Que mulheres podem ser jovens?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v8i1.2226

Palavras-chave:

Palavras-Chave: Juventudes; Geração; Moratória Social; Moratória Vital.

Resumo

Este artigo é parte da tese intitulada "Juventudes e Deficiência: Narrativas Autobiográficas de Jovens Mulheres" que está sendo produzida no Programa de Pós-graduação em Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Ao abordar o tema das juventudes, o argumento procura desnaturalizar ideias e concepções correntes. Assim, o conceito é afastado tanto do singular, juventude, como do termo adolescência, considerado, em muitos estudos seu sinônimo. Juventudes, no plural, também se justifica no reconhecimento da existência de múltiplas experiências juvenis. Este artigo ancora-se na sociologia da juventude. Dialoga-se com autores como Luís Antônio Groppo (2016, 2017) a fim de historicizar distintas concepções; Karl Mannheim (1993 [1928]); Marialice Foracchi (1972) em se tratando de geração; e pesquisadores como Mário Margulis e Marcelo Urresti (2000); Silvana Goellner (2003) no que envolve as moratórias social e vital, enfatizando, nesta última, questões relativas ao gênero e ao corpo. 

Biografia do Autor

Elisabete da Silveira Ribeiro, Universidade Federal do Tocantins

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Pelotas. E-mail: btsilveira@gmail.com

Lóry da Silveira Ribeiro, Universidade Federal do Tocantins

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Rio Grande. E-mail: lory.ribeiro@uft.edu.br

Sulivan Ferreira de Souza, Universidade Federal do Tocantins

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. E-mail: sulivanfs@uft.edu.br

Referências

CARRANO, Paulo. Jovens, escolas e cidades: desafios à autonomia e à convivência. In: Teias. v. 12, n. 26, p. 6- 22, 2011.

DEBERT, Guita Grin. Velhice e o curso da vida pós-moderno. In: Revista USP, 1999.

ERIKSON, E. Identidade, juventude e crise. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

FEIXA, Carles; LECCARDI, Carmem. O conceito de geração nas teorias sobre juventude. In: Revista Sociedade e Estado - Volume 25 Número 2 Maio / Agosto 2010.

FORACCHI, Marialice. A juventude na sociedade moderna. São Paulo, Livraria Pioneira, 1972.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A educação dos corpos, dos genêros e das sexualidades e o reconhecimento da diversidade. In: Cadernos de Formação RBCE, p. 71-83, mar. 2010

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: LOURO, G.L. et al. Corpo, Gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. Petrópolis: Vozes, 2003.

GROPPO, Luis Antonio. Introdução à sociologia da juventude. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.

GROPPO, Luis Antonio. Sentidos de juventude na sociologia e nas políticas públicas do Brasil

Contemporâneo. Revista Políticas Públicas, São Luís, v. 20, n 1, p. 383-402, jan./jun. 2016.

GROPPO, Luis Antonio. Teorias pós-críticas da juventude: juvenilização, tribalismo e socialização ativa. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, 13 (2), pp. 567-579, 2015

GROPPO, Luis Antonio. Educação sociocomunitária e integração sistêmica: fundamentos para uma crítica das intervenções educacionais não formais contemporâneas. In: Acta Cientifíca, v. 22, n 1, 2013

KEHL, Maria Rita. A juventude como sintoma da cultura. In: Juventude. Belo Horizonte: Outro Olhar, 2007.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pósestruturalista Petrópolis, RJ, Vozes, 1997

MANNHEIM, Karl. The problem of generations. Essays on the Sociology of Knowledge, p. 276-322, 1993.

MARGULIS, Mário. Juventud o juventudes: Dos conceptos diferentes. Voces en el fênix. Córdoba, n. 51, dic. 2015

MARGULIS, Mario; URRESTI, Marcelo. La juventud es más que una palabra. In: MARGULIS, Mario (Org.). La juventud es más que una palabra: ensayos sobre cultura e juventude. Buenos Aires: Biblos, 2000.

REGUILLO, Rossana. Las culturas juveniles: un campo de estudio; breve agenda para la discusión. In: Juventude e Contemporaneidade. Brasília: UNESCO, MEC, ANPEd, 2007.

RODRIGUES, Nelson. Teatro completo. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1993.

WELLER, Wivian; BASSALO, Lucélia de Moraes Braga. A insurgência de uma geração de jovens conservadores: reflexões a partir de Karl Mannheim. In: Estudos Avançados 34 (99), p. 391-407, 2020

Downloads

Publicado

15/04/2022

Como Citar

Ribeiro, E. da S. ., Ribeiro, L. da S., & Souza, S. F. de. (2022). Que mulheres podem ser jovens?. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 8(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v8i1.2226

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo