Escritas Urbanas: sobre expressões artísticas na fronteira

Autores

  • Cláudia Mariza Mattos Brandão Centro de Artes, Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.272

Palavras-chave:

Artes Visuais, Escritas Urbanas, Fronteira, História.

Resumo

Este artigo tem por objetivo discutir sobre os resultados parciais de pesquisa desenvolvida no âmbito do projeto “O PARA-FORMAL NA FRONTEIRA BRASIL-URUGUAI: controvérsias e mediações no espaço público”, cujas ações são dedicadas a dar voz e visualidade à "para-formalidade" nas cidades da fronteira-sul que fazem a divisa/união entre Brasil e Uruguai (Santana do Livramento-Rivera, Quaraí-Artigas, Jaguarão-Rio Branco, Barra do Quaraí-Bella Unión, Chuí-Chuy e Aceguá-Aceguá), relacionando as questões fronteiriças e a UFPel, a partir de cartografias urbanas e sociais. Trata-se, em especial, de analisar o inventário das produções fotográficas da pesquisadora, durante viagem pela região de fronteira entre Brasil e Uruguay, em março de 2016. Esse levantamento visual tem como foco as Escritas Urbanas, manifestações poéticas/artísticas que povoam muitas cidades contemporâneas, cujas significações surgem com a compreensão das intrínsecas relações entre o fenômeno (a cidade), o sujeito e seu contexto social e histórico. Tal apreciação contempla as escritas urbanas como construções estéticas e discursivas, cuja presença em território de fronteira dá visibilidade a questões particulares desses espaços. Além disso, os registros fotográficos manifestam-se como sínteses simbólicas da experiência vivida, devaneios poéticos acerca do espaço, como propõe Gaston Bachelard.

Biografia do Autor

Cláudia Mariza Mattos Brandão, Centro de Artes, Universidade Federal de Pelotas

Professora adjunta no Centro de Artes, curso Artes Visuais - Licenciatura. Doutora em Educação, Mestre em Educação Ambiental, Especialista em Artes e educação Física na Educação Básica, graduada em Artes Visuais - Licenciatura

Referências

BERGER, John. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

BACHELAR, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BADERNA, Coletivo. SITUACIONISTA – Teoria e Prática da Revolução/Internacional Situacionista. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2002.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas. 4ª ed. São Paulo: Edusp, 2003.

GITAHY, Celso. O que é graffiti? São Paulo, SP: Editora Brasiliense, 1999.

PESSANHA, José Américo Motta. BACHELARD E MONET: O OLHO E A MÃO. In: NOVAES, Adaulto et al. O OLHAR. São Paulo: Cia das Letras, 1988, p.149-165.

STAHL, Johannes. STREET ART. Berlim: H. F. Ullmann, 2009.

TACUSSEL, Patrick. PERFIL DE UMA LENDA MODERNA. In: GUTFREIND, Cristiane Freitas; SILVA, Juremir Machado da (orgs). Guy Debord antes e depois do espetáculo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007, p.11-29.

Downloads

Publicado

31/12/2016

Como Citar

Brandão, C. M. M. (2016). Escritas Urbanas: sobre expressões artísticas na fronteira. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(4), 780–794. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.272

Edição

Seção

Dossiê - História, Memória e Identidades