Juventude em situação de vulnerabilidade social na cidade de Santo Ângelo, relações e concepções dos jovens acerca do meio urbano

Autores

  • Paula Cristiele Steinhaus

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.294

Palavras-chave:

ciências sociais, ciências humanas, políticas culturais,

Resumo

Este trabalho foi elaborado a partir do projeto de pesquisa “Juventude em situação de vulnerabilidade social na cidade de Santo Ângelo, relações e concepções dos jovens acerca do meio urbano” que teve por objetivo proporcionar, através de grupo com os jovens, um espaço para discussão a respeito do meio urbano e acesso à cidade; Dar visibilidade aos jovens santoangelenses que vivem em situação de vulnerabilidade social; Conhecer as expectativas e projeções de futuro dos mesmos e incentivar a participação política nos meios em que estavam inseridos. O grupo ocorreu numa escola de ensino fundamental e a pesquisa seguiu na linha teórica da esquizoanálise valendo-se da cartografia como método. Considerando que o tema mais presente nas discussões foi a violência em diferentes contextos, destacamos a importância de ações que articulem poder público, instituições de ensino e sociedade civil, visando a redução das desigualdades sociais, já que esse é um fator diretamente relacionado ao fenômeno da violência e a outros fatores negativos.

Referências

ABRAMOVAY, M. et. al. Juventude, Violência e Vulnerabilidade Social na América Latina: Desafios para Políticas Públicas. Brasília: UNESCO, BID, 2002. p. 56.

BARROS, M.; SILVA, F., O trabalho do cartógrafo do ponto de vista da atividade. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; TEDESCO, S (Org.) Pistas do método da cartografia: A experiência da pesquisa e o plano comum. v. 2. Porto Alegre: Sulina, 2014. p. 128 – 152.

CONJUVE. Conselho Nacional de Juventude et al (Org.) Política nacional de juventude: diretrizes e perspectivas. São Paulo: Fundação Friedrich Ebert, 2006. Disponível em: http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/05611.pdf. Acesso em: 12 de junho 2016.

Guia de Políticas Públicas de Juventude. Brasília: Secretaria Geral da Presidência da República, 2006. Disponível em: http://secretariadegoverno.gov.br/.arquivos/guiajuventude.pdf. Acesso em 12 de junho 2016.

DIGIÁCOMO, M. J. 1969. Estatuto da criança e do adolescente anotado e interpretado. Curitiba: Ministério Público do Estado do Paraná. Centro de Apoio Operacional das Promotorias da Criança e do Adolescente, 2013, p. 05.

DUARTE, R.; BARROS, B. Grupo e produção. Saúde e loucura: grupos coletivos. São Paulo: Hucitec, 1994, p. 151.

GOHN, M. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde e Sociedade. v.13, n.2, p.20-31. mai/ago, 2004.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Atlas do desenvolvimento humano. Disponível em: <http://www.atlasbrasil.org.br/2013/>. Acesso em 15 de outubro de 2015.

MARQUES, A. C. R.; CRUZ, M. O adolescente e o uso de drogas O adolescente e o uso de drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 22, p. 32, 2000.

PAIVA, V et al. Idade e uso de preservativo na iniciação sexual de adolescentes brasileiros. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, p. 42, 2008.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. Sobre a formação do cartógrafo e o problema das políticas cognitivas. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção da subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2014, p. 203.

Downloads

Publicado

31/12/2016

Como Citar

Steinhaus, P. C. (2016). Juventude em situação de vulnerabilidade social na cidade de Santo Ângelo, relações e concepções dos jovens acerca do meio urbano. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(4), 158–165. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.294

Edição

Seção

Dossiê - Formação Acadêmica, Educação e Sociedade