A juventude da periferia na escola: o que é problema?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.313

Palavras-chave:

aluna/o-problema, indisciplina, identidade

Resumo

Este artigo objetivou problematizar a noção de “aluna/o-problema”, inicialmente definida por critérios como baixo rendimento escolar, indisciplina, recuperação paralela, com vistas a compreender como tal noção é apropriada e resignificada pelos diferentes sujeitos da comunidade escolar e como opera na construção de identidades das/os estudantes Para tanto, utilizou-se a metodologia de pesquisa qualitativa, a partir da abordagem de Estudo de Caso, entre estudantes do 7º ano de uma Escola Municipal de um bairro periférico da cidade de Uruguaiana/RS. Concluiu-se que a noção de “aluna/o- problema” guarda uma complexidade de sentidos e aponta para o encontro entre universos simbólicos e visões de mundo distintos no espaço escolar, constituídos por marcadores sociais da diferença que se interseccionam, tais como gênero, raça, classe. Ao descortinar esses significados implícitos, esta pesquisa buscou contribuir para o repensar das alteridades no contexto escolar e das relações de ensinagem e aprendizagem. Levando-se em conta que a construção das identidades sociais é um processo relacional, dinâmico e transitório, foi relevante problematizar os diferentes significados atribuídos à noção de problema, de forma a produzir conhecimento sobre essa realidade e, assim, contribuir para a sua transformação.

Biografia do Autor

Michele Lopes Leguiça, Unipampa, Campus Uruguaiana

Licenciatura Plena em Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria (2009). É estudante de graduação no curso de Educação Física da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) desde 2015. Pesquisador do Núcleo de Estudos Afro brasileiro da UNIPAMPA - NEAB. Integrante do Grupo de Pesquisa em Educação, Corporeidade e Relações Étnico - Raciais. Especialista em História Cultura Africana, Afro- brasileira e Indígena da UNIPAMPA- Campus Uruguaiana 

Alinne de Lima Bonetti, Unipampa, Campus/Uruguaiana

Antropóloga, licenciada em Ciências Sociais pela UFRGS (1997), mestra em Antropologia Social pela UFSC (2000) e doutora em Ciências Sociais, área estudos de gênero, pela Unicamp (2007). Atualmente é Professora Adjunta da Universidade Federal do Pampa. Dentre os seus temas de interesse e pesquisa estão: gênero, poder, política, cidadania, movimentos sociais, feminismo, desigualdades e suas interseccionalidades, teoria feminista, antropologia feminista e teoria antropológica.

Referências

FLICK, Uwe. Introdução á pesquisa qualitativa / Uwe Flick ; tradução Joice Elias Costa. – 3. Ed. – Porto Alegre: Artmed, 2009

FONSECA, Claudia- Caminhos da Adoção. São Paulo: Cortez, 1995.

___________. Amor e família: vaca sagrada de nossa época? In D’INCAO, Maria Angela e et al. Amor e família no Brasil. São Paulo: Contexto,1989.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, nº 2, jul./dez.1997

MORIN, Edgar, 1921- Os sete saberes necessários à educação do futuro/ Edgar Morin; tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho. – 2. Ed.rev. – São Paulo: Cortez; Brasilia, DF: UNESCO, 2011

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade. Uma introdução ás teorias do currículo/Tomaz Tadeu. - 3. Reimp – Belo Horizonte: Autentica 2011.

Downloads

Publicado

31/12/2016

Como Citar

Leguiça, M. L., & Bonetti, A. de L. (2016). A juventude da periferia na escola: o que é problema?. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(4), 507–519. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.313

Edição

Seção

Dossiê - Alteridades, Interseccionalidades e Educação