O Maranhão e suas relações étnico-raciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v8i2.2270

Palavras-chave:

Maranhão, Indígena, Negro, Cultura, Sociedade

Resumo

Este artigo visa apresentar o Maranhão e suas relações étnico-raciais, pois o estado foi explorado pelos europeus, a população indígena do Maranhão está entre as mais significativas do país no ponto de vista numérico e possui o maior número de população negra do país. Utilizou-se nesse estudo o método materialista histórico-dialético, buscando compreender o estado e suas características políticas, econômicas, históricas, sociais e culturais. Dessa forma, os referenciais teóricos são: Marx (2013), Santos (2015), Pelegrino (2014), Pereira (2006), entre outros. Concluímos que ainda hoje se encontra muita desigualdade social, resultado de uma sociedade servil e escravocrata, construída a partir de interesses oligárquicos e da classe dominante, onde o negro é a maioria nos segmentos mais pobres, sendo a classe trabalhadora explorada no capitalismo.  

Biografia do Autor

Janine Alessandra Perini, Universidade Federal do Maranhão

Doutora em Artes Visuais-pela UDESC, professora de Artes Visuais da UFMA, do Centro de São Bernardo. Contato: janine.perini@ufma.br

Referências

ARAUJO, Elienê Pontes de; LOPES, Jucivan Ribeiro; FILHO, Raimundo Carvalho. Aspectos socioeconômicos e de evolução do desmatamento na Amazônia maranhense. In: MARTINS, Marlúcia Bonifácio; OLIVEIRA, Tadeu Gomes de (orgs.). Amazônia Maranhense: Diversidade e Conservação. Belém: MPEG, 2011. Disponível em: file:///C:/Users/Dell/Downloads/amaznia%20maranhense.pdf. Acesso em: 01 abr. 2021.

BOTTOMORE, Tom (org.). Dicionário do pensamento Marxista. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2º ed., 2012. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2543654/mod_resource/content/2/Bottomore_dicion%C3%A1rio_pensamento_marxista.pdf. Acesso em 07 jul. de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Ético-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira. Brasília: MEC, 2004.

CRISTO, Keley Kristiane Vago. Trabalho escravo rural contemporâneo: superexploração extremada, latifúndio e estado. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo. Programa de Pós-Graduação em Política Social. Vitória, ES. 2008. Disponível em: http://portais4.ufes.br/posgrad/teses/tese_2781_Keley%20Kristiane%20Vago%20Cristo.pdf. Acesso em: 07 jul. de 2021.

GONÇALVES, Maria de Fátima da Costa. A invenção de uma rainha de espada: reatualizações e embaraços na dinâmica política do Maranhão Dinástico. 2006. 288 f. Tese (Doutorado em Políticas Públicas) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2006. Disponível em: https://tede2.ufma.br/jspui/bitstream/tede/758/1/Fatima%20Goncalves.pdf. Acesso em: 07 jul. de 2021.

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO. Secretaria de Estado da Cultura. Plano Estadual da Cultura. Políticas de Estado para a Cultura: O direito a ter direito à Cultura. 2015-2025. São Luís, MA, 2014. Disponível em: http://www.cultura.ma.gov.br/portal/sgc/modulos/sgc_sede/download/download_arquivo/2015.01.21-ID.127-Plano_Estadual_de_Cultura__Livro.pdf. Acesso em: 18 abr. de 2021.

GUILHON, M. V. M. Sarneismo no Maranhão: os primórdios de uma oligarquia. Revista de Políticas Públicas, São Luís, v. 11, n. 1, p. 125-148, jan./jun. 2007. Disponível em: file:///C:/Users/Dell/Downloads/10158-30596-1-PB.pdf. Acesso em: 06 abr. 2021.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Cidadania e retóricas negras de inclusão social. In: Lua Nova. São Paulo, 85: 13-40, 2012. Disponível em: http://www.producao.usp.br/bitstream/handle/BDPI/38985/S0102-64452012000100002.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 07 jul. de 2021.

IBGE. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf. Acesso em: 23 abr. 2021.

_____. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101678.pdf. Acesso em: 21 abr. 2021.

_____. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Os indígenas no Censo Demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/indigenas/indigena_censo2010.pdf. Acesso em: 23 abr. 2021.

MARTINS, Marlúcia Bonifácio; OLIVEIRA, Tadeu Gomes de (orgs.). Amazônia Maranhense: Diversidade e Conservação. Belém: MPEG, 2011. Disponível em: file:///C:/Users/Dell/Downloads/amaznia%20maranhense.pdf. Acesso em: 01 abr. 2021.

MARX, Karl. O capital. Tradução e condensação de Gabriel Deville. Bauru, SP: EDIPRO, 3. ed., 2. reimp. 2013.

MOURA, W. C. et al. A Reserva Biológica do Gurupi como instrumento de conservação da natureza na Amazônia Oriental. In: MARTINS, Marlúcia Bonifácio; OLIVEIRA, Tadeu Gomes de (orgs.). Amazônia Maranhense: Diversidade e Conservação. Belém: MPEG, 2011. Disponível em: file:///C:/Users/Dell/Downloads/amaznia%20maranhense.pdf. Acesso em: 01 abr. 2021.

OLIVEIRA, Francisco de. Adeus às Oligarquias? Revista Teoria e Debate, São Paulo, n. 52, dez.2002 / jan. fev. 2003. Disponível em: https://teoriaedebate.org.br/2002/12/01/adeus-as-oligarquias/. Acesso em: 07 jul. de 2021.

PELEGRINO, Alexandre de Carvalho. O tráfico de escravos indígenas no Estado do Maranhão: uma análise quantitativa (1689-1701). In: Encontro Regional de História da Anpuh-Rio: Saberes e práticas científicas, 16. 2014, Rio de Janeiro. Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio: Saberes e práticas científicas. Rio de Janeiro: Anpuh-Rio, 2014. Disponível em: http://www.encontro2014.rj.anpuh.org/resources/anais/28/1400519433_ARQUIVO_ANPUHPELEGRINO.pdf. Acesso em: 10 jul. 2021.

PEREIRA, Josenildo de Jesus. As representações da escravatura na imprensa jornalística do Maranhão na década de 1880. 2006. Tese (Doutorado em História Social). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-11072007-103448/publico/TESE_JOSENILDO_JESUS_PEREIRA.pdf. Acesso em: 11 abr. de 2021.

PERINI, Janine Alessandra. Vale do Ribeira: uma contribuição das redes virtuais quilombolas para a formação de professores de Artes Visuais na perspectiva da Lei 10.639/2003. 2012. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais). Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Artes, Florianópolis, 2012. Disponível em: <http://www.tede.udesc.br/bitstream/handle/675/1/Janine%20Alessandra%20Perini.pdf>. Acesso em: 01 jul. 2021.

SANTOS, Rosenverck Estrela. O marxismo e a questão racial no Brasil: reflexões introdutórias. Lutas Sociais. São Paulo, vol.19 n.34, p.100-113, jan./jun. 2015.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Como Citar

Perini, J. A. (2022). O Maranhão e suas relações étnico-raciais. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 8(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v8i2.2270

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo