Clube Jaguarense em Jaguarão RS – Década de 1940 até o seu desfecho em 1975

O salão da Casa-Grande

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2196

Palavras-chave:

Clube Social; Clube Jaguarense; Racismo.

Resumo

Este trabalho apresenta um recorte sobre o Clube Jaguarense em Jaguarão RS, trata-se das últimas décadas de funcionamento da entidade, tendo em vista a sua fusão com o Esporte Clube Cruzeiro do Sul em 1975. Trata-se de trabalho desenvolvido sobre a entidade em questão, desde a sua fundação em 1881 e entidade antecedente criada em 1852. A metodologia utilizada foi a qualitativa à partir da análise sobretudo de jornais e documentos da entidade. Os resultados alcançados demonstraram o valor da entidade como monumento, documento e suporte de memórias. Especificamente neste trabalho é destacado o caráter da entidade como marcador racial na sociedade brasileira, tendo em vista a impossibilidade de contar com pessoas negras como associadas no período estudado.

Biografia do Autor

Alan Dutra de Melo, Universidade Federal do Pampa/Universidade Federal de Pelotas

Professor Adjunto da Universidade Federal do Pampa - Câmpus Jaguarão. Doutor em Memória Social e Patrimônio Cultural pela Universidade Federal de Pelotas.  Foi coordenador do Curso de Bacharelado em Produção e Política Cultural (2013-2014) (2018/02) (2019-2020) e do Curso de Especialização em Culturas, Cidade e Fronteiras (2012). Professor nos Cursos de Bacharelado em Produção e Política Cultural e no de Tecnologia de Gestão em Turismo. Foi coordenador Programa de Educação Tutorial PET Produção e Política Cultural (2013-2015). Mestre em Memória Social e Patrimônio Cultural (UFPel). Especialista em Sociologia e Política (UFPel). Possui Graduação em Direito (UFPel). A área de atuação inclui as seguintes áreas: Patrimônio Cultural, Turismo Cultural, Paisagem Urbana, Plano Diretor, Cidade, Política Cultural, Educação Patrimonial e Direito Urbanístico. Desde 2015 é membro associado do Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sitios ICOMOS Brasil e também pesquisador associado do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura CLAEC. Integrante do Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

 

Referências

A FOLHA, Jaguarão, 31 jul. 1947. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 28 ago. 1947. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 11 set. 1947. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 07 maio 1955. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 02 jun.1956. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 07 jul. 1956. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 8 dez. 1956. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 6 set. 1958. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 09 jul. 1960. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 21 ago. 1960. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 10 set. 1960. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 24 set. 1960. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 12 ago. 1961. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 26 ago. 1961. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 09 jul. 1964. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 27 jul. 1968. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 06 set. 1969. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 10 jan. 1970. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 1º set. 1973. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

A FOLHA, Jaguarão, 10 maio 1975. Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

ANDRADE, Daniel Faria de. CTG Rincão da Fronteria: estruturação, influência, agentes e tradição na fundação do primeiro centro de tradições gaúchas de Jaguarão. 2008, 32 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Produção e Política Cultural). Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão.

CLUBE JAGUARENSE. Estatuto. 1951.

CORREIO DO POVO. 16 ago. 1981 APENAS para lembrar (Texto de Claudio Rota Rodrigues - p.8). Fonte: Instituto Histórico e Geográfico de Jaguarão.

FARIAS, Osvado Cordeiro. Meio século de combate: diálogo com Cordeiro de Farias, Aspásia Camargo, Walter de Góes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.

MELO, A. D. de. A Sociedade Recreação Familiar Jaguarense (1852-1881) e o Clube Jaguarense (1881-1975): entre a história e a memória na fronteira sul em Jaguarão: RS. Tese de doutorado em Memória Social e Patrimônio Cultural – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2018. Fonte: https://wp.ufpel.edu.br/ppgmp/files/2018/12/tese-Alan.pdf acesso em 05/07/2021

SELBACH, Jeferson Francisco; BRUM, Rosemary Fritsch. Ruralização e viver na fronteira: Jaguarão RS, Porto Alegre: Animal, 2017.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público. Rio de Janeiro: Record, 2014.

SOARES, Eduardo Álvares de Souza. FRANCO, Sergio da Costa. (Orgs.). Olhares sobre Jaguarão. Porto Alegre: Evangraf, 2010.

Downloads

Publicado

27/09/2021

Como Citar

Melo, A. D. de. (2021). Clube Jaguarense em Jaguarão RS – Década de 1940 até o seu desfecho em 1975: O salão da Casa-Grande. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2196

Edição

Seção

Seminário Integrador : Turismo da Fronteira à Serra Gaúcha –Jaguarão Bento Go