A Produção da Vigorexia em Mulheres

Análise da Produção Científica a partir de uma perspectiva foucaultiana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i3.2223

Palavras-chave:

Governamentalidade, Mulheres, Objetivação, Subjetivação, Vigorexia

Resumo

O estudo objetiva analisar, nos artigos presentes nas Bases de Dados Science Direct e Scielo.Org, como vem sendo produzida a vigorexia em mulheres, procurando entender os processos de objetivação e subjetivação que atuam sobre elas e os enunciados presentes nos discursos científicos que tratam dessa temática. Assim, busca-se estabelecer conexões com as teorizações de Foucault sobre governamentalidade, poder, discurso, enunciações e enunciados. A partir das análises das enunciações que tratam das mulheres nesses artigos, foram encontrados dois enunciados: “mulheres constroem corpos musculosos na busca da beleza fitness presente nas mídias e/ou na busca de minimizar violências” e “mulher vigoréxica como doente”.

Biografia do Autor

Fabiana Loréa Paganini Stein, Universidade Federal do Rio Grande-FURG

Doutora em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG); Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola (Gese/FURG); Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil; e-mail: fabianap.stein@gmail.com.

Paula Regina Costa Ribeiro, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Professora do Instituto de Educação e dos Programas de Pós-Graduação: Educação em Ciências e Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande – Furg. Pós-Doutorado na Escola Superior de Educação de Coimbra/Instituto Politécnico de Coimbra. Pesquisadora do Grupo de Investigación en Educación y Sociedad (Gies). Líder do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola (Gese), atuando principalmente nos seguintes temas: corpos, gêneros e sexualidades. Bolsista produtividade 1C do CNPq. http://lattes.cnpq.br/0516745823012125https://orcid.org/0000-0001-7798-996X.

Referências

APA.AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais DSM 5. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ASSUNÇÃO, S. S. M. Dismorfia Muscular. Revista Brasileira de Psiquiatria, [S. l.], v. 24, supl.3, p. 80-84. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbp/a/rk9JwfSJPnQL7GRqM7CtfXc/?lang=pt . Acesso em: 16 de out. 2016.

AZEVEDO, A. M. P. et al. Dismorfia muscular: A busca pelo corpo hiper musculoso. Motricidade, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 53-66. 2012.

BUENO, S.; LIMA, R. S. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault: Um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

CÉSAR, M. R. A.; DUARTE, A. Governo dos corpos e escola contemporânea: Pedagogia do fitness. Educação e Realidade, [S. l.], v. 34, n. 2, p. 19-134, mai./ago. 2009.

COUTO, E. S. As façanhas dos extremos: O triunfo do corpo nas atividades físicas e esportivas radicais. In: COUTO, E. S.; GOELLNER, S. V. (Orgs,) O Triunfo do Corpo: Polêmicas Contemporâneas. Petrópolis: Vozes, 2012. p. 161-185.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. 7.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária., 2005.

FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, M. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. Subjetividade e verdade. In: AVELINO, N. (Org.). Do Governo dos Vivos: Curso no Collègge de France, 1979-1980 (excertos). 2. ed. ampliada. Rio de Janeiro: Achiamé, 2011. p. 149-166.

FOUCAULT, M. 1984: Foucault. In: MOTTA, M. B. (Org.). Michel Foucault: Ética, sexualidade e política. Coleção Ditos e Escritos V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2017. p. 228-233.

GALLO, S. Biopolítica e subjetividade: resistência? Educar em Revista, Curitiba, n. 66, p.77-94, out./dez. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/nmFRqJV8P8mRGzbB3j7bHXm/?lang=pt&format=pdf . Acesso em: 17 de out. 2019.

GOELLNER, S. V. Deporte y Cultura Fitness: La Generización de Los Cuerpos Contemporáneos. Revista Digital Universitaria, [S. l.], v. 9, n.7, p. 1-xx-11-xx, jul. 2008.

GOODWIN, H. et al. Sociocultural correlates of compulsive exercise: Is the environment important in fostering a compulsivity towards exercise among adolescents? Body Image, [S. l.], v. 8, n. 4, p. 390-395. 2011.

GRUBER, A. J.; POPE Jr, H. G. Compulsive weight lifting and anabolic drug abuse among women rape victims. Comprehensive Psychiatry, v. 40, n. 4, p. 273-277, jul./aug.1999.

HANSEN, R.; VAZ, A. “Sarados” e “gostosas” entre alguns outros: aspectos da educação de corpos masculinos e femininos em academias de ginástica e musculação. Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 01, p. 133-152, jan./abr. 2006.

HILDEBRANDT, T. et al. Muscularity concerns among men: Development of attitudinal and perceptual measures. Body Image, [S. l.], v. 1, p. 169-181. 2004.

JAEGER, A. A.; GOELLNER, S. V. O músculo estraga a mulher? A produção de feminilidades no fisiculturismo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 3, p. 955-975. set./dez. 2011.

JAEGER, A. A.; OLIVERIA, M. C. Explorando o Instagram das Musas Fitness: Beleza, heteronormatividade e erotização. In: WENETZ, I.; ATHAYDE, P.; LARA, L. (Orgs.). Gênero e sexualidade no esporte e na educação física. Natal: EDUFRN, 2020. p. 155-169.

KAMM, R. L. Interviewing Principles for the Psychiatrically Aware Sports Medicine Physician. Clinics in Sports Medicine, [S. l.], v. 24, n .4, p. 745-769. 2005.

LARROSA, J. Tecnologias do eu e educação. In: Silva, Tomaz Tadeu da (Org.). O Sujeito da Educação: Estudos Foucaultianos. Petrópolis: Vozes. 8.ed. 2011.

LE BRETON, D. Antropologia do Corpo e Modernidade. Petrópolis: Vozes. 3.ed. 2013.

LÓPEZ-BARAJAS, D. M. et al. Autoconcepto y ansiedad: detección de indicadores que permitan predecir el riesgo de padecer adicción a la actividad física. Cuadernos de Psicología del Deporte, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 91-100. 2012.

LUCIANO, L. Muscularity and masculinity in the United States: A historical overview. In:. THOMPSON, J. K.; CAFRI, G. (Eds.). The muscular ideal: Psychological, social, and medical perspectives. Estados Unidos: American Psychological Association. 2007. p. 41-65.

MARSHALL, J. Governamentalidade e educação liberal. In: SILVA, T. T. (Org.). O Sujeito da Educação: Estudos Foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 8. ed. 2011. p. 21-34.

MARTÍNEZ, N. B. et al. Internalization of aesthetic ideals and body concern in males and females gym users. Revista Mexicana de Trastornos Alimentarios, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 29-38. 2014.

McCREARY, D. R.; SASSE, D. K. An exploration of the drive for muscularity in adolescent boys and girls. Journal of American College Health, [S. l.], v. 48, p. 297-304. 2000.

MEDINA, M. A. M. et al. Cuerpo y corporalidad desde el vivenciar feminino. Acta Bioethica, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 165-168. 2006.

ONU. Organização das Nações Unidas. Começam os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres. 2019. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2019/11/1695601 Acesso em: 22 jan. 2020.

POPE JUNIOR, H. G. et al. Anorexia nervosa and "reverse anorexia" among 108 male bodybuilders. Comprehensive Psychiatry, [S. l.], v. 6, n. 34, p. 406-409, nov./dez. 1993.

POPE JUNIOR, H. G. et al. Muscle dysmorphia: an underrecognized form of body dysmorphic disorder. Psychosomatics, [S. l.], v. 6, n. 38, p. 548-557, nov./dez. 1997.

POPE JUNIOR, H. G. et al. O Complexo de Adônis: A obsessão masculina pelo corpo. Rio de Janeiro: Campus. 2000.

SANT’ANNA, D. B. de. História da Beleza no Brasil. São Paulo: Contexto. 2014.

SANTARNECCHI, E.; DÈTTORE, D. Muscle dysmorphia in different degrees of bodybuilding activities: Validation of the Italian version of Muscle Dysmorphia Disorder Inventory and Bodybuilder Image Grid. Body Image, [S. l.], v. 9, n. 3, p. 396-403. 2012.

SARAIVA; K.; VEIGA-NETO, A. Modernidade Líquida, Capitalismo Cognitivo e Educação Contemporânea. Educação e Realidade. v. 34, n. 2, p. 187-202, mai./ago. 2009.

SCHWENGBER, M. S. et al. Espraiamento discursivo da cultura do Fitness na contemporaneidade. Movimento. Porto Alegre, v. 24, n. 4, p. 1167-1178, out./dez. 2018.

SIBILIA, P. A privatização das biopolíticas. In: SIBILIA, P. O homem pós-orgânico: a alquimia dos corpos e das almas à luz das tecnologias digitais. 2.ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2015. p. 179-203.

VEIGA-NETO, A. Gubernamentalidad neoliberal: implicaciones para la educación. In: NOGUERA-RAMÍREZ, C. E. (Org.). Alfredo Veiga-Neto y los estúdios foucaultianos em educación. Bogotá: Universidad Pedagógica Nacional, 2018. p. 193-225.

Downloads

Publicado

21/12/2021

Como Citar

Stein, F. L. P. ., & Ribeiro, P. R. C. (2021). A Produção da Vigorexia em Mulheres : Análise da Produção Científica a partir de uma perspectiva foucaultiana. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i3.2223

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo