México: Siglo XXI, 2006.

WALSH, Catherine, Interculturalidad, pluralidad e decolonialidad: las insusurgencias político-epistemicas de refundar o Estado. In: Tabula Rasa, vol. 9, 2008, pp. 131-152.

WALSH, Catherine, Interculturalidad, Estado y Sociedad. Luchas (de)coloniales de nuestra época. Quito: Universidad Andina Simón Bolívar, Editora Abya-Yala, 2009.

Downloads

Publicado

31/12/2016

Como Citar

Alcantara Guanaes, S., & Ledezma Meneses, G. G. (2016). Cultura: Olhares sob a perspectiva do ICAL e a Linha de Pesquisa Cultura, Colonialidade/Descolonialidade e Movimentos Sociais. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(4), 19–41. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.380

Edição

Seção

Dossiê - Cultura, Política e Integração em Contextos Pós-Coloniais